ICMS de AL “explode” com alta de 67%: “a arrecadação tende a ser forte este ano”
   7 de junho de 2021   │     15:29  │  3

Nos quatro três meses do ano, a Sefaz-AL conseguiu desempenho positivo na receita do ICMS. Em maio, no entanto, a arrecadação teve crescimento “explosivo” – literalmente.

Note bem. Falo do desempenho, ou seja a comparação da receita no mesmo período, de um ano para outro.

Vamos aos números. Em janeiro foram arrecadados R$ 482,007 milhões (alta de 16,79%), fevereiro fechou com R$ 427,8 milhões (16,28%), março com R$ 394,8 milhões (18,95%). Em abril, o ICMS chegou a R$ 414,2 milhões e um crescimento muito acima da média na comparação com igual período do ano passado: 42,46%.

Já em maio, o volume arrecadado chegou a R$ 412,3 milhões, segundo menor do ano, mas o maior até agora (e certamente um dos maiores da história) em desempenho. A variação ante maio de 2020 (R$ 246,6 milhões) foi de 67,18%.

O resultado de maio impactou positivamente no acumulado do ano. Nos cinco primeiros meses de 2021 ano o volume de ICMS arrecadado em Alagoas chegou a R$ 2,1 bilhões com crescimento de 29,41% na comparação com os R$ 1,64 bilhão de receita com o imposto entre janeiro e maio de 2020 – uma diferença de R$ 484 milhões. É como se o Estado tivesse este ano um “mês” a mais de arrecadação.

Análise: base de comparação baixa

O secretário da Fazenda de Alagoas, George Santoro, avalia que o bom desempenho da receita própria estadual é reflexo da retomada a economia este ano no país e no Estado.

“Outro fator que deve ser avaliado é a base de comparação. Maio de 2020 foi um mês de baixa arrecadação, com desempenho negativo”, pondera.

Lembrando que a partir de março, o “fechamento” de vários setores da economia, a arrecadação de ICMS caiu em Alagoas no período entre março e junho e a maior queda (-20,1%) – o que explica a base de comparação “baixa).

Para Santoro, o ICMS tende a ter um comportamento mais estável a partir de junho. “Não devemos repetir mais crescimentos tão expressivos, até porque a base de comparação será maior neste e nos próximos meses”, aponta.

“A tendência é acomodar, mas a arrecadação tende a ser forte este ano”, avalia Santoro.

Fatores que influenciaram a receita

De acordo com o secretário, outro fator a ser considerado é a retomada de atividade “plena” na cadeia da química e do plástico em Alagoas. A volta da operação da fábrica da Braskem em Maceió este ano tem influenciado fortemente os indicadores no setor industrial. “A cadeia química e do plástico explodiu. Eles puxam muito. Deu crescimento enorme na indústria”, afirma.

Outro setor que cresceu muito foi o comércio, explica o secretário: “reação boa e também teve bom desempenho das lojas de construção, com crescimento muito grande”, diz.

Santoro também acredita que pode existir um efeito da “formalização” de algumas atividades, em função da pandemia – algo que ele está estudando com sua equipe. “Pensa assim, o consumidor comprava a frutinha dele a um informal, como houve mudanças nos hábitos, ele pede no mercado na internet ou num supermercado. Em casos como esse, consumo que era informal passa a ser formalizado”, pondera.

Outra influência nada positiva na arrecadação, avalia o secretário da Fazenda, é o da inflação. “O preço dos produtos está muito alto. Temos portanto um resultado puxado pela inflação, ou seja, o Estado ganha na arrecadação e perde na despesa mais a frente. Esse é um efeito perigosíssimo”, enfatiza.

COMENTÁRIOS
3

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Edival Vieira Gaia filho Gaia

    A compra de insumos para o plantio, acho que teve influência. Esse vai ser a maior safra de grãos(milho) do Estado.

  2. Claudinha

    Se a arrecadação do Estado está bem, consequentemente os repasses para os Municípios devem estar também nas alturas, não tendo motivos para os prefeitos reclamarem e negarem reposição das perdas salariais para os servidores públicos.

  3. Carlos ferro

    Edivaldo,enquanto isso servidores passam necessidade com salários altamente defasados.Chegou o momento de resgatar a dignidade dos servidores,para vc ter uma idéia um servidor da saúde nível superior recebe 2.100,00 por 20 horas.O nível médio recebe abaixo do mínimo,tem que ter um complemento.Vamos aguardar o bom senso do governador.

Comments are closed.