Rui Palmeira e Renan Filho terão novo embate em 2020
   31 de dezembro de 2019   │     21:31  │  0

É uma “novela” com cara de “vale a pena ver de novo”. E vale mesmo porque agora, terá novos atores e novas histórias, com dois protagonistas mais experientes e mais fortes politicamente.

O embate entre Rui Palmeira (PSDB) e Renan Filho (MDB) programado para 2020 em Maceió tem tudo para ser o mais importante do ano na política de Alagoas.

Quem vencer na capital, se cacifa para 2022. E Rui já avisou. Quer ser o sucessor de Renan Filho. Por isso, o prefeito vai jogar com todas as forças e habilidades para fazer o seu sucessor.

O mais provável, me disse Rui Palmeira durante entrevista ao blog, é que as eleições de Maceió tenham um segundo turno e que a disputa se dê entre um nome apoiado por ele e pelo governador.

“É um cenário muito provável de acontecer. Como não temos um candidato a reeleição, a tendência é que a votação seja um pouco mais pulverizada. Mas tudo aponta para um segundo turno com um candidato apoiado por nós e pelo governador”, pondera.

E quem serão os escolhidos de Rui Palmeira e Renan Filho?

O governador de Alagoas espera por uma decisão do Procurador Geral de Justiça. Alfredo Gaspar de Mendonça tem avançado nas conversas com outras forças políticas para decidir se deixa a carreira no Ministério Público. A alguns interlocutores ele tem garantido que é caminho sem volta, mas ao que se sabe tenta “limpar o terreno”, buscando composição com alguns dos pré-candidatos que estão postos no atual cenário político em Maceió.

Rui Palmeira quer, como já antecipei aqui, um nome do PSDB. Ele apresentou algumas sugestões (Eduardo Canuto, Kelmann Vieira e Tereza Nelma). Como plano B, sugere a filiação de um nome “viável” ao PSDB. Mas esbarra nas preferências do presidente do seu partido, o senador Rodrigo Cunha, que – já avisou – prefere João Henrique Caldas, justo o nome que o prefeito não quer nem ouvir falar.

O plano B (hoje já seria, segundo alguns interlocutores o plano A) de Rui Palmeira, dizem, é Ronaldo Lessa (PDT), com quem o prefeito confessa que tem “um bom diálogo”.

Mas há um detalhe importante que todos devem levar em consideração, especialmente os pré-candidatos. Renan Filho e Rui Palmeira não tem pressa. Eles contam com o tempo a favor e sabem que, pela força da máquina, pela estrutura, todas as condições para colocar, cada um, um nome no segundo turno.
Quem eles vão escolher? Eles podem até se dar ao luxo de esperar mais até as convenções em julho. Mas seja quem for o escolhido, os dois já estão prontos, de língua afiada, para o novo embate.