Temer deveria ter mudado comandante do Exército, diz Renan
   12 de abril de 2018   │     22:35  │  0

Em entrevista à TV Senado, exibida nesta quinta-feira (12), a noite, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) fez uma longa avaliação da situação do país e disse que o presidente Michel Temer não prioriza a segurança.

O senador também falou do episódio em que o comandante do Exército, general Villas Bôas. Um dia antes de o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar um habeas corpus do ex-presidente Lula, o general, numa declaração polêmica, através do Twitter, disse que “repudiava a impunidade” e que o “Exército está atento às suas missões institucionais”.

Na entrevista, Renan Calheiros disse que se o governo do presidente Michel Temer fosse “medianamente forte” deveria ter substituído imediatamente o comandante do Exército, o general Villas Bôas.

Ao analisar o episódio, Renan Calheiros falou sobre os riscos para a democracia: “ acho sinceramente que tem riscos, basta ver a história do nosso país, marcada por dificuldades, institucionais, crises, intervenções ou golpes, na medida que você ressuscita uma prática que foi muito condenada no passado, em nome de uma instituição, você acaba colocando pólvora no paiol”.

O senador reforçõu: “E isso não é bom, porque essa nota do general Villas Bôas emitiu uma nota que no português claro não diz nada, mas que contém nas entrelinhas muitas insinuações. É preciso ter muito cuidado com a democracia. A experiência mundial mostra que a democracia é uma plantinha que precisa ser irrigada (aguada como se diz lá no Nordeste) todos os dias”.

Ele também falou sobre o assassinato a vereadora Marielle Franco: “acho que neste caso é preciso fazer tudo, absolutamente tudo, para que o crime não compense”.

Veja a nota o general Villas Bôas:

“Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais”.

Para a ver a entrevista, acesse o link no Youtube: