Auxílio-moradia e penduricalhos: “continuam pagando salários de 300 mil”, diz Renan
   1 de dezembro de 2018   │     22:36  │  2

“A procuradora-geral da República, Raquel Dodge (que Janot acusara, lembram, de ser ligada a mim quando eu nem a conhecia), não pode ceder ao fétido corporativismo e patrimonialismo de setores do Ministério Público Federal e do Judiciário”.

Foi com essa declaração que o senador Renan Calheiros (MDB) se posicionou, pelas redes sociais, sobre o recurso apresentado pela PGR ao STF na tentativa de manter o pagamento do auxílio-moradia para juízes e promotores.

O auxílio-moradia caiu essa semana após o presidente Michel Temer ter dado aumento de salário para os ministros do STF.

Renan não se limitou a falar apenas do auxílio-moradia. Ao comentar o reajuste dos Poderes no final da legislatura, ele disse que “o Brasil seria um país mais respeitável se os problemas da corrupção, da transparência, do Ministério Público Federal, do Judiciário, e das contas públicas como um todo fossem apenas esses R$ 39 mil do teto e os R$ 6 mil do auxílio-moradia dessa gente. O buraco é bem maior”.

O senador lembrou ainda que “continuam pagando salários de 150, 200, 300 mil reais Brasil afora. A que pretexto? Não importa, eles dizem que é salário. De que fonte, de onde vem o dinheiro? Também não importa, continuei respondendo, até o FUNJURIS serve”.

Segundo Renan, são mais de 20 penduricalhos. “Talvez, esse auxílio-moradia para marido, para esposa, mesmo tendo casa própria, seja mais defensável, por exemplo, do que a ajuda para educação que o contribuinte paga aos filhos deles até 25 anos de idade, mesmo que seja apenas para aprender inglês. Mas lembre-se: o Moro falou que tudo isso é justificável porque é salário”, aponta.

Renan continua: “Enquanto isso, eles vão seguir coagindo o STF, não deixam a Câmara dos Deputados votar o fim do abuso de autoridade, dos supersalários, das aposentadorias de juiz e promotor quando comentem malfeito. Não sei se você se recorda, mas o Senado já votou tudo isso. Mas eles pressionam a Câmara e o STF para manter privilégios”.

Para o senador, esse “movimento” não pára por aí: “E vão seguir divertindo a plateia…Mandam prender o Pezão porque o pé cresceu demais; mandam Adib Assad citar Serra, Alckmin, Marta; fazem outra denúncia contra o Lula, desta vez por ter recebido doação para o Instituto (só quem pode receber por palestra é o Dellangnol); aproveitam também e mandam Pallocci fazer uma nova delação.Entre eles, alguém questiona: e a prova? E outro responde: nunca precisamos de prova. E o jogo continua…”

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Antônio

    Renan Calheiros, dizem que conselho bom é conselho pago, mas eu vou lhe dar um conselho bom e de graça: Fica na tua. Fala o mínimo possível. Deixa o povo pensar que tu já morreu. Senão tu corre o risco de passar o réveillon preso.

  2. Petrucio

    VAI CEDER AO SENADO ? É ISSO MESMO ? CADA UM COM O SEU CADA UM, ISSO ESTÁ PARECENDO MIMIMI, QUEM NÃO DEVE NÃO TREME OU NÃO TEME !!!!!!!!!!!!

Comments are closed.