Nova agroindústria promete gerar 3 mil empregos em Alagoas
   20 de novembro de 2018   │     17:09  │  2

Cultura mais importante no agronegócio de Alagoas depois da cana-de-açúcar, a mandioca ocupa hoje uma área plantada de mais de 30 mil hectares somente na região agreste do estado.

Com a crise no setor sucroenergético, o cultivo da raiz avança pela zona canavieira alagoana como opção de diversificação.

O rápido aumento da área plantada (ainda sem dados dos órgãos oficiais) no entanto tem pesado no bolso do produtor. A tonelada de mandioca em Alagoas tem sido comercializada nas últimas semanas por cerca de R$ 230, valor que está bem abaixo dos preços praticados há um ano, que giravam entre R$ 500 e R$ 700.

Num primeiro momento o aumento da oferta do produto está impactando negativamente os preços para o produtor, mas também está abrindo novas oportunidades.

Uma das maiores indústrias de beneficiamento de mandioca do Brasil, a Amafil, com sede no Paraná, vai anunciar a instalação de uma planta em Alagoas.

A nova indústria, a oitava fábrica do grupo, será instalada no Polo Industrial Governador Eduardo Campos, no município de Teotônio Vilela.

A apresentação do projeto aos produtores será feita nesta quinta-feira, 22, às 15h, no Complexo Esportivo em Teotônio Vilela.

O prefeito Joãozinho Pereira sancionou esta semana a lei que cria o polo industrial. Ele explica que o projeto conta com o apoio do governo do Estado, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sedetur) e do município.

“O polo que criamos tem uma área de 200 hectares. A Amafil vai ocupar uma área de 16 hectares e é uma das primeiras a ser implantada na área. A indústria vai gerar pelo menos 3 mil empregos indiretos. Nosso objetivo é movimentar a economia da região e gerar novas oportunidades”, aponta.

De acordo com Joãozinho, os diretores da Amafil vão apresentar o projeto aos produtores: “para operar a fábrica que terá capacidade de processar 300 toneladas dia, eles vão precisar de uma área plantada de cerca de 10 mil hectares de mandioca. Isso vai abrir oportunidade para produtores de nossa cidade e também de municípios circunvizinhos”, explica.

A Amafil, segundo Joãozinho, vai trabalhar em parceria com o produtor: “o objetivo é assegurar um pagamento mínimo de R$ 400 por tonelada de mandioca, mas não pode ser qualquer produto. Existem variedades mais ricas em amido que irão proporcionar uma renda maior ao agricultor, porque a indústria vai operar aqui como faz no Paraná, onde paga pelo rendimento da matéria-prima. O que não pode é a gente continuar vendo toda a nossa produção saindo para Pernambuco e Sergipe e o prior, sabendo que o produtor está recebendo um valor muito baixo ”, pondera.

Antes de confirmar o investimento em Alagoas, de cerca de R$ 20 milhões, os diretores da Amafil estiveram reunidos com o governador Renan Filho e com o secretário da Sedetur, Rafael Brito. A empresa deve receber incentivos fiscais do Prodesin.

“A chegada da Amafil em Alagoas impulsiona a cadeia da mandioca e é motivo de esperança para os milhares de alagoanos que vivem dessa cultura no nosso estado. A empresa contará com os incentivos fiscais do Prodesin e todo o apoio institucional da Sedetur, além de um impulso importante para o setor a agro indústria funcionará como grande geradora de empregos no nosso campo e coloca essa cultura ainda mais em evidência”, diz Rafael Brito.

Reunião entre o secretário Rafael Brito e diretores da Afamil

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. ALDA INÁCIO

    Estaremos solicitando ao governador Renan Filho e ao secretário Rafael Brito apoio e incentivos pra juntos a Cooperativa dos agricultores familiares de Joaquim Gomes e Região COOPAF, apoia e incentivar a abertura da antiga usina agrissa no município de Joaquim Gomes pra através da cooperativa COOPAF Joaquim Gomes reabrir suas estruturas pra como Cooperativa atender e gerar direto e indiretamente 4 mil novos empregos, Cooperativa que vai atender os pequenos agricultores familiares plantadores de cana de açúcar na produção de álcool etanol, e açúcar e os demais agricultores familiares das outras culturas criando o pólo Agro indústrial com fábricas de polpas de frutas, fabricação de bolos doces e salgados, e a nossa já trabalhada macaxeira congelada e avácuo trazendo empregos e dignidade pra as famílias de Joaquim Gomes e Região a presidente da cooperativa COOPAF Joaquim Gomes ALDA INÁCIO estará se reunindo com o governador e com o secretário Rafael Brito pra iniciar essas transformações na agricultura familiar de Joaquim Gomes e Região precisamos do apoio de toda a sociedade e do governador Renan Filho pra que possamos juntos trazer os desenvolvimentos que Joaquim Gomes e Região tanto precisa.

  2. ROSIMAN ROCHA

    Parabéns aos diretores desta empresa parabéns ao secretário Rafael Brito, aí nosso governador por esta trazendo pra Alagoas empresa gerando empregos e novos negócios renda pra as famílias e pra os agricultores familiares de Alagoas ROSIMAN ROCHA diretor do site jgnahora.com

Comments are closed.