“Quem vai julgar o acordo entre Renan Filho e Rui Palmeira é o eleitor”
   12 de março de 2020   │     23:52  │  2

Pré-candidato a prefeito de Maceió pelo Avante, Ricardinho Santa Rita, disse em entrevista a um site local que o acordo político entre o governador Renan Filho (MDB) e Rui Palmeira (sem partido) será julgado em última instância pelo eleitor.

“A questão da discussão se acordos entre políticos é moral ou imoral quem vai afirmar isso é o eleitor durante o pleito”, disse ao ser questionado sobre a aliança eleitoral em torno do pré-candidato a prefeito e ex-procurador Geral de Justiça de Alagoas, Alfredo Gaspar de Mendonça.

Para Santa Ritta, acordos políticos entre presidentes de partidos e os chefes dos executivos durante o período eleitoral fazem parte do jogo da “sobrevivência” política e da luta eleitoral, “mas que quem pode afirmar se esse tipo de postura é moral ou não, é o povo”.

O pré-candidato do Avante avalia que a eleição não deve ser decidida no primeiro turno em Maceió. “Acredito que é muito provável o segundo turno. Veja só, o deputado Davi Davino está unindo os partidos para que possa ter mais tempo de TV, isso se chama estratégia, é a estratégia dele. O ex-Procurador Geral de Justiça e provável candidato, Alfredo Gaspar, uniu governador e prefeito, isso é uma outra estratégia política dele. O deputado JHC que tem toda essa densidade eleitoral, recentemente destacou que sua única aproximação é com o senador Rodrigo Cunha do PSDB e com o deputado Davi Maia do DEM. E ele segue mantendo a estratégia política dele, da mesma forma o Ronaldo Lessa do PDT que tem reunido o grupo de centro-esquerda e tem construído sua estratégia”, disse durante a entrevista

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Rlicardo Oliveira

    As 3 forças estão expostas no mercado político, um com poder de mídia, outro com poder público, mesmo não sendo mais parte ativa dele, e outro com poder de dinheiro, leia-se os Taturanas. Como foi dito a tendência é o primeiro estacionar, o segundo crescer após o impacto da junção governamental e o terceiro é uma incognita que pode alcançar vôo ou não decolar pelo peso que irá carregar.
    Jogo jogado e minha aposta é o segundo e o terceiro no páreo.

  2. Eleitor não é otário!.

    O ex promotor ja perdeu desde que que fez essa união , com quem nuca vai prestar na política!.

Comments are closed.