Alagoas dá exemplo ao Brasil com a Expoagro, primeira exposição na pandemia
   3 de novembro de 2020   │     15:17  │  0

Um evento único na história das exposições agropecuárias do Brasil. A Expoagro Alagoas foi o primeiro grande evento do setor no país depois do início da pandemia do novo coronavírus.

Do começo ao fim, tudo saiu como planejado. Tudo e um pouco mais. O faturamento com os leilões e shoppings superaram todas as edições anteriores e chegou a R$ 15 milhões. Um novo recorde.

O público foi menor. E não poderia ser diferente. Afinal, a regra deve ser cumprida para a segurança de todos.

No período entre 23 de outubro e 1o de novembro, passaram pelo palco do evento, o Parque da Pecuária, cerca de 20 mil visitantes, além do pessoal que estava trabalhando na exposição. Se considerada a área de mais de 81 mil metros quadrados da Pecuária, era possível colocar o dobro disso, mas a organização do evento cumpriu à risca as recomendações. Não teve shows, nem leilões presenciais. A maioria dos eventos ganhou um novo formato, que o presidente da Associação dos Criadores de Alagoas, Domício Silva, gosta de chamar de ‘híbrido’.

O uso das redes sociais e das ‘lives’ permitiu levar a Expoagro muito mais longe do que a área onde é realizada, no bairro do Prado, em Maceió.

Os julgamentos de animais, as palestras e principalmente os leilões foram acompanhados por pessoas de todo o Brasil e de outros países.

A ‘pegada’ digital da Expoagro na sua edição 70 foi tão forte que os criadores alagoanos conseguiram comercializar animais para 18 estados do Brasil. Nunca algo parecido tinha sido registrado por aqui.

Vê-se agora que a Expoagro foi um acerto. Mas há alguns meses, nem se sabia se seria possível realizar o evento. Tudo dependia da evolução da pandemia em Alagoas. A aposta da ACA e dos seus parceiros era que a exposição aconteceria num momento de baixa na ‘curva’ de contaminação da Covid-19, como de fato está se verificando.

Daí foi preciso conversar e convencer as autoridades – incluindo o governador Renan Filho, os secretários de Saúde (Alexandre Ayres), Agricultura (João Lessa Neto) e Casa Civil (Fábio Farias), a equipe da prefeitura de Maceió, da Adeal etc etc etc.

Os parceiros mais uma vez acreditaram e ajudaram a realizar a exposição. E trabalharam junto com a Aca, Federação da Agricultura (Faeal) e Organização Arnon de Mello para dar um exemplo ao Brasil. Entre os paceiros, estão o Sebrae Alagoas, Federação das Indústrias (Fiea), Governo do Estado, Governo Federal, prefeitura de Maceió, Banco do Nordeste e BCCOM.

Ao fim e ao cabo, quem foi ao Parque viu uma exposição com o melhor da genética de Alagoas e do Nordeste, conferiu um evento organizado e com respeito a as normas de segurança

A organização do evento, no Parque José da Silva Nogueira, a Pecuária, respeitou os protocolos. Nada de novo para criadores já acostumados com regras mais rígidas para os animais, a exemplo da desinfecção, emissão de guia de trânsito (GTA) e controle do bem-estar animal.

A diferença é que a segurança foi redobrada também para as pessoas, com uso obrigatório de máscaras, incentivo ao uso de álcool em gel, distanciamento social controlado, aferição de temperatura. Tudo dentro do ‘novo normal’.

Todo alagoano deve sentir orgulho da Expoagro, um evento que movimenta nossa economia, gera empregos, mostra para o Brasil e o mundo o excelente trabalho realizado pelos nossos produtores e traz, literalmente, o campo para a cidade, dando a quem vive em Maceió a oportunidade de ter contato direto com o agronegócio.

A Expoagro 2020 já era, só pela marca de 70 anos, histórica. Mais foi além. Os criadores alagoanos se reinventaram, inovaram e deram um bom exemplo para o Brasil. Que venha outras ‘expoagros’.

Saiba mais: Veja os números da Expoagro 70 no texto anterior.