“Aperte o bolso: o calote vem aí”, uma recomendação de Santoro e RF
   6 de setembro de 2017   │     23:39  │  4

Calma lá antes de fazer qualquer juízo do título. Trata-se, na verdade, de um artigo que ganhou forte repercussão nos meios econômicos e que Renan Filho e George Santoro ajudaram a espalhar entre algumas pessoas.

O artigo assinado pelo empresário Luiz Cezar Fernandes, sócio da corretora Grt Partners, que foi criador dos bancos Pactual e Garantia, foi divulgado na última semana de agosto e alarmou o mercado financeiro com visões apocalípticas sobre o crescimento da dívida pública interna do país – que segundo o autor, atingirá 100% do PIB do Brasil já na início do próximo governo, em 2019.

“O próximo governo se sentirá seduzido, inevitavelmente, por um calote na dívida pública. O crescimento da dívida pública interna atingirá 100% do Produto Interno Bruto – PIB do Brasil, já na posse do próximo governo. A situação será insustentável, gerando uma completa ingovernabilidade”, diz Luiz Cezar.

De acordo com o empresário, os bancos, hoje cartelizados em 5 grandes organizações, têm diminuído assustadoramente os empréstimos ao setor privado e vêm aumentando, em proporção inversa, a aplicação em títulos da dívida pública.

Para sobreviver ao dilúvio financeiro em que acredita que o Brasil estará mergulhado, Renan Filho tenta preparar Alagoas com a ajuda de sua equipe econômica – especialmente do secretário da Fazenda, George Santoro.

Em meio ao cenário apocalítico, a estratégia é manter Alagoas na contramão. Para isso, RF e Santoro vão tratar de controlar, tanto quanto possível, as despesas e trabalhar para melhorar as receitas. O governo também aposta na ampliação de investimentos públicos como alternativa para a geração de empregos – nem que tenha de fazer isso através de novos empréstimos.

A situação da economia nacional, hoje, na avaliação de Santoro é pior do que se diz e do que se imagina: “os bancos reduziram drasticamente os empréstimos para pessoa jurídica e, no caso de pessoa física, o maior volume do crédito estão indo para cartões de crédito. Isso quer dizer que não teremos crescimento nem dos investimentos nem do consumo no médio prazo”, pondera.

Que tal ler o artigo?

APERTE O BOLSO: O CALOTE VEM AÍ
Luiz Cezar Fernandes

O próximo governo se sentirá seduzido, inevitavelmente, por um calote na dívida pública. O crescimento da dívida pública interna atingirá 100% do Produto Interno Bruto – PIB do Brasil, já na posse do próximo governo. A situação será insustentável, gerando uma completa ingovernabilidade.

Os bancos, hoje cartelizados em 5 grandes organizações, têm diminuído assustadoramente os empréstimos ao setor privado e vêm aumentando, em proporção inversa, a aplicação em títulos da dívida pública.

Os países que recentemente entraram em default, como a Grécia, não causaram grandes impactos internos, pois sua dívida era sobretudo externa e em grande parte pulverizada, inclusive em bancos centrais, fundos mútuos e de pensão.

O caso do Brasil é essencialmente diverso. Um default nossa dívida interna implicará na falência do sistema, atingindo de grandes bancos a pessoas físicas, passando por family offices e afins.

Para evitarem uma corrida bancária, as grandes instituições bancárias terão, obrigatoriamente, que impedir seus clientes de efetuarem os saques de suas poupanças à vista ou a prazo.

Caso contrário, teremos uma situação ainda mais grave que a vivida pela Venezuela. Reformas já ou só restará o calote.

Tem mais uma “sugestão de leitura”

O ALARME TEM PROCEDÊNCIA
Deu no site Sputnik

Ouvido pelo site Sputnik, o economista Istvan Kasznar, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), diz que, embora a previsão de Fernandes tenha um tom alarmista, reforça o alerta que vem sendo dado por economistas há algum tempo: a necessidade de o governo fazer uma política fiscal séria e parar de sacrificar a população com mais impostos.

