RF deve entrar na eleição de 2020 com “bola dividida” nas maiores cidades de AL
   9 de agosto de 2019   │     14:25  │  3

O grupo do governador Renan Filho ainda não tem um nome para chamar de seu na eleição para a prefeitura de Maceió. O Plano A é o procurador Alfredo Gaspar de Mendonça Neto. Nos bastidores, no entanto as apostas de que ele não será candidato estão em alta.

Em Arapiraca a opção é o deputado estadual Ricardo Nezinho (MDB). Nos outros municípios, o governador deve entrar com a bola dividida – principalmente nos maiores, após Arapiraca e Maceió.

Em Palmeira dos Índios, RF tem três grupos (Júlio Cezar, Ângela Garrote e James Ribeiro) para escolher um. Em Marechal Deodoro, terá que optar entre os grupos de Cacau Filho e Cristiano Mateus.

Em Coruripe, se não houver acordo, o palanque ficará dividido entre o grupo do deputado estadual Marcelo Beltrão (MDB) e do deputado federal Marx Beltrão (PSD).

Em São Miguel dos Campos, será preciso escolher entre um nome da família Pereira e o grupo do ex-prefeito Geroge Clemente (PSD).

A situação parece mais confortável em Penedo, onde o nome a ser apoiado será o atual vice-prefeito Ronaldo Lopes (MDB). Nenhum problema também em Santana do Ipanema. Lá o atual prefeito, Isnaldo Bulhões (MDB) deve disputar a reeleição.

A situação também é “tranquila” para o governador em Delmiro Gouveia. Lá, se for candidato, Lula Cabeleira (MDB) terá o apoio do governador.

Em União dos Palmares, Renan Filho deve ficar mais uma vez com o atual prefeito Kil Freitas, que tem direito a concorrer à reeleição.

Em Campo Alegre e Teotônio Vilela, não há muito espaço para disputa. A família Pereira deve vencer as eleições nos dois municípios sem maiores dificuldades – independente dos nomes que lançar.

Em Rio Largo, a situação segue complicada – como sempre. A oposição pode se unir contra Gilberto Gonçalves. E se isso ocorrer, o candidato terá o apoio do governo. Do contrário, é provável que o governador apoie um, dois ou mais candidatos, mas sem “subir” no palanque.

COMENTÁRIOS
3

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Traipu

    Política dos Calheiros é de sempre ter o apoio de todos os políticos do interior, o governador não tá nem aí para grupos políticos, na verdade ele quer o voto de todos para o senado em 2022. Os Calheiros ficam sempre atrás da moita esperando ver quem se elege para prefeito, quem ganhar a eleição de prefeito se torna o melhor amigo de infância do governador. Essa é a prática dos Calheiros se perpetuarem no poder. Em Traipu o governador em 2018 teve o apoio do prefeito Cavalcante, do ex-prefeito Marcos Santos, da ex-prefeita Conceição Tavares, em fim de todos os grupos políticos do município, e com certeza o senhor governador não pisa os pés em Traipu para apoiar ninguém nas eleições para prefeito, até porque quem for eleito será o prefeito do coração do governador. “ACORDA CLASSE POLÍTICA”!!!

  2. Tony

    Pelo caminhar político, uma terceira força vai vencer fácil a eleição. Renan Filho e Rui Palmeira serão derrotados nas urnas e dificilmente conseguirão fazer seus sucessores.

  3. O analista de Coqueiro Seco

    Bola dividida o governador vai ter na eleição para senador.
    Nesse dia, vai bater de frente, disputando apenas uma vaga, como o grande senador Fernando Collor.
    Nesse dia, a sociedade alagoana vai dar uma resposta pela falta de segurança, de saúde e de educação.
    Nesse dia, o funcionalismo vai dizer se está satisfeita como o aumento salarial que receberam do governo.
    Nesse dia, será a vez das centenas de servidores demitidos pelo atual governador (servidores do Lifal, do Serveal, da Carhp…), darem o troco pela forma desrespeitosa e humilhante com que forma demitidos.
    Nesse dia…

Comments are closed.