O recado de Arthur Lira para a Petrobras: “os brasileiros são seus acionistas”
   14 de setembro de 2021   │     22:57  │  0

A pressão no bolso do brasileiro repercute no parlamento. Nesta terça-feira (14/09), o plenário da Câmara dos Deputados transformou-se em comissão geral para debater a situação das termelétricas e, principalmente, o preço dos combustíveis.

Antes da reunião, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), mandou um duro recado em seu Twitter.

“Tudo caro: gasolina, diesel, gás de cozinha. A Petrobras deve ser lembrada: os brasileiros são seus acionistas”, disparou Lira.

Na semana passada, o presidente da Câmara dos Deputados já havia questionado o peso do ICMS no valor dos combustíveis. Mas ele sabe, como qualquer um que tenha bom senso, que o problema é outro.

Nem Alagoas, nem outro Estado da federação aumentou a alíquota do imposto estadual nos últimos anos. O ICMS é o mesmo por aqui desde 2015. O que mudou foi o preço da Petrobras.

Na sessão desta terça, deputados de diversos partidos cobraram mudança na política de preços de combustíveis da Petrobras, que desde 2016 acompanha a variação do valor do barril de petróleo no mercado internacional e do dólar.

É a chamada política de paridade internacional (PPI). Ao fim e ao cabo, é isso que tem pesado no bolso do brasileiro. Se a companhia baixa o preço, na “fonte”, o consumidor paga menos e a arrecadação é menor também nos Estados. Se acontece o contrário, todos pagam mais, incluindo impostos.

O assunto foi discutido com o presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna, em comissão geral no Plenário da Câmara dos Deputados.

A escolha agora é dos brasileiros, através dos seus legítimos representantes no Congresso Nacional. Ou mudamos a política de preços da Petrobras ou todos os brasileiros vão continuar pagando caro para garantir a felicidade dos acionistas da companhia.

Tira dúvidas

A Petrobras tem um guia que pode ajudar a esclarecer como é a política de preços de combustíveis no país. Vale a pena dar uma olhada para entender melhor.

No caso do GLP, o gás de cozinha, que foi tema de debate na Assembleia Legislativa de Alagoas nesta terça-feira, o preço médio do Estado é o quatro menor do país, embora o ICMS praticado no Estado seja um dos maiores, de 18%.

Veja aqui na íntegra: Preços de Venda de Combustíveis da Petrobras