Em 3 anos, Cícero Almeida troca 3 vezes de partido; Carimbão pode seguir mesma trilha
   12 de agosto de 2017   │     23:58  │  0

Qual é mesmo o partido do deputado federal Cícero Almeida? Quem lembra das duas últimas campanhas (2014 e 2016) tem tudo para errar.

O ex-prefeito de Maceió é, na atual safra, o campeão do troca-troca de legendas – ao menos em Alagoas.

Cícero Almeida anunciou, esta semana, a sua terceira troca de partido em menos de três anos de mandato.

Vamos lembrar? Eleito pelo PRTB em 2014, ele se filiou ao PSD em 2015 e depois ao PMDB, em 2016. Agora, Almeida assinou a ficha do Podemos (ex-PTN).

A mudança de legenda não é novidade na vida do político. Desde que começou a carreira, como vereador, em ele já trocou de partido pelo menos dez vezes. Vamos relembrar o que se conhece: PSL (2000 – 2001); PDT (2002 – 2005); PTB (2005); PP (2006 – 2012); PEN (2012); PSD (2012); PRTB (2012 – 2015); PSD (2015 – 2016); PMDB (2016 – 2017) e Podemos (2017).

Estratégia

O Podemos (ex-PTN), nova casa de Almeida, faz parte de estratégia que poderá levá-lo à reeleição (hipótese que ele não descarta) ou a disputar uma vaga na Assembleia Legislativa. Numa legenda menor, onde terá mais influência, Cícero pode decidir com quem vai coligar. Ele não teria essa mesma flexibilidade num partido maior, como o PMDB.

Além de assumir a presidência do Diretório Municipal de Maceió, com forte ascendência sobre a direção estadual, Almeida também ganhou um posto Diretório Nacional.

A sua filiação, na quarta-feira, 9, em Brasília foi abonada pela presidente nacional do partido, deputada federal Renata Abreu (Podemos-SP).

Fidelidade em 2018

Almeida troca de partido, mas não de grupo. Ele continua repetindo, mesmo q não lhe perguntem, que tem um compromisso com Renan Calheiros para 2018. Cícero, mesmo ainda não tendo assumido ou indicado nomes para alguma secretaria do governo, também mantém o compromisso com a reeleição de Renan Filho.

Carimbão pode seguir “exemplo”

Givaldo Carimbão pode ser o próximo a trocar de legenda. Embora num ritmo bem menor que Almeida, o deputado federal poderá realizar a segunda troca de legenda em três anos. Ele foi eleito pelo PROS, migrou para o PHS e agora, dizem nos bastidores, pode mudar para um partido maior.

Carimbão avisa, no entanto, que não decide nada antes de outubro chegar. “Só vou decidir minha vida depois que for votada a reforma política, o que deve ocorrer até o final de setembro. Até lá, tudo é especulação, até porque não adianta decidir nada antes de saber como será a eleição do próximo ano, se no voto direto (distritão) ou na base das coligações, como é hoje”, aponta.