Saída de Luciano Barbosa da Educação é “dada como certa” no governo
   1 de junho de 2020   │     23:48  │  0

Não será uma reforma administrativa de fato. Alguns secretários devem deixar o governo até a próxima quinta-feira (4), dentro das regras da Justiça Eleitoral. Mas seus grupos políticos vão continuar à frente das Pastas.

Alguns nomes já confirmaram que vão se desincompatibilizar para disputar as eleições de prefeito. Outros seguem no campo da dúvida.

Mas o governo já trabalha com a saída de até cinco secretários, inclusive o de Educação. A desincompatibilização do vice-governador Luciano Barbosa é dada como certa pelos palacianos.

“Ele deve sair sim. Até a próxima quarta-feira deve ser publicada a exoneração”, aponta um importante interlocutor do governo.

Barbosa, no entanto, ainda não teria definido se será candidato ou não. “Ele vai ver no que dá. Deve deixar a Secretaria em função do prazo da Justiça Eleitoral e depois decidirá se vai ou não disputar a eleição”, emenda o interlocutor.

O vice-governador já revelou a várias lideranças políticas de Arapiraca o desejo de ser candidato a prefeito do município. Publicamente não confirma nada.

Além de Barbosa, devem deixar o governo até o próximo dia 4 os secretários Arthur Albuquerque (Trabalho), Cecília Rocha (Ciência e Tecnologia), Fernando Pereira (Meio Ambiente e Recursos Hídricos) e Mellina Freitas (Cultura).

Dois secretários já confirmaram que vão se desincompatibilizar para disputar as prefeituras. Fernando Pereira, que é pré-candidato a prefeito de São Miguel dos Campos pelo PP, avisa: “Estou pronto para luta. Essa semana mim desincompatibilizo”.

A secretária Cecília Rocha (PSC) também confirma que pretende ser candidata a prefeita de Atalaia e vai definir a desincompatibilização numa conversa com o governador Renan Filho (MDB) no início da semana.

Os demais secretários ainda não falaram publicamente sobre a saída do governo.

O que se espera não é uma grande mudança nessas pastas. O provável é que as secretarias continuem com os atuais grupos indicando os substitutos no caso de desincompatibilização: os Pereira na Semarh, Barbosa na Educação, Albuquerque na Sete. Na Cultura, a dúvida é se a Pasta continua com o grupo de Mellina ou se irá para outro nome próximo ao governador. Na Secti, existe dúvida se será mantido um nome ligado a Cecília Rocha ou se a Pasta irá para a cota do PRTB.

Mas essa é outra história.