Alagoas terá três ou quatro chapas “viáveis” de federal em 22
   28 de abril de 2021   │     20:13  │  0

Quem é do ramo já começou a fazer as contas. Teremos em Alagoas muito três, no máximo quatro chapas viáveis para deputado federal em 2022. E não é segredo para ninguém quem conseguirá “montar” grupos competitivos para conquistar ao menos uma das 9 vagas da representação alagoana na Câmara dos Deputados.

A chapa mais previsível – e um das mais fortes – é a de Arthur Lira. Atual presidente da Câmara dos Deputados, o deputado trabalharia para montar um grupo no PP capaz de fazer três federais. Além dele próprio, são cotados nomes de peso no grupo. As especulações nos bastidores apontam para uma composição que poderia ter Davi Davino Filho (que também pode ser candidato majoritário), Jó Pereira, Marcius Beltrão e Daniel Barbosa, entre outros.

Outra chapa que vem forte, mas ainda não muito previsível, é a do MDB. Além do deputado federal Isnaldo Bulhões, atual líder do partido na Câmara dos Deputados, o grupo pode incluir outros deputados de mandato ou nomes do grupo do governador Renan Filho, a exemplo de Olavo Neto.

A chapa do MDB depende também da viabilização de outros grupos. É o caso do Podemos. Se não conseguir montar uma chapa, Rui Palmeira “será muito bem recebido no partido”, avisa um dirigente emedebista. Aí podem caber PTB, PL e outros partidos do grupo do governador.

A terceira chapa dada como certa é a do PSB, que será montada com base no grupo do prefeito de Maceió, JHC. Entre os nomes que podem compor o time, um que é dado como certo é o do ex-deputado federal João Caldas. Tudo indica que o PSB pode agrupar também o “time” do PSDB. Aí caberia o deputado federal Pedro Vilela, mas não a deputada federal Tereza Nelma. Depois de ter sido perseguida pelo diretório estadual do partido em Alagoas, ela já sinalizou que deve disputar a reeleição por outra legenda.

A disputa para formar a quarta chapa viável é grande. No momento, quem vem trabalhando bem nessa direção é o deputado federal Marx Beltrão, presidente do PSD em Alagoas. Ele não revela nomes, mas confirma informações de bastidores de que teria já formado um grupo capaz de eleger duas vagas. No grupo todos são nomes sem mandato, mas com potencial. Quem? Quais? Marx prefere manter o “segredo” para evitar o “assédio” de outros partidos, que vai aumentar – e muito – a partir de agora.