Renan Filho: “AL terá maior redução da violência dos últimos anos”
   2 de abril de 2018   │     19:20  │  0

Alagoas conseguiu se consolidar, nacionalmente, como o estado que teve melhoro desempenho em solidez fiscal nos últimos três anos. Os resultados vieram mais rapidamente do que se poderia imaginar. De “D-”, pior nota do e última posição do ranking do Tesouro Nacional, para “B”, a segunda melhor classificação.

Neste caso, os resultados talvez tenham vindo mais rapidamente porque dependiam, fundamentalmente, de ações internas do governo.

Nos indicadores da violência, a melhora de Alagoas tem sido, apesar de consistente, mais lenta. Neste caso, existem fatores “externos” e inesperados, que fogem ao controle do governo, como a “guerra de facções” que explodiu no Brasil no começo de 2017, com fortes reflexos também em Alagoas.

Ainda assim, o estado tem conseguido, ano após ano, reduzir os índices de criminalidade, com destaque para o mais importante indicado – os Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs).

Este ano, ao contrário de 2017, quando o número de mortes se manteve praticamente estável, o estado caminha para uma forte redução nas estatísticas.

Renan Filho arrisca um palpite sobre a violência em Alagoas, especialmente sobre os casos de homicídios: “vamos terminar este ano com a menor taxa dos últimos anos e Alagoas deve ficar em oitavo ou nono no ranking dos estados mais violentos do país”, aponta.

Isso porque o governador avalia que os números registrados até agora tendem a se manter.

Os números de março devem ser divulgados esta semana e se mantiver o patamar dois primeiros meses do ano, que registraram média diária no estado ficou em 4,15 mortes violentas (CVLIs), será confirmada no trimestre uma queda de mais de 20% na comparação com 2017 (5,25) e bem abaixo dos números que eram registrados até 2014 (acima de 6, chegando até 7) quando Alagoas era o estado mais violento do Brasil.

Em 2016, segundo o anuário da violência, Alagoas apareceu em terceiro lugar com média de 55,9 mortes por 100 mil habitantes, ficando atrás de Sergipe (64) e Rio Grande do Norte (56,9).

Os dados de 2017 ainda não foram divulgados, mas segundo o Monitor da Violência, do G1, Alagoas caiu para 5o lugar, com 52,6 mortes por mil, atrás de RN (64 ), AC (63,9), PE (57,3) e CE (56,9) – veja tabelas.

Novos ares

O lançamento de novos serviços como o Ronda no Bairros e maior controle das guerras de facções devem ajudar o governo a alcançar melhores resultados na segurança, acredita RF: “estamos avançando no combate a criminalidade e o estado vai continuar investido para garantir que a tranquilidade da população”, garante o governador.

Pra não esquecer

Alagoas foi o líder nacional de homicídios por oito anos – entre 2007 e 2014. Nesse período, atingiu, em 2011, a maior taxa de assassinatos já registrada por um Estado no país: 73,6 assassinatos por cada 100 mil habitantes, três vezes mais do que a taxa média do Brasil, que foi de 24,3 por 100 mil naquele ano.