Maior empresa pública de Alagoas será privatizada
   28 de setembro de 2019   │     1:28  │  8

Em dezembro de 2018, a maior empresa pública do Estado, a antiga Ceal, foi privatizada. Hoje pertence ao grupo Equatorial. Menos de um ano depois, a Companhia de Saneamento de Alagoas, que foi elevada ao ‘posto’ de maior empresa do setor público alagoano, começou a ser “vendida” – literalmente.

O secretário de Infraestrutura do Estado, Maurício Quintella, confirmou durante reunião na Assembleia Legislativa de Alagoas, realizada nessa quinta-feira, que o governo já começou a “sondar” possíveis interessados no negócio.

O plano inicial é “vender” apenas uma banda da companhia. O projeto, que vem sendo tocado em parceria do BNDES, é passar para a iniciativa privada o serviço de esgotos da companhia.

A Casal, segundo o secretário, continuaria existindo como empresa pública na área de distribuição de água.

O tema foi levantado pelo deputado estadual Davi Maia (DEM), que pediu mais informações sobre a “oferta” da empresa a empresários paulistas.

Esta semana Quintella esteve em São Paulo e apresentou, ao lado do secretário da Fazenda, George Santoro, a possibilidade de privatização para um grupo de investidores.

Na reunião com os deputados, Quintella desconversou sobre a proposta de privatização da Casal.

Ele disse que a ida a São Paulo foi para buscar investidores para parcerias público privadas na área de saneamento. O objetivo inicial seria conseguir interessados em investir em PPPS para sanear 100% de Maceió e mais 14 cidades de Alagoas, a maioria na região metropolitana.

No seu depoimento, Quintella confirmou que o BNDES está concluindo um projeto para ofertar à a iniciativa privada a área de saneamento (esgotos). Hoje em Maceió são mais de 30% ou 300 mil consumidores atendidos com esgoto. O governo promete dobrar nos próximos meses essa cobertura com a operação dos consórcios Sanama e Sanema.

“Estamos fazendo uma sondagem de Maceió, é um arranjo jurídico institucional que não é tão fácil.

Há uma consultoria contratada pelo próprio BNDES para nos fornecer esta estruturação. Se tudo der certo nós vamos ofertar ao setor privado o serviço de esgoto destes municípios e do restante de Maceió”, disse o secretário.

Quintella afirmou ainda que “a Casal permanece na produção da água e na venda desta água em atacado, ai você tem outro estudo econômico e financeiro que vai permitir que este projeto fique de pé e que seja importante para a Casal”.

Ainda no seu depoimento, o secretário de Infraestrutura revelou que está previsto um valor mínimo de R$ 250 milhões pela privatização do esgoto de Alagoas. “A Casal, que deixa de ter custo de operação importante em Maceió, mas continua vendendo a água, além da outorga que está prevista, outorga mínima de R$ 250 milhões, que capitalizaria a empresa para fazer investimentos em outras áreas que não a região metropolitana… é um projeto complexo mas que tem um cronograma bastante ousado”, apontou.

A aprovação da lei das regiões metropolitanas pelos deputados, ocorrida durante esta semana, segundo o próprio Quintella “viabiliza o arranjo jurídico institucional” para a privatização do esgoto da Casal.

O programa de privatização do governo não deve parar por aí. Tem muito especialistas que apostam na privatização, mais adiante, da outra banda da Casal e de vários outros empreendimentos do governo do Estado. Mas essa é outra história.

Versão oficial

Maurício Quintella foi a Assembleia Legislativa como “convidado” para falar de um projeto polêmico que prevê a construção de barragens ao longo do Canal do Sertão Alagoano. Segundo os deputados, não existem estudos que mostrem a viabilidade desse projeto.

Veja o texto produzido pela assessoria de comunicação da ALE.

Secretário Maurício Quintella presta esclarecimentos sobre ações e obras do Estado

O secretário de Infraestrura, Mauricio Quintella, esteve nesta quinta-feira, 26, na Assembleia Legislativa para conversar com os deputados sobre as obras estruturantes no Estado de Alagoas. Ele explicou que a secretaria e responsável pela elaboração e execução de políticas em habitação, saneamento e obras públicas, tendo como finalidade o desenvolvimento sustentável do Estado. Sobre o Canal do Sertão, principal assunto da reunião, Quintella disse que o Estado está tentando concluir o trecho 4 da obra. “Os trabalhos dependem de recursos do Governo Federal, chegaram agora R$ 16 milhões que irão garantir a continuidade da obra”, destacou.

Quintella explicou que após a conclusão do Trecho 4, o Canal terá 123 km de água transportada, ao todo serão percorridos 250 km do território alagoano, para levar água a mais de um milhão de habitantes, em 42 municípios, do Sertão ao Agreste. “O trecho 5 está pactuado em cerca de R$ 600 milhões, entre os custos envolvendo execução, supervisão e ações ambientais, por isso é importante que nós, Executivo e Legislativo, façamos gestões junto ao Governo Federal para conquistar recursos e finalizar essa importante obra”, disse.

