Taxa de transmissão de Covid-19 despenca em AL e fica perto do “ideal”
   27 de junho de 2020   │     15:07  │  2

Os cálculos são do Covid-19 Analytics, grupo de cientistas da PUC-RJ, que construiu um modelo de previsão de casos e mortes de Covid-19 no Brasil, que possibilita estimar números até duas semanas a frente.

Entre os dados está o da taxa de transmissão (Rt) do novo coronavírus, que também é calculado internacionalmente pelo Imperial College London. A diferença é que o Covid-19 Analytics calcula dados diariamente do Brasil e dos seus 27 Estados.

E de acordo com os dados mais recentes do “Número Efetivo de Reprodução” de 26 de junho de 2020, Alagoas tem hoje uma das menores taxas de transmissão do novo coronavírus do país. Situação bem diferente do dia 15 de abril, quando o grupo publicou suas primeiras previsões.

Em abril a taxa de transmissão de Alagoas estava em 4,08. Ou seja, cada infectado contaminava outras 4 pessoas.

O “ideal”, segundo todos os especialistas, especialmente os infectologistas, é quando que taxa de transmissão é igual ou menor que 1, ou seja, quando infectado contamina menos de uma pessoa.

E Alagoas está bem próximo deste número. De acordo com os cálculos do Covid-19 Analytics, a Rt do Estado caiu para 1,05 no dia 26 de junho. O ritmo de queda nesta taxa, no Estado, ao longo do mês de junho ficou em 0,02 ponto por dia.

Mantido esse ritmo, Alagoas deve chegar a taxa “ideal” dentro de dois ou três dias.

Sem lockdown

De acordo com os dados de outros Estados no portal do do Covid-19 Analytics, no momento a Rt de Alagoas é a quinta menor do Brasil e a terceira menor do Nordeste.

Só tem índices melhores que Alagoas Estados que fizeram lockdown, isolamento social mais rígido ou enfrentaram colapso na rede de saúde, a exemplo do Amazonas (0,97), Pará (1), MA (0,96), PB (1) e MA (0,84).

A taxa de transmissão do novo coronavírus em Alagoas (1,05) é menor neste momento do que a de Pernambuco (1,11), que fez lockdown ou São Paulo (1,21) que adotou quarentena mais rígida.

Em que pese a queda no isolamento social nas últimas semanas, a estratégia adotada pela Secretaria de Saúde de Alagoas parece ter surtido o efeito esperado.

Até mesmo a “demora” na reabertura de comércio e serviços parece, agora, se justificar. Estados que anteciparam a abertura destes setores, estão enfrentando no momento uma nova onda de crescimento (recrudescimento) de Covid-19. É o caso de Minas Gerais, com Rt de 1,58 no Sudeste de todos os Estados do Sul. O Rio Grande do Sul que tem hoje Rt de 1,45, Santa Catarina (1,73) e Paraná (1,55). Situação semelhante também se verifica na região Centro-oeste.

Se fosse aqui?

O Espírito Santo adotou uma métrica diferente para a retomada das atividades suspensas durante a pandemia. O retorno das aulas presenciais nas escolas da rede estadual daquele Estado vai depender, principalmente, da taxa de transmissão do novo coronavírus.

De acordo com o governador Renato Casagrande, a volta só deve ocorrer quando ela for inferior a 1, ou seja, quando um infectado contaminar apenas uma pessoa.

Se o mesmo critério fosse adotado em Alagoas, a retomada das atividades poderia ser antecipada para dentro de uma ou duas semanas.

Em Alagoas o governo instituiu o “Plano De Distanciamento Social Controlado”, com cinco etapas para retomada das atividades que estão suspensas no Estado em função da pandemia do novo coronavírus.

Os critérios para avançar de uma etapa para outra foram apresentados pelo governo esta semana, dentro da “matriz de risco”.

As bandeiras para as fases de transição levam em conta os números de novos casos de Covid-19 e, principalmente, a capacidade hospitalar instalada, com percentual máximo de ocupação para leitos gerais e leitos com respiradores.

Pode até parecer exagero, mas se Alagoas “evoluir” sem risco de “involuir”, como estamos vendo ocorrer em Minas Gerais neste momento, terá valido a pena. Mas essa é outra história.

(P.s: “ideal” mesmo é que nem existisse o corona vírus).

Taxas de transmissão

Veja as taxas de transmissão (Rt) do Covid-19 Analytics atualizadas no dia 26 de junho

Brasil: 1,05

Nordeste: AL: 1,05; BA: 1,23; CE: 0,96;  MA: 0,84;PB: 1; PE: 1,11; PI: 1,5; RN: 1,61; SE: 1,15

Norte: AC: 1,06; AM: 0,97; AP:1,44; PA: 1; RO: 1,31; RR: 232; TO: 1,19

Sul: PR: 1,55; RS: 1,45; SC: 1,73

Sudeste: ES: 1,21; MG: 1,58; RJ: 1,21; SP: 1,25

Centro-oeste: DF: 1,32; GO: 1,47; MS: 1,53; MT: 1,63

Faça sua pesquisa. Acesse: Covid-19 Analytics

 

COMENTÁRIOS
2

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Santos

    O ideal é não haver mais ninguém contaminado, risco zero para novas contaminações, leitos e uti’s hospitalares com 100% de suas capacidades disponíveis, mas isso é sonho na realidade atual. O Governo precisa ser mais enérgico na fiscalização de seus decretos de isolamento, senão amanhã será pior que hoje e toda população vai pagar por um erro de meia dúzia que continuam desobedecendo as orientações de isolamento social, colocando suas vidas e a de todos em perigo de morte.

Comments are closed.