Cartórios de divulgam registros de mortes por Covid-19 em AL
   26 de junho de 2020   │     23:20  │  1

O Boletim Epidemiológico desta sexta-feira (26/06), divulgado pela Secretaria de Saúde do Estado de Alagoas, informa que “foram registradas mais 17 mortes em território alagoano. Com isso, Alagoas tem 975 óbitos por Covid-19”.

O número de mortes apresentado governo, no entanto, é menor que as estatísticas apresentadas no novo módulo do Portal da Transparência, lançado nesta sexta (26), que reúne os óbitos por Covid-19 e outras doenças.

O módulo foi desenvolvido pela Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil) em parceria com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e traz, além da Covid-19, informações detalhadas por mortes como infarto, doenças cardíacas, AVC, pneumonia e Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG).

De acordo com o recorte dos óbitos em Alagoas, entre 16 de março (quando foi iniciada a quarentena) e 26 de junho, registradas 1.098 por Covid-19 nos cartórios no Estado, uma diferença de 123 óbitos ou 12,6% em relação aos números da Secretaria Estadual de Saúde.

Na comparação apenas com o recorte dos óbitos registrados de 1o a 26 de junho, a diferença é bem maior.

Ao longo deste mês, a Sesau-AL anunciou 317 óbitos por Covid-19 em Alagoas, dos quais, segundo o Painel Covid-19 Alagoas, da Seplag-Al, 304 ocorreram durante o mês. No mesmo período, o “Painel Registral” no Porta da Transparência, informa que foram registradas 505 mortes por Covid-19 no Estado.

Considerando o dado da Sesau-AL (317), a diferença entre os números do Estado e dos cartórios é de 188 óbitos ou 59,13%.

Outro detalhe que deve ser observado é o expressivo aumento no número de mortes que podem ser relacionadas com a Covid-19, a exemplo da SRAG.

Segundo o Painel Registral, foram apenas 7 óbitos de Síndrome Respiratória Aguda Grave entre 16 de março e 26 de junho de 2019. Em igual período deste ano, foram registrados 174 óbitos por SRAG em Alagoas, um aumento de mais de 2 mil por cento.

Delay

É importante ressaltar que os números da Sesau-AL nem sempre são divulgados com a mesma velocidade dos cartórios. Em alguns casos, demoram alguns dias até que um óbito por Covid-19 seja confirmado e entre nas estatísticas.

Um exemplo concreto é o caso de Arapiraca, segundo maior município de Alagoas, que detém também o segundo maior número de casos confirmados de Covid-19.

De acordo com a Sesau-AL, até esta sexta-feira (26) o município tinha 2.323 casos confirmados de Covid-19. E, segundo o Painel Covid-19 Alagoas, eram 31 óbitos no município.

Os números da Secretaria de Saúde de Arapiraca são bem diferentes. “Temos 3.429 confirmados e 941 suspeitos, somando 88 óbitos confirmados e 32 em investigação”, diz nota da Secretaria do município publicada no Instagram.

Esta diferença ou é decorrente de metodologias desiguais ou da velocidade com que a Sesau-AL e a secretarias dos municípios confirmam e divulgam os novos casos e óbitos pro Covid-19.

Seja qual for a questão, é preciso que as autoridades falem a mesma linguagem. Dados são fundamentais par a elaboração de políticas públicas e podem se subsidiar ações para prevenir mais mortes. Seja por Covid-19 ou por outras doenças. Mas essa é outra história.

Acesse os links e faça sua pesquisa:

Painel Registral 

Painel Covid-19 em Alagoas

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Williams Roger

    Erro, malícia, cultura do quanto pior “melhor” e atraso sim. Mas o pior, o escândalo, sem precedentes do lacen, denunciado e provado pelo deputado Davi Maia, detona a “credibilidade” que o governo de Alagoas diz ter, com relação ao covid-19.
    Que não passam de fake news. Até por que, vivem mudando dados “oficiais” do portal da “transparência”, colocando ainda mais a “credibilidade”, que não tem, em xeque.
    Resumindo, os dados não batem com a realidade. Não são fidedignos.

Comments are closed.