Banco tem R$ 1 bilhão para investir em Alagoas
   15 de setembro de 2017   │     21:39  │  0

Em temos de vacas magras e de crédito cada vez mais escasso, Alagoas acaba de ganhar um “presente” num momento mais que oportuno – às vésperas do seu aniversário.

Em 2018, Alagoas contará com cerca de R$ 1 bilhão em recursos do Fundo Constitucional do Nordeste (FNE) para apoio a projetos produtivos.

O valor é 50% a mais do inicialmente previsto para o Estado no próximo ano e mesmo percentual de incremento em relação ao que deve ser aplicado este ano.

O anúncio foi feito, essa semana, pelo diretor de Planejamento do Banco do Nordeste, Perpétuo Cajazeiras, em evento promovido pelo BNB em Maceió.

Para anunciar o reforço na linha de crédito, inicialmente estima em R$ 640 milhões, o banco convidou representantes das três esferas governamentais, das entidades do setor produtivo e instituições ligadas à pesquisa e desenvolvimento regional.

“Recebemos a contribuição dos principais parceiros e representantes dos setores produtivos e assim pudemos elaborar uma proposta de aplicação dos recursos mais condizente com a realidade do Estado”, adianta o superintendente do BNB em Alagoas, Wesley Maciel.

Versão oficial

A assessoria do BNB distribuiu texto com a “boa nova”. Leia:

Diretor do BNB anuncia incremento de 50% dos recursos do FNE para Alagoas em 2018

Alagoas contará com cerca de R$ 1 bilhão em recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) para apoio a projetos produtivos em 2018 – 50% a mais do inicialmente previsto para o Estado e mesmo percentual de incremento em relação ao que deve ser aplicado este ano. O anúncio foi feito no último dia 13 pelo diretor de Planejamento do Banco do Nordeste, Perpétuo Cajazeiras, em evento promovido pelo Banco na sede do Sindicato do Comércio Atacadista de Alagoas (Sincadeal), reunindo representantes das três esferas governamentais, das principais entidades de classe e instituições ligadas à pesquisa e desenvolvimento regional.

O evento discutiu a alocação destes recursos entre os principais setores da economia e contou com apresentações das Secretarias Estaduais de Desenvolvimento Econômico e do Turismo, e de Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura, sobre as perspectivas de investimentos no Estado para os diversos segmentos do comércio, serviço, indústria, agricultura, pecuária, agroindústria, entre outros.

Para o superintendente estadual do BNB em Alagoas, Wesley Maciel, o evento foi importante por permitir a construção, de forma colaborativa, do orçamento do FNE para 2018. “Recebemos a contribuição dos principais parceiros e representantes dos setores produtivos e assim pudemos elaborar uma proposta de aplicação dos recursos mais condizente com a realidade do Estado. Todos os segmentos e portes empresariais foram contemplados, mas percebemos uma aposta do Governo e entidades de classe na pecuária, agroindústria e no turismo para o próximo ano”, ressaltou.

O Diretor de Negócios do BNB, Antônio Rosendo, também participou do evento e reforçou que está otimista quanto a recuperação da economia e superação da crise e que, havendo demanda da economia e bons projetos produtivos no Estado, o Banco vai apoiar.

Cerca de 24 instituições se fizeram representadas, entre elas o Ministério da Agricultura, Pecuária e Aquicultura, Companhia Nacional de Abastecimento, Secretarias Estaduais, Federação das Indústrias do Estado de Alagoas, Federação da Agricultura do Estado de Alagoas, Federação do Comércio do Estado de Alagoas, Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias, Sebrae, Junta Comercial do Estado de Alagoas, Clube de Dirigentes Lojistas de Maceió, Movimento Alagoas Competitiva, entre outras.

O Banco do Nordeste é o gestor do FNE e a programação orçamentária acontece em todos os estados de sua área de atuação, em conformidade com as diretrizes e orientações gerais do Ministério da Integração Nacional e do Conselho Deliberativo da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Condel/Sudene), com as prioridades dos governos estaduais e de instituições representativas de classe.

A programação leva em conta ainda preceitos legais de alocação mínima de recursos no Semiárido e de acordo com o porte do cliente, garantindo crédito para as regiões menos favorecidas e para os mini e pequenos empresários e produtores rurais. A proposta inicial de programação da aplicação dos recursos do FNE para o ano de 2018 será ainda submetida à apreciação do Conselho Deliberativo da Sudene (Condel).