Milhares de alagoanos ganham chance contra a cegueira – literalmente; entenda
   13 de abril de 2019   │     13:26  │  0

Há um mês o alerta do deputado estadual Davi Davino Filho ecoou por aqui. Milhares de alagoanos corriam – e ainda correm –   risco de ficar cegos porque órgãos públicos batiam cabeça na execução do Programa de Combate ao Glaucoma pelo SUS em Alagoas.

O glaucoma pode provocar cegueira irreversível, só evitada com o uso de medicamento.

Nas contas de Davi Filho até 20 mil alagoanos dependem do colírio que deve ser distribuído por órgãos públicos para o tratamento.

Até a publicação do texto, em 12 de março, a distribuição do medicamento não ocorria por algo aparentemente simples: a falta de receituário. O problema envolve as secretarias de Saúde de Maceió e  do Estado de Alagoas, o Ministério da Saúde e várias clínicas especializadas.

A partir de uma audiência pública realizada na Assembleia Legislativa de Alagoas, por iniciativa do deputado, a situação começou a se normalizar e o colírio voltou a ser distribuído pela Farmácia de Medicamentos Excepcionais (Farmex), órgão da Sesau.

A informação foi dada por Davi Filho essa semana na Assembleia Legislativa (veja texto abaixo).

Ele foi lá conferir. A boa notícia é que tem medicamento suficiente no estoque, embora exista uma aparente dificuldade na adaptação da Farmácia para atender a nova demanda.

Durante discurso o deputado alertou que a Farmex precisa ampliar a estrutura para distribuição dos colírios. Hoje a capacidade de atendimento seria em torno de 150 pacientes por dia, quando a necessidade é de 1 mil por dia.

Em discurso na ALE, Davi Davino Filho alerta pede que Farmex amplie estrutura para distribuição de colírios contra glaucoma

Versão oficial

Veja texto da assessoria de comunicação da ALE:

Davi Davino destaca regularização na distribuição de colírios para o tratamento do glaucoma

Em pronunciamento durante a sessão desta quinta-feira, 11, o deputado Davi Davino Filho (PP), informou que, após a realização de uma sessão especial que debateu o Programa de Combate ao Glaucoma no Estado, os ministérios públicos Federal e Estadual, o Governo do Estado e a Prefeitura de Maceió chegaram a um consenso sobre o atendimento aos pacientes e o tratamento do glaucoma foi retomado em Alagoas. Na ocasião, o deputado também destacou o trabalho do líder da bancada federal de Alagoas, deputado Marx Beltrão (PSD), que junto ao Ministério da Saúde buscou informações sobre os repasses financeiros para o Estado.

Davino disse que esteve na Farmácia de Medicamentos Excepcionais (Farmex) para averiguar como estava funcionando a distribuição dos colírios para o tratamento do glaucoma. “Fiquei feliz em ver que os pacientes estão conseguindo pegar o colírio e estão voltando ao tratamento. Essa é uma das nossas principais atribuições: fiscalizar o Governo. Assim buscamos contribuir para que as ações sociais possam realmente chegar aos que mais precisam”, destacou.

O deputado ainda fez um apelo ao governador Renan Filho e ao secretário estadual de Saúde, Alexandre Ayres, para que se realizem mutirões com o objetivo de aumentar o atendimento na Farmex. “A farmácia tinha uma capacidade para atender 35 mil pessoas por mês e agora está atendendo 55 mil pessoas. Seus funcionários estão sobrecarregados e estão fazendo o que podem para atender a população, que em sua grande maioria são idosos”, disse.

Em aparte, o deputado Bruno Toledo (PROS) destacou o trabalho social desenvolvido pela família do deputado Davi Davino e disse que o glaucoma é a patologia que mais deixa a pessoas cegas no mundo. Também em aparte, o deputado Léo Loureiro (PP) pediu que a Farmex continue aumentando o atendimentoe parabenizou a Secretaria Estadual de Saúde por regularizar a situação. A deputada Jó Pereira (MDB) parabenizou o deputado Davi Davino por ser o autor da audiência pública que debateu o problema e que ajudou a resolver a situação na distribuição de colírios. O deputado Davi Maia (DEM) disse que o paciente com glaucoma podem também contar com a secretaria de Saúde de Maceió.

]

Milhares de alagoanos podem ficar cegos – literalmente; entenda

O alerta é do deputado estadual Davi Davino Filho (PP). A redução de recursos do Programa de Combate ao Glaucoma pelo SUS em Alagoas atinge atualmente ao menos 15 mil pacientes que tem a doença e dependem do Sistema Único de Saúde para o seu tratamento.

http://edivaldojunior.blogsdagazetaweb.com/2019/03/13/milhares-de-alagoanos-podem-ficar-cegos-literalmente-entenda/