Arsal “vira jogo”, cancela fatura de água e “esvazia” discursos entre deputados
   25 de novembro de 2021   │     15:58  │  1

“Enquanto falta água em Maceió, diretores da Casal passeiam na Europa ou viajam para assistir jogos do Flamengo”. Ouvi a mesma crítica, em tom de sarcasmo, de três deputados estaduais – dois deles da base do governo.

Um foi mais além: “não entendo porque o governador mantém essa diretoria, que já deu provas de ineficiência”.

Os pedidos para mudar a diretoria da Casal vão além a Assembleia Legislativa de Alagoas. Dentro do próprio governo e entre aliados de Renan Filho, a opinião de que a empresa precisar ser melhor administrada é praticamente unânime.

O tom das críticas contra a Casal voltou a ser elevado esta semana, em função da falta de água na parte alta de Maceió. O problema do abastecimento foi provocado pela companhia, mas a conta caiu no colo da concessionária BRK e quase sobra para a Arsal.

A Agência Reguladora de Serviços Públicos de Alagoas foi posta a prova. E, de forma inesperada, virou o jogo – literalmente.

Em decisão anunciada nesta quinta-feira (veja abaixo) a Arsal cancelou a cobrança da fatura de água da fatura de outubro dos moradores atingidos e ainda mandou a BRK se virar para levar água para a região atingida – usando carros pipas e caixas d’água comunitárias, por exemplo.

Segundo técnicos da Arsal, cerca de 29 mil contas serão canceladas – o que equivale ao abastecimento de uma cidade de mais de 100 mil habitantes.

A decisão Arsal ajuda a entender porque o deputado estadual Ronaldo Medeiros, que já foi presidente da agência e ainda tem influência em sua gestão, adiou a ida de diretores da BRK ao Legislativo.

Nesta quinta, Medeiros parabenizou a Arsal pela iniciativa: “a agência age corretamente, cumprindo seu papel. O consumidor não pode ser penalizado. A Casal e a BRK precisam resolver o problema do abastecimento e a conta não pode sobrar para os moradores”, resume. 

A conta, agora, deve sobrar para o caixa da BRK e da Casal, podendo ter ainda outros desdobramentos.

Versão oficial

Veja texto da assessoria da Arsal

Arsal cancela faturas emitidas pela BRK para usuários atingidos por desabastecimento de água

O colegiado da Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de Alagoas (Arsal) decidiu nesta quarta-feira (24) pelo cancelamento das faturas das unidades consumidoras afetadas diretamente pelo desabastecimento de água decorrente do rompimento da adutora do Sistema Aviação. A decisão será publicada na edição desta quinta (25) do Diário Oficial do Estado (DOE). Serão suspensos os pagamentos a partir do ciclo de outubro/21 até a normalização do serviço.

O desabastecimento afetou parcialmente a região atendida pelo Sistema Aviação. Já os conjuntos Santa Maria, Aprígio Vilela e Eustáquio Gomes tiveram impacto direto com a paralisação e estão há mais de 30 dias, ininterruptos, com deficiência no abastecimento de água.

Além do cancelamento das faturas, a Arsal também determinou à concessionária, enquanto a solução definitiva não se concretizar, o reforço das medidas emergenciais, além do aumento no fornecimento de carros-pipas e caixas d’águas comunitárias, bem como o abastecimento prioritário das residências com moradores idosos e portadores de necessidades especiais.

Leia aqui na íntegra: Arsal cancela faturas emitidas pela BRK para usuários atingidos por desabastecimento de água

Plenário da Assembleia Legislativa de Alagoas

Debate em plenário

Veja texto da Comunicação/ALE

Adiamento do convite para ouvir diretores da BRK gera debate em plenário

Um pedido de adiamento de discussão feito pelo deputado Ronaldo Medeiros (MDB) gerou debate em plenário. O assunto em pauta foi o requerimento nº 909/2021, de autoria do deputado Cabo Bebeto (PTC), solicitando que sejam convidados os diretores da empresa BRK Ambiental para prestarem esclarecimentos sobre falhas na prestação de serviço e sobre o aumento do valor da cobrança das contas de água.

