Americanas burlam decreto da Covid-19 e são alvo de operação da PM em AL
   21 de março de 2020   │     16:40  │  0

Com várias lojas espalhadas pro Alagoas, um dos maiores grupos de varejo do Brasil, as Lojas Americanas tentaram burlar o decreto do Governo do Estado de Alagoas que proíbe o funcionamento do comércio, entre outros estabelecimentos não essenciais por um período de 10 dias, a partir deste sábado, 21.

As medidas, consideradas de emergência, foram anunciadas para tentar contenção o avanço da Covid-19 no Estado.

Sob a alegação de que são supermercados – estabelecimento que podem funcionar durante este período, porque vendem itens considerados essenciais para a população – as Lojas Americanas de Alagoas amanheceram neste sábado, 21, de portas abertas em Alagoas.

A população, segundo informações do governo de Alagoas, tem feito ligações constantes denunciando a abertura e pedindo o fechamento das lojas. Foram várias denúncias no serviço da Polícia Militar.

Algumas lojas fecharam as portas após a abordagem da PM, que chegou a enviar diversas viaturas e policiais para ‘convencer’ os gerentes de cada unidade ao fechamento.

Até o momento do fechamento deste texto, pelo menos a Americanas do município de Delmiro Gouveia permanecia aberta, desafiando as autoridades estaduais.

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo de Alagoas, Rafael Brito, faz uma apelo para que as Lojas Americanas respeitem o decreto e dêem o exemplo a toda a sociedade.

“Na opinião do governo, Americanas não é supermercado. Não vende arroz, farinha, feijão, carne ou frango. A empresa, por ser grande como é, deveria dar exemplo de civilidade, como várias outras empresas fecharam suas portas, sem a necessidade do Estado determinar. Este é o caso de alguns hotéis de Maceió, que anunciaram o fechamento, sem o Estado anunciar medidas específicas”, explica Brito.

Para Rafael, a Americanas tenta argumentar, equivocadamente, que por vender biscoito e chocolate é supermercado. “Não está correto. Só ficou aberto o que é serviço essencial para a população, para que as pessoas comprem itens de cesta básica ou de higiene”, explica.

Ainda segundo Rafael, todas as Lojas Americanas que foram alvo de abordagem policial fecharam, “após um longo processo de argumentação”, menos a loja Americanas de Delmiro Gouveia.

A Lojas Americanas do Centro de Maceió foi uma das unidades do grupo que abriu as portas neste sábado e fechou após entendimento com a Polícia Militar,