Renan Filho “espera” eleição de Bolsonaro ou Haddad para fazer reforma no governo
   26 de outubro de 2018   │     22:51  │  0

Ao esperar o resultado do segundo turno da eleição presidencial para começar a traçar a reforma administrativa do governo, Renan Filho vai além do pragmatismo político.

A eleição do novo presidente terá impacto direto no futuro governo. Seja Bolsonaro ou Haddad, ao que parece o governador quer estar preparado para o novo cenário nacional, não só no alinhamento político, mas principalmente no econômico.

A essa altura já se sabe que o governador, independente do presidente a ser eleito, deve enxugar mais a máquina administrativa. O objetivo é cortar despesas e preparar “psicologicamente” o governo para o novo momento que viverá o país. Os modelos propostos por Bolsonaro e Haddad para a economia são bem diferentes. Mas, seja quem for o vencedor, os primeiros meses deve ser de “aperto” na economia, com impacto no caixa dos estados – especialmente os mais pobres.

A eventual vitória de Bolsonaro, que no momento lidera as pesquisas, trará um complicar extra para o governo de Renan Filho, em função da aliança com o PT.

Será preciso ter paciência e trabalhar muito para vencer barreiras num eventual governo do PSL. Para isso, o governador vai precisar da ajuda de aliados seus que já declararam voto em Bolsonaro.

Uma eventual vitória de Haddad descomplica, num primeiro momento a relação direta com o Palácio do Planalto. Mesmo assim, Renan Filho também vai precisar da ajuda de deputados federais e senadores para “abrir” as portas.

Os deputados federais eleitos pelo grupo do governador estão “rachados” entre Bolsonaro e Haddad, como já registrei aqui. Terão mais peso no futuro governo o grupo que estiver alinhado com o futuro presidente.

É assim que a banca toca.