O blog descobre quem foi o “primeiro” alagoano a apostar em Bolsonaro
   4 de novembro de 2018   │     18:02  │  0

Quem imaginava, no começo de 2016, ainda no governo de Dilma Roussef que Jair Bolsonaro seria eleito presidente do Brasil nas eleições deste ano?

A candidatura, à época, era mais um sonho do que um projeto real, como revelou em entrevistas o próprio Bolsonaro.

Mas foi justo naquele momento, quando ainda estava tentando decolar, que o deputado federal Jair Bolsonaro esbarrou nos corredores do Congresso Nacional com um líder de classe, que logo se transformaria num dos seus primeiros e mais entusiasmados cabo eleitoral em Alagoas.

O presidente da Associação dos Plantadores de Cana de Alagoas (Asplana), Edgar Filho, foi um dos primeiros do Estado a defender a eleição de Jair Bolsonaro para a presidência, graças ao encontro quase ao acaso.

A decisão foi tomada ali, muito antes do presidente eleito virar favorito nas pesquisas. “Conheci ele na Câmara dos Deputados, em março de 2016. Tivemos uma longa conversa. Ele me falou dos planos para o Brasil e para o agronegócio. Desde então passei a acreditar no seu projeto, principalmente por sua identificação com o produtor rural”, revela.

Antes da eleição de domingo, 28, Edgar Filho fez questão de postar nas redes sociais a foto do seu encontro com Bolsonaro.

Depois de comemorar a vitória de Bolsonaro, Edgar Filho tem acompanhado as primeiras medidas anunciadas pelo futuro governo. “Gostei muito das mudanças que serão feitas na economia, na medida que devem tornar o setor produtivo mais competitivo. Também aprovei a redução da máquina pública. O Brasil precisava de uma mudança e agora vamos todos torcer para que dê certo”, aponta.

Mas vai aqui um aviso para Bolsonaro. Edgar Filho, assim como muitos dos seguidores do futuro presidente, promete uma vigilância permanente: “vamos acompanhar as medidas e fiscalizar o governo. Somente com um maior engajamento é que podemos acabar com a corrupção e garantir que as mudanças sejam feitas”.]

Edgar Filho e Jair Bolsonaro, em março de 2016