Cabo Bebeto lamentou o pedido de adiamento e disse que isso foi uma forma de proteger a empresa BRK. Em resposta, Ronaldo Medeiros falou que sempre foi contra o processo de privatização do sistema de água de Maceió. “Este problema também é causado pela privatização. Estou estudando o caso e vou apresentar alguns encaminhamentos, por isso solicitei o adiamento”, destacou.

Ainda no debate sobre o tema, o deputado Davi Maia (DEM) criticou a atuação da Arsal. “Quem está colocando água para a população é a Prefeitura de Maceió, que não recebeu nada da outorga. Precisamos trazer a BRK aqui”, afirmou.

A deputada Jó Pereira (MDB) disse que apresentou um requerimento convocando os representantes da BRK, Casal e Arsal para explicarem os motivos da crise de abastecimento d’água em Maceió. “Faço um apelo para a Casa pautar este pedido de convocação”, disse.

Leia aqui, na íntegra: Adiamento do convite para ouvir diretores da BRK gera debate em plenário

 

 

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Clécio Falcão

    Prezado Edvaldo Júnior,
    Recentemente você reproduziu em seu conceituado blog, na Gazetaweb, comentários de deputados estaduais sobre uma possível ineficiência na atual gestão da CASAL. Gostaria, em contraponto a essas manifestações, comentar: a CASAL, até 2014, acumulava prejuízos anuais chegando próximo de R$ 1bi (hum bilhão de reais) de passivos. A partir de 2015, iniciou o ciclo de recuperação, obtendo, de 2016 a 2020, 5 (cinco) anos seguidos de superávit, sendo, no último ano, o melhor resultado da sua história, com o lucro contábil de R$ 263 (duzentos e sessenta e três milhões de reais). Anterior ao atual período de gestão, a CASAL havia perdido totalmente a sua capacidade de investimento, fato este já superado, uma vez que a Companhia passou a fazer investimentos com recursos próprios. A título de exemplo, temos a recuperação do Sistema Coletivo do Alto Sertão, do novo sistema de abastecimento de água do Município de Inhapi, da revitalização da ETA do Município de Palmeira dos Índios e tantos outros, totalizando em mais de R$ 150 (cento e cinquenta milhões de reais) em aporte por meio de recursos próprios, alcançados na atual gestão. Portanto, caro Edvaldo, os comentários ouvidos por você não procedem e denotam falta de conhecimento dos fatos por aqueles que o fizeram. A situação da perda de vazão no abastecimento na parte mais alta de Maceió – Eustáquio Gomes e demais localidades circunvizinhas, de fato é de responsabilidade da CASAL, estando a BRK Ambiental com o papel de distribuir a água que recebe da Companhia. A perda mencionada ocorre na produção do Sistema Aviação, operado pela CASAL. Este sistema, que funciona há cerca de 30 (trinta) anos, sofreu um pré-colapso nas fundações de um trecho da adutora que passa em área de mata fechada, na APA Catolé. Tal situação se agrava pelo fato do Sistema Aviação não ser interligado aos demais sistemas existentes – Pratagy e Catolé-Cardoso, no que poderia ser adotada uma manobra de compensação. Consequentemente, com a redução da vazão para diminuir a pressão e não entrar em colapso total, só restou, a curto prazo, implementar o abastecimento daquelas localidades através de carros-pipa, o que vem sendo feito regularmente pela BRK Ambiental, concessionária responsável pela distribuição da água fornecida pela CASAL para a Região Metropolitana de Maceió – RMM. Nessa situação, todas as providências necessárias estão sendo adotadas para a recuperação da vazão plena da adutora, tendo a CASAL solicitado apoio da BRK Ambiental, visando agilizar os trabalhos, e esta assumiu a condução da recuperação da fundação da adutora e tem se empenhado para restabelecer a vazão total do sistema afetado. Feito esses esclarecimentos, solicitamos a sua divulgação em sua prestigiada coluna, a fim de alcançar os seus inúmeros leitores. Desde já agradecemos a sua atenção. Clécio Falcão, Diretor Presidente da CASAL.

Comments are closed.