Renan Filho anuncia programa para revitalização do setor canavieiro em AL
   9 de março de 2018   │     18:43  │  0

Nos últimos sete anos a produção de cana-de-açúcar em Alagoas despencou. Literalmente. De uma safra de 28,9 milhões de toneladas em 2010/2011, para uma produção que deve chegar ao máximo de 14 milhões de toneladas no ciclo atual.

A redução representa uma perda de faturamento, somente nesta safra, estimada em mais de R$ 2,5 bilhões. Pior. Sem a matéria-prima, as indústrias operam com capacidade ociosa – quando conseguem operar. No período, 7 indústrias suspenderam suas atividades – algumas em definitivo – e mais de 30 mil empregos com carteira assinada foram perdidos no setor em Alagoas, a maioria de trabalhadores rurais.

Reverter este cenário, ao que parece, passa a ser uma das prioridades do governo do estado. Ao presidir, nesta sexta-feira, 9, a instalação da Câmara Setorial da Cana-de-açúcar de Alagoas, o governador Renan Filho anunciou que vai coordenar pessoalmente o processo.

“Se cana, não tem como ter usina. O caminho pela recuperação do setor em Alagoas passa, prioritariamente pelo plantador de cana, que tem maior capacidade de retomar a produção num menor espaço de tempo. Vamos buscar juntos saídas para aumentar a produção de cana-de-açúcar e, com isso, trazer de voltas os empregos”, disse o governador.

Renan Filho prometeu participar pessoalmente das próximas reuniões da Câmara Setorial: “quero discutir aqui, com vocês, as ações que poderemos desenvolver juntos. O governo também fará sua parte. Vamos ajudar os pequenos produtores, que trabalham em regime de agricultura familiar, a recuperar suas áreas, com mecanização e doação de adubo”, adiantou.

Participaram da reunião da Câmara Setorial representantes do governo – entre eles os secretários de Agricultura (Antônio Santiago) e Fazenda (George Santoro) e de várias instituições. O setor produtivo foi representado, entre outros, pelo presidente da Asplana (Edgar Filho), presidente da Faeal (Álvaro Almeida), conselheiro do Sindaçúcar-AL (Carlos Monteiro), diretor do Coplan (Juarez Acioly), presidente da Fetar-AL (Cícero Domingos) e presidente do STIAAL (Jackson Lima Neto).

Veja a repercussão da instalação da Câmara entre lideranças do setor em texto da assessoria:

Instalação da Câmara Setorial abre caminho para a recuperação do setor sucroenergético

Após uma longa espera, um dos pleitos mais aguardados pelo setor sucroenergético alagoano finalmente saiu do papel, a instalação da Câmara Setorial da Agroindústria Canavieira. Contando com a presença de representantes das entidades do setor sucroenergético alagoano, a exemplo das usinas, fornecedores e trabalhadores do campo e da indústria, a primeira reunião do fórum foi presidida, nesta sexta-feira, 09, pelo governador Renan Filho, no Palácio República dos Palmares.

A Câmara, que foi criada pelo governador Renan Filho, por meio do decreto nº 50.333, de 12 de setembro/2016, terá como atribuições, além de orientar e discutir políticas, traçar estratégias e diretrizes relativas à produção, beneficiamento, industrialização e comercialização da cana e derivados com o governo prestando apoio técnico e ou operacional ao colegiado.

“Há dois anos passado pleiteamos a instalação da Câmara Setorial que foi realizada hoje com o governador Renan Filho mediando os conflitos e encontrando soluções para o nosso setor. O colegiado reúne em um mesmo espaço todos os atores da cadeia produtiva da cana junto com o Estado. O setor canavieiro é o motor da nossa economia e representa mais de 20% do PIB do Estado. Sempre recebemos uma atenção do governo, mas este fórum oficial, que terá a presença do governo, nos deixa mais fortes”, declarou Edgar Filho, presidente da Asplana.

De acordo com ele, já na primeira reunião algumas propostas já chegaram a ser discutidas. “Este primeiro encontro não se resumiu apenas a instalação da Câmara, discutimos também algumas saídas para a crise. O governador ficou de liberar tratores e adubo para o fornecedor de cana poder recuperar o canavial envelhecido e castigado pela seca”, afirmou Edgar, informando que 90% dos fornecedores de cana do Estado são pequenos agricultores que tiram o sustento da família da lavoura de cana.

O industrial Carlo Monteiro, que na oportunidade representou o presidente do Sindaçúcar-AL, Pedro Robério Nogueira, na reunião da instalação da Câmara Setorial, também destacou a importância da fórum para o retomada do crescimento do setor canavieiro.

“Todas as entidades envolvidas neste colegiado estão alinhados para uma única finalidade, que é recuperar a indústria e os canaviais de Alagoas. Vela ressaltar o empenho do Governo do Estado de aproximar e encontrar soluções para este fim. O parque industrial e o canavial foram praticamente dizimados pela seca dos últimos anos. Agora, o período de chuvas voltou a regularidade, mas existem muitas dificuldades com a falta de crédito para a recuperação. A Câmara vai ajudar o setor a se erguer novamente e voltar a produção do passado de 30 milhões de toneladas de cana por safra, afirmou Monteiro.

Na ocasião, o governador Renan Filho, que se comprometeu em presidir todas as reuniões do colegiado, afirmou que a Câmara Setorial será um espaço para dialogo de todos os agentes envolvidos no segmento canavieiro. “Acredito muito que, este ano, já iremos ampliar a área plantada, aumentar a oferta de empregos e fortalecer o setor sucroenergético do nosso Estado”, ressaltou Renan Filho.