‘Mega usina de crise’ alimenta alta do dólar e derruba bolsa, diz senador
   28 de fevereiro de 2020   │     21:10  │  0

Nesta sexta-feira, 28, o dólar comercial e o Ibovespa tiveram mais um dia de fortes oscilações em meio aos temores, mundo afora, dos impactos do coronavírus na economia global. O dólar fechou o dia em alta de 0,13%, cotado a R$ 4,481 na venda, batendo outro recorde nominal de fechamento. Foi o oitavo dia seguido de alta, a sequência mais longa desde 2015. Ao longo do dia, o dólar chegou a operar acima de R$ 4,51.

Já a Petrobras foi a companhia brasileira do Ibovespa que mais perdeu valor de mercado, em termos absolutos, desde que a instabilidade no mercado financeiro teve início, em 19 de fevereiro. A empresa vale hoje R$ 69,5 bilhões menos que há pouco mais de uma semana – o valor de mercado considera o preço da ação multiplicado pelo total de ações disponíveis.

Na avaliação do senador Renan Calheiros (MDB-AL) não foi apena só coronavírus o responsável pela crise no mercado financeiro. “O investidor, além de fundamentos econômicos, gosta de estabilidade política, previsibilidade jurídica e o governo é uma mega usina de crise. O cenário é gravíssimo.”, disse o parlamentar nas suas redes sociais.

O tombo da bolsa e explosão do dólar, em parte, são explicados pelo vírus. Mas não é só isso. O investidor, além de fundamentos econômicos, gosta de estabilidade política, previsibilidade jurídica e o governo é uma mega usina de crise. O cenário é gravíssimo.

Saiba mais: 

Dólar sobe a R$ 4,481, e Bolsa vira e fecha em alta, em mês de recordes

Petrobras perde R$ 69,5 bi em valor de mercado em 9 dias de crise na Bolsa