Marx Beltrão faz ‘mistério’; Cidadania quer eleger 3 vereadores em Maceió
   9 de janeiro de 2020   │     22:33  │  0

O blog segue conversando com os dirigentes de partidos políticos sobre a definição de pré-candidaturas em Maceió e participação nas eleições municipais em Alagoas este ano.

O Cidadania (ex-PPS) não tem nome posto na disputa majoritária na capital. E nem é essa a prioridade do partido que é comandado no Estado pelo ex-deputado federal Régis Cavalcante.

A meta do Cidadania é montar uma chapa proporcional para eleger ao menos três vereadores na capital.

Já no o PSD, do deputado federal Marx Beltrão, o clima é de ‘mistério’.

Conversei com Régis e Marx por aplicativo sobre as eleições deste ano. Marx Beltrão, embora já tenha lançado ao menos dois pré-candidatos no interior (Cícero Valentim em Arapiraca e Maykon Beltrão em Coruripe) diz que só vai se posicionar no “momento certo”.

“Estamos na fase de diálogo. Só vamos divulgar nossos candidatos e os que o partido apoiará no momento correto”, resume Marx.

O presidente do PSD tem feito mistério principalmente sobre sua participação nas eleições de Maceió. Não é para menos. Será para ele uma decisão complicada.

Marx faz parte da base do governo de Renan Filho, que deve lançar um candidato a prefeito (o nome da vez hoje é Alfredo Gaspar). O presidente do PSD fez dobradinha nas eleições de 2018 em Maceió com Davi Davino Filho, que deve ser candidato a prefeito da capital pelo PP. E para complicar ainda mais, Marx segundo várias informações de bastidores (reforçada por postagens nas redes sociais) estaria muito próximo de João Henrique Caldas.

Além disso, Marx ainda lida com a eleição de Coruripe, que pode levar a um ‘racha’ na família Beltrão (essa, claro, é outra história).

Cidadania está focado nas proporcionais

“Estamos focados primeiramente na formação da chapa própria de vereadores. Pretendemos fazer três vereadores neste pleito. Consideramos que a câmara de vereadores é, na verdade, um puxadinho do Executivo, esquecendo de cuidar e fiscalizar o que é público na cidade. Como o partido, pela legislação, terá que ter chapa própria com o fim das coligações proporcionais, está direcionando todo o seu esforço para renovar com novos quadros de nomes novos para o Legislativo”, aponta Régis Cavalcante.

Quanto ao nome para Prefeito, o dirigente do Cidadania diz que “não afastamos a possibilidade de apresentar um programa e a pessoa que irá desempenhar está tarefa. No entanto, consideramos ainda cedo para esta iniciativa. Como os governistas estão calados e maquinando alternativas não temos nenhum alvoroço para assanhar o formigueiro.”