O acerto das pesquisas dos institutos ‘made in Alagoas’
   16 de outubro de 2020   │     0:19  │  0

Pesquisa eleitoral, não custa repetir, é o ‘retrato’ do momento. Por regra, nesse mercado, os resultados dos institutos que atuam em todo o território nacional tem maior ‘peso’ ou ‘credibilidade’, porque se imagina que empresas de ‘fora’ são mais isentas.

Levantamentos do Ibope, Paraná Pesquisa ou Data Folha são considerados referências nesse mercado.

Mas os institutos ‘made in Alagoas’ também tem feito o dever de casa. E bem. Não só nesta, mas também em outras eleições. O Ibrape, por exemplo, costuma antecipar resultados com eficiência semelhante (no caso de Alagoas) ao Ibope.

A recente divulgação de pesquisas do Ibope (9 de outubro) e Paraná Pesquisa (14 de outubro) em Maceió confirmou, com pequenas variações números antecipados por institutos alagoanos, a exemplo do TDL e Data Sensus.

Em outras palavras, precisamos dar mais valor à “prata da casa”.

Pessoalmente, avalio que os levantamentos dos institutos locais tem boa qualidade e, por regra, são isentos. E para quem não gosta dos resultados, um único conselho: não se ‘briga’ com pesquisa. Quando feitas por profissionais qualificados, elas podem e devem servir para redefinir ou manter estratégias políticas e eleitorais.

Sobre o tema recebi um breve comentário do diretor da Data Sensus, Eugênio Albuquerque: “Sem falsa modesta em 12 de setembro (há um mês) o instituto Data Sensus trazia em primeira mão o empate técnico entre Jhc e Alfredo, o Cícero em terceiro e também o empate na espontânea com Alfredo na ponta. Algumas dessas informações até foram contestadas, mas estivemos firmes porque nas ruas sempre trazemos o resultado verdadeiro”.