Renan quer punição contra acordo de R$ 2,5 bi para fundação da Lava Jato
   12 de março de 2019   │     20:21  │  0

A iniciativa Renan Calheiros ganhou repercussão na imprensa nacional. O senador do MDB de Alagoas pediu que Tribunal de Contas da União puna os agentes que tomaram parte no acordo “lastimável” entre Petrobras, força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público e autoridades americanas para criar uma fundação privada que receberia R$ 2,5 bilhões.

“Deve responsabilizar todo mundo que participou dessa pantomima”, disse o senador ao Portal Uol, ao comentar a denúncia, que foi entregue nesta terça-feira (12) ao TCU.

Nesta terça, os procuradores da Lava Jato também anunciaram a suspensão da criação da instituição particular.

“Diante do debate social existente sobre o destino dos recursos, a força-tarefa está em diálogo com outros órgãos na busca de soluções ou alternativas que eventualmente se mostrem mais favoráveis para assegurar que os valores sejam usufruídos pela sociedade brasileira”, afirmaram em nota os procuradores sobre a suspensão da criação da fundação.

Para Renan, não basta suspender a criação da fundação. Ele defende a anulação do acordo, com a destinação do dinheiro aos cofres públicos.

“A multa de natureza criminal deve ser destinada à União Federal, a fim de ser gerida segundo as normativas do Orçamento Federal e fiscalizada por este Tribunal de Contas da União”, disse o senador no documento entregue aos ministros do TCU.

No documento, o senador afirma que o Ministério Público, no final das contas, é quem irá administrar metade dos R$ 2,5 bilhões. “Metade desses recursos será gerida pelo próprio MPF e MPE do Estado do Paraná, além de outras pessoas por eles discricionariamente escolhidas”.