Pela primeira vez, AL tem taxa de contágio “negativa” de Covid-19?
   3 de julho de 2020   │     23:58  │  3

Vencemos a pandemia? Não. Ainda falta muito para respirar aliviado. Mas Alagoas segue um caminho próprio, com resultados inesperados, que parecem desafiar as previsões.

Contrariando a lógica e recomendações, entre as quais da Sociedade Alagoana de Infectologia e do Comitê Científico Nordeste, o Estado, que deveria ter decretado o bloqueio total no final de maio ou início de junho.

O lockdown deveria evitar o colapso na rede de saúde, mas o Estado manteve tudo do jeito que estava, com grande parte dos estabelecimentos abertos.

Contrariando as previsões, sobram leitos clínicos para tratamentos de pacientes do novo coronavírus. Batemos na trave, é verdade, quando se fala de UTIs. Mas em nenhum momento a anunciada sobrecarga da rede hospitalar para atendimento de doentes da Covid-19 se confirmou.

Os índices de isolamento social continuam abaixo do recomendado. Nessa quinta-feira (2) o IIS ficou em 40,3% no Estado. Na média dos últimos dias ficamos sempre nessa faixa (veja o mapa), quando o ideal seria acima de 60%.

com a “ajuda” da fiscalização e cumplicidade da população, o descumprimento aos sucessivos decretos de “quarentena” ou distanciamento social controlado é crescente

E ainda assim, sem lockdown, com isolamento social em queda, pessoas circulando sem máscaras, com a abertura à meia porta de estabelecimentos que não deveriam funcionar e, aglomerações cada vez maiores, o Estado parece estar “vencendo” á pandemia.

Os últimos números apontam para uma queda de novos casos em Maceió e na maioria das cidades do interior. Ao menos pelos dados oficiais.

E mais um número chega para “contrariar”. Pela primeira vez desde o começo da pandemia, Alagoas tem uma taxa de transmissão do novo coronavírus (Rt) abaixo de 1.

O número de reprodução calculado pelo Covid-19 Analytics aponta que a Rt Alagoas ficou em 0,98 nessa quinta-feira (02), a segunda menor do Nordeste, atrás apenas do Ceará que ficou em 0,96 e melhor que Maranhão (1,03) e Pernambuco (1,11), dois Estados da região que decretaram lockdown, assim como o Ceará. Em todo país, Alagoas ficou na quarta posição.

A Rt de Alagoas seria, na prática, uma taxa “negativa”. Lembrando que um para um é quando uma pessoa contamina outra ou seja, estabilidade. Acima disso uma pessoa contamina mais de um, tendência de alta. Abaixo de um, o vírus perde força, na medida em o número de contaminados cairá gradativamente até atingir zero.

Agora, o Comitê Científico Nordeste traz um novo boletim, divulgado nessa quinta-feira (2). E de novo, alegando risco de colapso na saúde, recomenda lockdown em Maceió e algumas cidades do interior. O risco agora é o “feito bumerangue”. Algo parecido com o recrudescimento ou uma segunda onda da Covid-19 em Alagoas.

Sem clima para endurecer o isolamento social, o governo de Alagoas vai seguir com o Distanciamento Social Controlado. E tudo aponta para uma flexibilização ainda maior no próximo decreto que vai entrar em vigor provavelmente no próximo dia 15 de julho.

É cruzar os dedos e torcer que Alagoas siga contrariando a “lógica”.

Veja aqui o boletim do Comitê Científico Nordeste

COMENTÁRIOS
3

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Interiorano

    Mesmo assim, acredito que “o menos ruim” é até enquanto não se descobrir uma vacina que elimine o vírus e se proceda uma vacinação global em massa, que todos os trabalhadores em geral (Comércio, Empresas, Industrias, Serviço Público, deveriam trabalhar em escala tipo revezamento! Cada setor de trabalho, faria sua escala! Quem puder ficar trabalhando em home office que continuasse! Cursinhos, Escolas, Faculdades e Universidades, funcionando com metade da capacidade, ou seja metade dos alunos estudando 2ª feira, 4ª feira e 6ª feira e a outra metade dos alunos estudando 3ª feira, 5ª feira e sábado! Na outra semana revezava e assim sucessivamente! Estádio de Futebol, quando voltar a ter jogos, funcionando só com a metade da capacidade e mesmo assim, dividido para as 2 torcidas! Igrejas, funcionando com 3 cultos/missas por semana! Um/Uma para quem têm até 30 anos; Outro/outra, para quem têm entre 30 e 60 anos; Outro/Outra, para quem têm acima de 60 anos! E continuarmos orando/rezando e pedindo a DEUS que faça com que os Cientistas/Pesquisadores descubram urgentemente uma vacina que combata esse vírus! Essa é uma simples opinião desse velho matuto!

  2. FlavioPC

    Claro que diminuiu, antes tudo era COVID, agora com a proximidade das eleições, dinheiro Federal no caixa tudo ficou uma maravilha para o RENAN, me poupe da hipocrisia

  3. Luciano Carvalho

    O remédio é o Covidao, quando a PF chega ou ameaça chegar, o contágio despenca. E quem vai pagar a quebradeira ? Os antigas ? Um abraço.

Comments are closed.