“Surpresas” marcam eleição para deputado federal: renovação é de 50%
   8 de outubro de 2018   │     7:04  │  3

A onda da nova política, da mudança, chegou com força em Alagoas. No Senado, a renovação foi de 50%. Renan Calheiros (MDB) conseguiu ser reeleito para o Senado, mas viu Rodrigo Cunha (PSDB), que pregou a “diferença” despontar como primeiro colocado.

Benedito de Lira (PP) terminou em quarto, apesar de todo o esforço e do reforço de Rui Palmeira (PSDB) e Téo Vilela (PSDB) na reta final, além da tentativa de “colar” o segundo voto no candidato tucano eleito para o Senado.

Maurício Quintella (PR) mostrou alguma reação, mas terminou “morrendo na praia”, num honroso terceiro lugar.

Estes resultados eram esperados. Assim como eram esperadas as eleições de JHC (PSB), Arthur Lira (PP) e Marx Beltrão (PSD) para a Câmara Federal.

Inesperadas, no entanto, foram as votações de candidatos apontados como favoritos durante grande parte da campanha, a exemplo de Ronaldo Lessa (PDT), Carimbão (Avante). Eles tiveram 55,4 mil e 54,6 mil e ficaram na primeira e segunda suplência. Heloísa Helena (Rede) chegou a 53,7 mil votos e não conseguiu ser eleita, nem mesmo será suplente (por força da nossa legislação eleitoral).

As boas votações de JHC (178 mil) e Athur Lira (148 mil) terminaram ajudando a eleger, junto com os votos dos demais candidatos e votos de legenda, Severino Pessoa (PRB) e Tereza Nelma (PSDB), que conseguiu uma vaga com apenas 44,2 mil votos.

O deputado Pedro Vilela (PSDB) teve apenas 37,2 mil votos e ficou na primeira suplência de sua coligação.

De resto, deu o esperado. Marx Beltrão conseguiu 138 mil votos e foi o mais votado de sua coligação, que elegeu também Sérgio Toledo (PR), Nivaldo Albuquerque (PTB) e Isnaldo Bulhões ( MDB).

Meio a meio

A renovação na bancada federal de Alagoas ficou dentro do esperado. Dos nove deputados eleitos, quatro vão estrear na Câmara dos Deputados. Um é suplente e conseguiu a cadeira de titular. Incluindo este nos “novos”, a renovação chega a 55% ou 45%, dependendo da “leitura” de cada um. Como Nivaldo Albuquerque já assumiu metade do mandato durante o período em que Maurício Quintella (PR) ficou de licença, pode-se dizer que a renovação chegou a 50%.

Veja a nova bancada federal de Alagoas:

COMENTÁRIOS
3

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Lucas

    Minha dúvida é quantos desses votos foram comprados? Além dos de Marechal em conjunto com o Ferreira Hora 🙂

  2. Denilson Pontes

    Renovação? Isnaldo, Sérgio Toledo, Severino Pessoa? São a renovação que tu falas? Mudaram os nomes, as práticas serão as mesmas. Renovação de verdade está apenas no nome de Tereza Neuza. E sem falar que permaneceram nomes como Nivaldo ALBUQUERQUE, Arthur LIRA, Marx BELTRÃO, Paulão? Fala sério. Apenas dois representa de fato o Estado de Alagoas: Tereza e JHC…. Alagoas na mesmice….

Comments are closed.