“Esses são déficits públicos gigantescos que se tornam maiores depois de declarações oficiais. São heranças do governo Dilma Rousseff, no mínimo. Eram R$ 175 bilhões de déficit em 2015, R$ 190 bilhões em 2016, este ano falava-se em R$ 136, depois pulou para R$ 139, aumentou para R$ 159, daqui a pouco foi R$ 169. Ninguém sabe onde é o teto e onde vai parar isso. O que está sendo dito pelo Ministério da Fazenda, às claras e em bom português, é que existe um desgoverno, sem capacidade de controle, sem capacidade de gerar fixidez de reducionismo no déficit público e incapaz de mostrar outra coisa que não seja um déficit primário, que continua um desastre. Isso é consequência de uma política assistencialista, onde se pensa que dinheiro nasce em árvore”, diz o economista.

RENTISMO – “De 45% a 47% do valor arrecadado pela União é pago em juros e amortização da dívida interna pública, o que é absurdo. É ótimo para banqueiro e para quem vive de renda e um desastre para a nação, que precisa de investimentos, empregos e riqueza. O Luiz Cesar é mais um na multidão de pessoas que faz um alerta: a possibilidade de um calote que se gera em função de uma má prática contínua no processo de gestão das contas públicas e do Estado no Brasil”, acrescenta Istvan Kasznar.

“Não é tão terrível quanto nos Estados Unidos (102%), Dinamarca (117%) e Itália (108%), mas há uma diferença: nos EUA, eles emitem dólar em divisa e o mundo aceita. No Brasil, a gente emite em real — e nem dá para emitir porque a Casa da Moeda também quebrou e vai ser privatizada — e isso implica que não temos esse grau de liberdade para emitir dinheiro e dizer que nossa moeda é divisa. O Brasil está acostumado há décadas a viver num regime de classe média com lamúrias e uma elite acompanhando com muito prazer taxas de juros estratosféricas que lhes asseguram mais retorno através de aplicações financeiras do Tesouro Direto, CDBs (Certificados de Depósito Bancário) e uma população miserável que se contenta com as migalhas de um assistencialismo mal engendrado que acaba quebrando o Estado.”

COMENTÁRIOS
4

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. josé

    O BRASIL DE CALÇAS ARRIADAS DIANTE DOS POLITICOS NUNCA SE VIU TANTA SAFADEZA, E A EQUIPE ECONOMICA DESSE PRESIDENTE SEM VOTO, DE NOME TEMER, ESTOURANDO O BOLSO DA POPULAÇÃO, O AUMENTO CONSTANTE DE COMBUSTIVEIS É UMA VERGONHA SEM PRECEDENTES.

    QUE O POVO ELEJA UM MALUCO EM 2018 !.

  2. josé

    O Presidente de DETRAN-AL, Cacá Gouveia tem razão, é uma vergonha porque não dizer criminosa a instalação de radares na Capital sem que tenha critérios para reduzir acidentes. Vamos citar apenas dois locais em vias que utilizo 4 vezes todos os dias, Av. Rotary, retiraram um quebra mola e lá está um radar internitente que começa a multar a partir de 30 de setembro, no mesmo sentido na Av. Josefa de Melo proximo ao SHOPING PARQUE, também outro RADAR.

    O GRAVE TAMBÉM É QUE NÃO SE TEM NOTICIAS DE ACIDENTES CONSTANTES, QUER DIZER É RESPEITADO A VONTADE, O CRITÉRIO ABUSIVO DA GESTÃO PÚBLICA.

    É PRECISO RESPEITAR MAIS A POPULAÇÃO, AGORA NAS ELEIÇÕES VÃO PEDIR VOTO NA MAIOR CARA DE PAU !.

    O MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL DEVERIA INTERVIR.

Comments are closed.