Ostensiva, digital e próxima ao cidadão: vem aí uma nova “PM” em Maceió
   6 de novembro de 2017   │     16:26  │  5

No governo de Alagoas, o novo modelo de policiamento que está sendo preparado para chegar as ruas de Maceió a partir dezembro de 2017, está sendo chamado, por enquanto, de “Força Tarefa de Proximidade”. Mas o nome com o qual o novo serviço, realizado pela Polícia Militar de Alagoas, vai se tornar conhecido será outro mais “apropriado”.

O custo já foi definido: R$ 1 milhão por mês, com pagamento de diárias a PMs e com convocação de policiais militares da reserva.

No conceito já aprovado pelo governador Renan Filho, pelo que apurei, os PMs, vão trabalhar em trio, sendo dois da ativa e um da reserva.

Na primeira fase, serão 400 homens fazendo o policiamento ostensivo em dois turnos de oito horas a cada dia. Eles vão trabalhar em três áreas de grande fluxo de pessoa já definidas: Centro, Jacintinho e orla.

O governo espera, com o novo serviço de patrulhamento, que será feito a pé, aumentar muito a sensação de segurança do cidadão. Hoje, para se ter uma ideia, o policiamento na orla de Maceió é feito por 3 viaturas e 12 homens. Com a FT de Proximidade, o governo vai colocar no mínimo mais 60 homens no policiamento de cada local.

O governador confirma o lançamento do novo serviço para dezembro e dá mais alguns detalhes. Os policiais vão trabalhar com uma câmera na cabeça (acoplada a um capacete). Toda a abordagem será filmada e servirá para monitorar a abordagem ao cidadão. Todos os PMs terão um rádio digital. Com o equipamento, eles podem se comunicar facilmente, o que permitirá a mobilização de todo os efetivos mais próximo do local, no caso de qualquer ocorrência.

“A possibilidade de chegar mais rápido é maior”, aponta Renan Filho.

O governador explica ainda que o policiamento não será restrito à beira da praia: “a ideia é avançar mais, cobrindo locais de grande fluxo, como entradas restaurantes”.

Esse novo modelo, que permite um contato mais próximo do cidadão não é novo, como explica o próprio governador: “estamos copiando, dentro da nossa realidade, a política mais bem-sucedida de segurança pública de outros locais. O que há de diferente para o que já fazemos é que vamos utilizar novas ferramentas e convocar policiais da reserva. Assim quem já se aposentou e quiser, vai voltar ao trabalho”.

Assim como ocorreu com a Força Tarefa, Renan Filho acredita que a polícia de “proximidade” vai contribuir para reduzir todos os indicadores de violência do estado. “O principal objetivo é aumentar a segurança das pessoas, mas esperamos que o policiamento mais ostensivo, mais próximo do cidadão também contribua para reduzir fortemente os indicadores de violência em nosso estado, principalmente na capital”, aponta.

COMENTÁRIOS
5

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. ANA LUIZA

    Era pra ser assim: Viaturas normais funcionando, com efetivo do dia trabalhando, mais as viaturas da força tarefa. Vamos a um exemplo: batalhão com 5 viaturas normais e do turno rodando e com mais 5 viaturas de policiais que trocaram sua folga por serviço. Essa era a ideia e foi isso o que foi apresentado.
    Mas o que vemos na prática?
    Só vemos as viaturas amarelas nas ruas.
    o Que se supõe? Que os policiais de serviço estão usando as viaturas amarelas dos que topariam trabalhar extra, ou os policiais de serviço do dia ficaram dentro do batalhão e com as viaturas normais paradas.
    Ou seja, a força tarefa é apenas uma ilusão de markqting. Tudo está exatamente igual, com o detalhe que as viaturas amarelas passeiam mais pela orla e são novinhas. Fora isso, só enxame.
    Outro detalhe: caro jornalista, sei como funciona essas coisas, mas tá dando na cara demais que você está a serviço do palácio. Fica chato isso.

  2. Marcos Almeida

    A PM já está reduzindo as viaturas de Força Tarefa nos bairros, já pra implantar essa daí . Ele não quer eficiência, mas sim novidade para propaganda.
    O policiamento nas portas de restaurantes vai ser definido por empresário que paga mais?
    E dentro dos estádios de futebol? A PM ainda vai trabalhar de graça para custear a Federação de futebol e seus times?
    Mais uma vez o governo trabalhando em prol das elites da orla de Maceió.

  3. PM SINCERO

    Por isso a redução do orçamento para a Força Tarefa, para fazer outra Força Tarefa com o pessoal da reserva.

    Rádios para uma fácil comunicação? Kkkkk Quando funcionam né, pq basta uma área mais baixa que ja ficam fora do ar!!! So pode ser brincadeira

  4. Roberto Silva

    O governo reduziu a quantidades de viaturas da Força Tarefa por questão financeira, imagine esse novi programa.

Comments are closed.