Lei do rateio do Fundeb deve ir para a ALE “nos próximos dias”
   28 de janeiro de 2020   │     19:37  │  4

O rateio das sobras do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) é um direito líquido e certo para cerca de 12 mil professores da rede estadual de ensino de Alagoas, relativo a 2019.

Na prática o Estado tem que aplicar 60% dos recursos do fundo em gastos com pessoal. Quando não atinge esse percentual – o que vem se repetindo há quase dez anos – tem que distribuir as “sobras” através de abono aos professores.

Esse pagamento, no entanto, “depende” de uma lei específica, autorizando o Estado a ratear as sobras de recursos.

A promessa do governo era enviar o projeto de lei na segunda semana do ano. Isso daria aos deputados estaduais a possibilidade de antecipar a votação. Daria.

O projeto de lei ainda não foi enviado, nem tem dada certa para chegar ao Legislativo. De acordo com o secretário do Gabinete Civil do Estado, Fábio Farias, o projeto já passou pela Procuradoria Geral do Estado e dependeria, agora, de alguns “ajustes” na Educação. Ele avalia que o projeto vai para a Assembleia Legislativa de Alagoas “nos próximos dias”, mas não soube precisar uma data.

Quanto é

O rateio ou sobras do Fundeb são distribuídas na forma de abono quando os 60% dos recursos do Fundo destinado ao pagamento dos professores não são utilizados na valorização salarial dos profissionais da educação.

No dia 2 deste mês, o governador Renan Filho utilizou as redes sociais para anunciar que o Estado fará o pagamento do rateio: “o valor será superior ao salário que o servidor recebe no mês. É um 14o maior que o 13o. Vamos na próxima semana enviar o projeto de lei para a Assembleia Legislativa. A gente precisa de um projeto de lei e isso (pagamento dos professores) deve ocorrer logo após o retorno da Assembleia Legislativa”, disse.

O Poder Legislativo está de recesso e só retorna no dia 15 de fevereiro. O pagamento, com todos os trâmites, deve ficar portanto para o final do próximo mês ou início de março, a não ser que os deputados ‘antecipem’ a votação – como ocorreu no ano passado.

Tratado como ‘14o’, o rateio do Fundeb é criticado por entidades como o Sindicato dos Trabalhadores na Educação de Alagoas (Sinteal), justamente porque representa a ‘desvalorização salarial’, dos professores. Na prática, é o recurso mínimo que deveria ter sido pago aos professores ao longo do ano e que “sobrou”. Os valores são referentes ao valor mínimo de 60% que não foi destinado aos professores de Alagoas em 2018, que tem um dos salários mais baixos da região Nordeste. Pela lei, tem que ser distribuído na forma de abono.

Em março de 2019, foram pagos R$ 31 milhões do rateio das sobras do Fundeb para mais de 12 mil professores da rede estadual de ensino, com atraso de três meses.

A estimativa de técnicos do governo é que o valor a ser pago este ano, relativo a 2019, seja 10% maior ou cerca de R$ 35 milhões. Na prática, cada professor deve receber um valor equivalente ao q recebeu no ano passado mais 10%.

Rateio é obrigação legal

O Sinteal lembra que aLei do Fundeb (11.494 ) prevê aplicação mínima de 60% dos recursos anuais do fundo para o pagamento dos profissionais do magistério em efetivo exercício na rede pública. Quando essa aplicação ao não atinge esse percentual, o gestor deve distribuir as sobras com os profissionais do magistério que “recebem pela folha dos 60%.”

Ao se pronunciar sobre o rateio, no começo deste ano a presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Educação de Alagoas disse “se há rateio é porque o governo não usa de forma correta os recursos dos 60% com os profissionais da educação”.

Consuelo Correia avalia ainda que o pagamento do rateio do Fundeb, mostra “má gestão” dos recursos do fundo pelo governo. “Tanto é que em Alagoas temos um dos piores salários do Nordeste”, diz Consuelo Correia.

As declarações da presidente do Sinteal não é apenas reclamação de sindicalistas. O próprio Ministério da Educação e a Controladoria Geral da União consideram que o pagamento do abono, que passou a ser chamado em Alagoas de rateio, embora previsto na legislação federal só deve ser pago em caso de excepcionalidade.

Vale a pena ler de novo:

Estado anuncia valor do Rateio do Fundeb para professores de AL50

Deputados podem antecipar votação da lei que autoriza pagamento do Fundeb

 

COMENTÁRIOS
4

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Valfrans dos santos lima

    Este governo Renan filho tá com muita má vontade de pagar este rateio da educação isto é um absurdo estar parecendo que o dinheiro é dele pague logo isto e deixa de ficar enrolando os professores o dinheiro não é seu nem desses deputados come e dorme por isso que eu digo estes políticos só pense no bolso deles é tudo farinha do mesmo saco.

  2. Valfrans dos santos lima

    O aumento do piso para os professores de nível médio que o governo federal deu de 12,84 ainda é pouco pior é esses políticos que enche de cargos comissionados que ganha mais do que um professor de nível superior isto eles não reclama e os afilhados que eles colocam para não fazer nada isto é um absurdo deveria ter vergonha na cara por isso que eu digo políticos só pensa no bolso dele.

  3. Roberto santos

    O governador é omisso nesta situação, o sindicato pra caminhava de passos e mãos dadas com o mentor Calherista e hj sem moral alguma para revindicar algo. O dinheiro sobra pq não é investido onde deveria, material humano e ao final é transformado em abono governamental, só que não, é obrigatório por lei. Na prefeitura não tem isso, por quê? Sabe-se que os professores lá ganham 2 x mais

Comments are closed.