Sobre a Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal), o secretário negou sua privatização e disse que esteve em São Paulo com o secretário da Fazenda, George Santoro, com o objetivo de sondar o mercado sobre uma possível concessão do serviço de esgoto na região metropolitana. Ele disse ainda que a Casal é importante já que é responsável pela construção, exploração e manutenção dos sistemas de abastecimento d’água e esgotamento sanitário dos centros populacionais do Estado. “Estivemos na capital paulista para busca uma parceria para o Programa de Parcerias de Investimentos do Governo Federal, que irá beneficiar 14 municípios alagoanos com investimentos privados na área do saneamento”, explicou.

Mauricio Quintella também falou sobre os projetos ligados à habitação e citou o Programa Vida Nova nas Grotas, vencedor de um prêmio internacional. Ele destacou a conquista da dignidade e mobilidade urbana pela população residente em áreas com infraestrutura precária em Maceió. “São obras estruturantes como a construção de escadarias e pontilhões, além do serviço de drenagem nas comunidades”, afirmou.

O líder do Governo,deputado Sílvio Camelo (PV), disse que vários secretários já estiveram na Assembleia Legislativa e outros virão para prestar esclarecimentos aos parlamentares. “Eles estão apresentando suas ações e esclarecendo as dúvidas. Este diálogo com o Poder Legislativo é importante para que todos possam conhecer mais de perto as obras que o Governo do Estado vem realizando”, destacou.

Participaram da reunião os deputados Francisco Tenório (PMN), Cabo Bebeto (PSL), Ângela Garrote (PP), Davi Maia (DEM), Marcelo Beltrão (MDB), Dudu Ronalsa (PSDB), Cibele Moura (PSDB), Galba Novaes (MDB) e Jó Pereira (MDB). Também estiveram presentes técnicos da Secretaria de Infraestrura.

Maurício Quintella participa de reunião na Assembleia Legislativa

Leia aqui, na íntegra: Secretário Maurício Quintella presta esclarecimentos sobre ações e obras do Estado

 

COMENTÁRIOS
8

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Interiorano

    Rechaço! A CASAL nunca foi cabide de emprego! A mesma é composta por trabalhadores de vários níveis onde, muitos deles, fazem o que podem para zelar pelo nome da Companhia! Se alguns acham que ela (CASAL) não presta um ótimo serviço é inadmissível dizer que ela presta um mal serviço! O fato é que quem critica não conhece a fundo a empresa! A CASAL não vende água! O que a CASAL arrecada é para manter e operar os sistemas de abastecimento d´água e esgotamento sanitário! Embora, têm locais em que o que ela (CASAL) arrecada não dar para pagar nem os custos com administração, operação e manutenção, porém, em primeiro lugar está o bem estar e a saúde da população, seja ela de baixa renda ou não! Não se enganem e nem queiram comparar privatização de telefonia com privatização de água! Telefones estão aí aos montes, cada um custando mais caro e mais sofisticado que o outro! Quem pode, compra um de última geração e quem não pode, compra “um lanterninha”! Mas, a água vai ser sempre água, seja para o mais abastado, quanto para o menos abastado! E aí, se privatizar, vai penalizar quem têm uma certa condição de pagar e penalizar muito, mais muito mais, quem mal têm condições de pagar (coitado de quem hoje paga a taxa mínima)!

  2. Petrucio Raimundo de Medeiros

    Reclamamos do porque da privatização de uma empresa e não reclamamos que há décadas ela está sendo sucateada sendo cabide de emprego e de corrupção!

  3. Jose Edvanio

    Pra esses bandidos mesmo colocar na cueca os milhões vender uma empresa que monopoliza o serviço de água e esgoto é burrice ao invés de fazer isso investe tudo que entra na companhia para o povo mais o governo não pensa no povo

  4. amorim

    Até que enfim uma boa notícia do governo Renan Filho. O senador Renan notório stalinista deve estar se roendo intimamente. Vamos às privatizações, viva os ideais do liberalismo e abaixo as idéias stalinistas com as estatizações que representam o maior atraso em economia.

  5. Interiorano

    Muita gente não sabe, mas, a CASAL presta um enorme serviço social! Inclusive, beneficiando pessoas de baixa renda! Vocês acham que uma empresa privada, vai fazer isso? Vocês que são a favor da privatização da CASAL, irão se arrepender amargamente!

  6. ROBERTO BRANDÃO

    CONCORDO COM O PEDRO – PRIVATIZA TUDO. O MAIOR EXEMPLO FOI A CEAL HOJE LIMPA DOS MAUS ADMINISTRADORES.

  7. Tony

    Num futuro próximo, tudo será privatizado e aqueles que estiverem no comando das negociações, receberão uma excelente comi$$ão.

Comments are closed.