“Faça um pedido de maconha para ver se chega”, reage deputado
   29 de abril de 2021   │     22:38  │  0

O líder do governo na Assembleia Legislativa de Alagoas reagiu de forma inusitada as críticas do deputado estadual Davi Maia, um dos principais nomes de oposição ao governo na Casa.

No centro das discussões, o combate a Covid-19 e a tentativa de compra de respiradores através do Consórcio Nordeste em 2020 – para tratamento de pacientes.

A certa altura Sílvio Camelo (PV) disse que o colega “afirma categoricamente” que a empresa investigada por não entregar os equipamentos “vende” maconha.

“Queria até que vossa excelência fizesse um pedido de maconha a essa empresa pra ver se ele entrega…”.

Claro que a empresa em questão não vende maconha – pelo menos legalmente.

Em meio ao clima “quase descontraído” da discussão, Camelo e o presidente da ALE, ressaltaram que o papel da oposição é cobrar, fiscalizar e apesar das críticas reiteradas “mil vezes, mesmo quando se tratam de fatos distorcidos” o líder do governo e Marcelo Victor elogiaram o papel exercido por Maia.

Ainda assim o presidente da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa, deputado Léo Loureiro (PP), fez questão de esclarecer a confusão. O parlamentar disse não conhecer a empresa Hempcare, mas acredita que ela seja revendedora do remédio canabidiol, usado por grande parte de pessoas com autismo e com epilepsia.

“Já existe importação, via Ministério da Saúde, desse produto, que é de fundamental importância para muitas pessoas com deficiências ou com comorbidades. É preciso deixar claro que quando usamos o temo ‘maconha’ para tratar desse medicamento, acabamos atrapalhando a importação”, destacou.

Versão oficial

Veja texto da assessoria da ALE: Números do Caged e compra de ventiladores clínicos geram debate