Ronaldo Lessa pode deixar governo de RF? Entenda
   1 de junho de 2019   │     18:02  │  4

O próprio Ronaldo Lessa confirma que tem insatisfação no seu partido. “Existe no PDT uma corrente de pensamento contrário a nossa participação no governo. A direção Nacional solicitou que devamos refletir sobre o assunto, embora eles também, como nós, acham que essa posição não é majoritária”, pondera.

Os motivos da insatisfação, pelo que apurei,  seriam a redução na quantidade de cargos no governo e a falta de apoio do às ações na Seagri.

“A redução de cargos é um componente forte, mas as condições de trabalho são tão importantes quanto”, aponta o secretário de Agricultura do Estado.

Lessa demonstra preocupação com um eventual desgaste do PDT e de seu nome, na véspera das eleições de 2020. “O governo alega que devemos começar a avaliar as condições a partir de junho”, aponta. “Não só a Seagri, mas todas as secretarias. Vamos aguardar para compreender melhor”, avisa.

Eu conversei com ele sobre todas estas questões na quinta-feira, 30. Lessa confirma a pressão do PDT, mas reforçou que o partido estaria “dividido”, na medida que um grupo influente de pedetistas defende a permanência no governo.

A julgar pelo que o secretário de Agricultura disse em entrevista ao jornalista Davi Soares, nessa sexta-feira, 31, a decisão pela permanência ou não no governo será tomada durante o decorrer o mês de junho – que começa hoje.

Trajetória no governo

Ex-prefeito de Maceió, ex-governador de Alagoas, Ronaldo Lessa (PDT) não conseguiu se reeleger deputado federal. Ficou na primeira suplência da coligação que ajudou a eleger o governador Renan Filho (MDB) em 2018.

O aceno inicial – tratado como compromisso – era abrir uma vaga para Lessa na Câmara dos Deputados. Os deputados federais sondados para assumir cargos em Alagoas (Marx Beltrão, do PSD e Nivaldo Albuquerque, do PTB) topariam, dependendo da Pasta ou de algumas condições. As conversas não evoluíram.

Para Ronaldo Lessa sobrou a opção de assumir uma Secretaria de Estado. Pelo que foi posto, ele topou assumir a Agricultura. A nomeação saiu em 1o de março deste ano.

Passados apenas dois meses, os rumores de o PDT está de malas prontas para desembarcar do governo crescem a cada dia.

A insatisfação começou com a demora na nomeação das indicações feitas pelo partido (externada publicamente) e se acentuou com a redução do número de indicações. O grupo perdeu metade. Eram 80 cargos em vários órgãos e agora não chegam a 40.

Mas esses não seriam os maiores problemas. Na Seagri, Lessa tem enfrentado alguns desgastes inesperados. A pasta está sem pessoal e tem dificuldades operacionais crescentes. Além disso, o ex-governador não conseguiu levar adiante programas importantes, que eram executados até o ano passado, a exemplo da distribuição de sementes. O governo também está em atraso com o pagamento do programa do leite e recursos para tocar outros programas.

O cenário é diferente, confessa Lessa, do combinado com o governador. Isso somado à pressão do PDT nacional e de grupos do PDT alagoano pode resultar no desembarque de Ronaldo Lessa do governo de Renan Filho. É isso ou a Seagri deve ganhar maior peso a partir de agora. A conferir.

COMENTÁRIOS
4

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Alagoas

    JÁ VAI TARDE, ESSE POLÍTICO É O MESMO QUE ACABOU COM EMATER E A AGRICULTURA DE ALAGOAS. ELE, E SEU GRUPO PASSARAM NUITOS ANOS NO PODER MAMANDO.

  2. Pedro filho

    Não tem o que entender. O cara já era como político. Muita arrogância e prepotência deu nisso. Vive agora de esmola política.

  3. EL LOCO

    Ronaldo Lessa se queimou com os eleitores quando apoiou Ruizin Parmeira para prefeito. Sempre fui eleitor do Lessa,mas ao apoiar esse prefeito desastroso e fugir de algumas votações importantes em benefício do trabalhador na câmara federal.

Comments are closed.