Quatro ex-prefeitos podem se ‘aposentar’ nas eleições de Maceió
   7 de novembro de 2020   │     17:07  │  0

Dependendo do resultado das urnas, a eleição de Maceió pode levar quatro ex-prefeitos da capital a encerrar suas carreiras políticas – simultaneamente.

Dois disputam vagas de prefeito, com pouquíssimas chances de vitória.

Corintho Campelo (PMN) não conseguiu sequer pontuar na última pesquisa do Ibrape, divulgada nessa sexta-feira (6). A vida dele como candidato não é fácil. Foi prefeito de Maceió entre 1982 e 1983, de forma indireta. Poucos eleitores conseguem lembrar da sua gestão.

Embora tenha feito uma longa pré-campanha, Campelo não conseguiu formar uma coligação e ficou sem tempo na rádio e na TV.

Cícero Almeida (DC), foi o último prefeito antes de Rui Palmeira. E embora tenha sido reeleito e deixado a gestão com boa aprovação popular, não conseguiu emplacar até agora. Tem pouco tempo no guia eleitoral e praticamente nenhum apoio político. Na última pesquisa do Ibrape ficou apenas com 4%, caindo dois pontos percentuais em relação ao levantamento anterior. Repito o que disse aqui: o ex-prefeito corre o risco de ficar entre os últimos.

Outro ex-prefeito na disputa é Ronaldo Lessa (PDT), que foi também ex-governador. Lessa é candidato a vice de JHC (PSB) e no momento, com a eleição embolada, a chapa corre risco de ficar fora do segundo turno.

Ex-prefeita de Maceió, Kátia Born (PDT) disputa vaga de vereadora na capital, mas não é apontada entre as favoritas para ganhar a eleição em função da chapa do seu partido. Se o PDT conseguir votos para atingir o quociente eleitoral, ela tem boas chances de ser eleita. Nos bastidores, ela vem sendo apontada, ao lado de Judson Cabral (PDT) como puxadora de votos do partido.

Dependendo do resultado das urnas no próximo dia 15, os ex-prefeitos perdem a condição de seguir na carreira política.

Uma derrota reduz muito as chances deles, especialmente de Cícero Almeida e Ronaldo Lessa, de disputar as eleições de 2022.