Fim da dedução do INSS de domésticos no IR “desemprega e informaliza”
   14 de janeiro de 2020   │     21:36  │  0

Quem tem empregado doméstico não poderá mais deduzir os gastos com o INSS na declaração do Imposto de Renda deste ano, relativa a 2019.

A informação, confirmada pela Receita Federal foi criticada pelo senador Renan Calheiros (MDB), suas redes sociais.

Para o senador, a mudança representa um retrocesso. A dedução, criada em 2006 para incentivar a formalização de empregados domésticos, tinha caráter temporário, com prazo até 2019 caso o Congresso não aprovasse a prorrogação.

Em outubro de 2019, o Senado aprovou um projeto de lei que prorrogava o benefício até 2024, mas a proposta não foi votada na Câmara antes do recesso parlamentar. As mudanças no Imposto de Renda precisam ser aprovadas no ano anterior para ter validade.

“Prejudica a classe média, desemprega e informaliza. Como um dos responsáveis pela lei que regulamentou essa classe de trabalhadores, acho a decisão do governo lamentável”, disse Renan Calheiros no Twitter.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, havia afirmado anteriormente ser contra deduções no Imposto de Renda em saúde e educação, pois elas beneficiariam apenas a população mais rica.