Aliança entre Rui Palmeira e Renan Filho não ‘abala’ candidatos de oposição
   27 de fevereiro de 2020   │     22:57  │  0

Nenhuma mudança de planos por enquanto. Dada como certa nos bastidores, a aliança entre Rui Palmeira (Sem Partido) e Renan Filho (MDB) para apoiar o procurador Geral de Justiça Alfredo Gaspar de Mendonça (Sem Partido), se confirmada, não vai mudar o cenário pré-eleitoral em Maceió.

Um conhecido político de oposição tanto ao prefeito quanto ao governador, hábil articulador com papel importante nas eleições deste ano avalia que não muda com a aliança entre governador e prefeito.

“Por enquanto essa é a aliança do ‘se’. Se o Gaspar deixar o Ministério Público, se ele for para o MDB, se o Rui Palmeira e o Renan Filho esquecerem o passado e se fecharem um acordo. E se o eleitor não gostar e se o povo não quiser? Eles podem se juntar e não dar em nada”, avalia o articulador.

Seja como for, os demais nomes que estão no jogo continuam em campo, agora com novas estratégias.

Ronaldo Lessa (PDT) e Davi Davino Filho (PP) agora que descartaram o apoio do atual prefeito traçam novas estratégias e devem ir para uma campanha de oposição – na mesma linha do deputado federal JHC (PSB).

Os demais nomes seguem na mesma batida de antes. Ricardo Barbosa trabalha para ser candidato a prefeito pelo PT, Ricardo Santa Ritta segue como pré-candidato do Avante, mesma situação de Basile Christopoulos (PSOL), Cícero Filho (PCdoB), Cícero Almeida (DC) e Flávio Moreno (PSL). Já Corintho Campelo (PDT) pode mudar de partido para seguir como pré-candidato.

A composição entre dois ou mais nomes desta lista não é apenas possível, mas provável.

A conversa entre os pré-candidatos listados acima é recorrente.

Ronaldo Lessa, JHC e Davi Filho trabalham para ampliar seus grupos. E pelo menos um ou dois deles devem conseguir bons resultados nos próximos dias. Mas essa é outra história.