Governador deve filiar mais dez prefeitos ao MDB em Alagoas
   20 de fevereiro de 2021   │     0:12  │  0

A poeira das eleições de 2020 ainda não baixou por completo, mas já tem prefeito mudando de partido em Alagoas. Quem abriu a troca de legendas foi Júlio Cezar, de Palmeira dos Índios. No dia 3 de fevereiro, ele deixou o PSB de JHC para embarcar no MDB de Renan Filho.

Na sequência, no dia 8 de fevereiro, outros dois prefeitos seguiram os passos de JC. Em ato realizado na sede do MDB, em Maceió, dois prefeitos assinaram a ficha de filiação ao partido: Jaime do Mercado, de Palestina, que era filiado ao Republicanos e Will Valença, de Tanque d’Arca, que era filiado ao PSD.

“Pessoal, hoje filiamos mais dois prefeitos ao MDB Alagoas. O Jayme do Mercado, de Palestina, e o prefeito Wil, de Tanque D’arca. Sejam bem-vindos! Vamos juntos fortalecer o desenvolvimento das cidades e do estado de Alagoas”, registrou Renan Filho em suas redes sociais.

Com as filiações, o MDB, que fez 38 prefeitos em novembro passado, tem agora 41. Mas não vai parar por aí. “Tem mais uns dez que podem se filiar ao partido”, anuncia um dirigente do emedebista que também é prefeito.

As filiações são “estimuladas” pela força do governo e sinalizam a preparação do grupo do governador Renan Filho para 2022. O objetivo, segundo versão dos bastidores, é tentar frear o provável crescimento do grupo do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL).

Alguns prefeitos estariam sendo “levados” a fazer a mudança, seja para um grupo ou para o outro, atraídos pelo poder que tem Filho e Lira no momento. Ambos podem abrir os cofres – literalmente – para os municípios.

Contratempos

A mudança de partido, no entanto, não é tão simples como parece. A movimentação do governador desagrada aliados e adversários, antecipando disputas faltando mais de 20 meses para a eleição. E alguns já estão começando a se queixar abertamente da “pressão” sobre suas bases.

Durante a visita a Assembleia Legislativa, nessa semana, Renan Filho ouviu alguns deputados reclamarem da conversa direta com os prefeitos – sem intermediação deles. Na bancada federal, a reação pode ser mais dura. A conferir.

Quadro

Após as trocas partidárias em Alagoas, o MDB que tinha 38 prefeitos ficou com 41. O PP segue com 28 e o PTB com 12. O PSD tinha 4, ficou com 3. PSC, PL mantém três, cada um. Republicanos tinha 3 e ficou com 2. O PSB tinha 2 ficou com 1. DEM e PSDB continuam com 2, cada um. PT, Cidadania e Podemos mantém 1,c ada.