Renovabio: surge uma nova esperança para o setor sucroalcooleiro de Alagoas
   13 de dezembro de 2017   │     15:52  │  0

O Senado aprovou, nessa terça-feira, 12, projeto de lei que cria o Política Nacional de Biocombustíveis. O RenovaBio já está sendo chamando por alguns produtores de Alagoas de “novo proalcool”. Vale lembar que o programa que incentivou a produção de álcool no Brasil, a partir da crise mundia do petróleo nos anos 70.

A lei que cria o Renovabio segue agora para a Casa Civil e deve ser sancionada por Michel Temer. “Este programa surge como uma grande oportunidade para todo o setor sucroalcooleiro nacional. Para atender as suas metas, vamos precisar dobrar a produção de etanol no país nos próximos anos”, aponta Pedro Robério Nogueira.

Vale lembrar que durante o Proalcool o setor sucroalcooleiro de Alagoas viveu sua maior fase de expansão, com a construção de novas usinas e destilarias.

Se o Brasil vai aumentar a produção de etanol, Alagoas vai junto, avisa o presidente do Sindaçúcar-AL: “é uma renovação das nossas esperanças, especialmente agora que atravessamos a maior crise do setor. É importante ressaltar que nossas usinas também vão precisar aumentar a produção do biocombustível, o poderá abrir um novo ciclo de prosperidade na agroindústria canavieira alagoana”.

O papel da bancada

A bancada de Alagoas no Senado Federal, assim como aconteceu na Câmara dos Deputados, teve papel destacado na aprovação do Renovabio, ressalta Pedro Robério: “quero agradecer aos senadores Fernando Collor, Benedito de Lira e Renan Calheiros, que contribuíram decisivamente. E sabemos que agiram assim porque sabem a importância que este setor tem na geração de empregos e de riquezas em nosso estado”, enfatiza.

O RenovaBio

O setor sucroenergético nacional foi atendido pelo Senado Federal que aprovou, nesta terça-feira, 12, o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 160/2017, que cria a Política Nacional de Biocombustíveis – RenovaBio. A proposta segue agora para a Casa Civil onde deverá receber a sanção do presidente Michel Temer.

O RenovaBio é uma política de Estado que pretende reconhecer o papel estratégico de todos os tipos de biocombustíveis na matriz de energia nacional, tanto para a segurança energética quanto para redução de emissões de gases causadores do efeito estufa.

Na oportunidade, o senador Cidinho Santos leu o relatório das Comissões de Meio Ambiente (CMA) e de Serviços de Infraestrutura (CI). O projeto já tinha sido aprovado na Comissão de Assuntos Econômicos, com o relatório do senador Fernando Bezerra Coelho.

Atualmente, o Brasil é o segundo maior produtor mundial de biocombustíveis, tendo gerado 27 bilhões de litros de etanol e 4,2 bilhões de litros de biodiesel em 2017.