Lobby das distribuidoras atua contra venda direta de etanol, diz deputado
   8 de novembro de 2018   │     22:15  │  0

Após participar de reunião na Comissão de Defesa do Consumidor, nessa terça-feira, 6, o deputado federal Paulão (PT-AL), fez pronunciamento na tribuna da Câmara dos Deputados na quarta-feira, 7, pedindo urgência na tramitação do projeto de lei que autoriza a venda direta de etanol, da indústria para os postos, sem passar pelos distribuidores.

De acordo com o deputado, o lobby das distribuidoras está prejudicando consumidores de todo o país, especialmente do Nordeste.

“A venda direta do etanol permite que o produto precise de um deslocamento menor para chegar ao destino, o que otimiza a distribuição e diminui o preço final, beneficiando a população. Mas, o lobby das empresas distribuidoras é pesado”, disse o deputado na sua página no Facebook.

No discurso que fez na Câmara Federal, Paulão disse que participou da reunião sobre a venda direta na Comissão de Defesa do Consumidor e a ficou claro que a obrigatoriedade de comercialização por um distribuidor é prejudicial à economia.

“Você faz o processo chamado passeio do combustível, tanto da gasolina quanto do etanol. Quem produz tem que levar para uma distribuidora e ela leva para o ponto consumidor. Isso tem uma logística cara”, afirmou.

De acordo com Paulão, o projeto que tramita na Casa “otimiza a distribuição e diminui o custo, mas o lobby das empresas distribuidoras, tendo frente um grande produtor, que representa um segmento majoritário, principalmente em São Paulo e Goiás – representado pela Unica (associação de usinas do Centro Sul) – da família Ometto, que já controla uma distribuidora, que é a Esso e a agora compra Shell”, apontou.

Paulão também disse que a proposta que ele defende não acaba com as distribuidoras, mas abre espaço para uma nova modalidade de comercialização.

“Esse segmento do Nordeste que solicita a venda direta, não quer o processo obrigatório. Quer opcional. Veja que interessante o próprio Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), que é o órgão responsável pelo processo do oligopólio defende a descentralização. Então, essa Casa tem um projeto, sugiro que possa ter tramitação com rapidez, porque no fundo a sociedade será beneficiada”, enfatizou.