João Caldas diz que topa “enfrentar” Renan Filho
   16 de maio de 2018   │     16:27  │  0

O grupo político que se reúne em torno da prefeitura de Maceió continua em busca de um nome para lançar na disputa ao governo contra Renan Filho (MDB).

Com o governador favorito à reeleição, com ampla vantagem nas pesquisas, o desafio tem se mostrado maior do que se imaginava.

Presidente do PSDB e prefeito de Maceió, Rui Palmeira preferiu ficar onde está. Convidado para a missão, o deputado estadual Rodrigo Cunha, preferiu se lançar ao Senado, disputa que muitos consideram mais viável do que enfrentar Renan Filho.

Em meio ao esse processo, o presidente do PSB em Alagoas, JHC, colocou seu nome à disposição do grupo de oposição (PSDB, DEM, PROS e PP) após a desistência de Rui Palmeira. O grupo preferiu ficar esperando por Rodrigo Cunha.

Agora, depois do não de Cunha, o grupo espera que o presidente da Câmara Municipal de Maceió, Kelmann Vieira (PSDB), convidado por Rui Palmeira para a missão, diga se aceita ou não.

Não será por falta de gente disposta a encarar a disputa que o grupo ficará sem candidato ao governo.

Independente da resposta de Kelmann, o presidente do PSC em Alagoas, João Caldas, foi lembrado esta semana por várias lideranças políticas como um nome para “encarar” Renan Filho.

Pré-candidato ao Senado, João Caldas avisa que está pronta para disputar qualquer eleição.

“Não tenho medo de disputar o governo contra Renan Filho, nem contra ninguém. Se outros partidos derem apoio, vou para a disputa apresentando um projeto de desenvolvimento e de transformação de Alagoas. Tenho experiência, trânsito na política nacional e local e estou preparo para ser senador ou governador de Alagoas”, disse a um site local.

Para ser candidato com alguma chance de vencer o pleito, Caldas lembra que é preciso reunir as condições mínimas, como a formação de um palanque competitivo, ter tempo de rádio e TV e um bom projeto para Alagoas.

Nessa empreitada, João Caldas teria, de cara, o apoio do PSB, de JHC. O recado dele, no envato, vai para os partidos que formam a base da chamada “oposição”. Com a palavra PSDB, DEM, PP e PROS.