Qual chapa de vereador vai implodir primeiro em Maceió?
   17 de março de 2020   │     0:02  │  0

A montagem de chapas de vereador, na nova regra – sem coligação – virou um desafio para os mais hábeis articuladores políticos.

Até os experientes ‘bruxos’ da política alagoana sentem dificuldades para fechar uma composição “viável”. No momento, os partidos que tentam fechar grupos – podendo chegar a 38 nomes em cada legenda – trabalham com dois perfis.

De um lado as chapas mais ‘robustas’, com vereadores de mandato. Do outro, promessas de se eleger com menos de 5 mil votos.

Em geral, a matemática não fecha. As chapas mais leves podem fazer, se fizerem, um ou no máximo duas das 25 vagas existentes.

Nos bastidores a aposta é que poderão ser montadas de 10 a 2 chapas na capital.

Já se sabe que alguns partidos não terão como montar chapas. Em outras legendas, o problema é candidato ‘forte’ demais além da conta.

No grupo de Alfredo Gaspar de Mendonça, duas chapas são consideradas mais ‘puxadas’. O MDB por exemplo pode ter em sua composição até 9 vereadores de mandato (Galba Novais, Tonho Holanda e Ronaldo Luz, entre outros, que evito citar porque as informações mudam rapidamente), além de nomes considerados competitivos.

O Podemos parece ser agora a ‘bola da vez’. Para lá podem migrar, além de Eduardo Canuto, vereadores como Samir Malta, Simone Andrade e Beto da Farmácia, enquanto Kelman Vieira e Aparecida iriam para o DEM.

No Progressistas, o clima é de ‘mistério’. Por lá ficariam Davi Davino e Fátima Santiago (Cleber Costa sairia para o PSDB e Chico Filho para o MDB), além da possibilidade da filiação de vereadores de outros partidos e de nomes de “peso”.

Correndo por fora vem PSB (Chico Salles) e o PSDB (Cleber Costa) com um vereador de mandato cada um.

Os demais partidos que podem formar chapas seriam PT, PV, PDT, PCdoB, PSC, PSD, Republicanos e PSL que devem fechar grupos com possibilidade de eleger de um a dois vereadores. Juntas, estas legendas fariam de 10 a 12 cadeiras. Sobrariam, se as avaliações de hoje se mantiverem, de 13 a 15 vagas para os 21 vereadores de mandato.

Diante dessa ‘matemática’ que não fecha, a denominação de ‘chapa da morte’ começa a carimbar vários partidos. Alguns destes grupos – ou mais de um – correm risco de implosão. Por isso, encerro com a pergunta do título: “Qual chapa de vereador vai implodir primeiro em Maceió?”. Alguém aí se habilita a responder?