Quase 80% dos eleitores de Maceió ainda não têm candidato a governador
   6 de janeiro de 2022   │     22:51  │  1

Divulgada no último dia permitido pela Justiça Eleitoral para a divulgação de pesquisas não registradas (31/12), a sondagem da Global 3 Soluções e Pesquisas revela a preferência do eleitor de Maceió no cenário de hoje para os cargos de Governador de Alagoas e Senador da República.

O resultado é surpreendente. Faltando menos de dez meses para a votação, o eleitor da capital ainda não fez suas escolhas.

No cenário espontâneo, que traduz o voto mais consolidado do eleitor, o nível de indecisão é de quase 80%. Ou seja, a cada 10 eleitores, apenas dois citaram nomes de candidatos.

A maioria não soube responder (59,8%), enquanto 18,1% disseram que pretendem votar branco ou nulo. Quanto isso dá? Exatos 77,9% do eleitorado que não escolheu nenhum nome ao governo.

Mesmo na simulação estimulada, quando os nomes dos candidatos são apresentados ao eleitor, a indecisão segue como favorita. Quando são apresentados os nomes dos candidatos, Rodrigo Cunha tem 18,7%, seguido pelo ex-prefeito Rui Palmeira (10,6%), Renato Filho do Pilar (3,1%), Paulo Dantas (1,6%), Jó Pereira (0,7%), Antônio Albuquerque (0,7%), branco/nulo/nenhum (29,1%), não sabe/não respondeu (35,6%).

Noutro cenário, sem Rodrigo Cunha, o prefeito de Maceió, JHC, lidera com com 35,6%, seguido por Renato Filho do Pilar (3,9%), Paulo Dantas (1,7%), Jó Pereira (1,6%), Antônio Albuquerque (0,9%), branco/nulo/nenhum (22%), não sabe/não respondeu (34,3%).

Nos dois cenários, o total de eleitores que não vão votar em nenhum deles é expressivo: 64,7% e 54,3%, respectivamente.

Para o Senado o nível de indefinição na capital é semelhante. No cenário espontâneo, 77,3% dos entrevistados não citaram nenhum nome (branco/nulo/nenhum (20,5%), não sabe/não respondeu 56,8%). No voto espontâneo para o Senado, Renan Filho e Fernando Collor, assumem a lideranças, apenas um ponto percentual distância um do outro. Renan Filho (7,8%), Collor (6,8%), segujidos de delegado Fábio Costa (3,3%), Ronaldo Lessa (1,5%), Rodrigo Cunha (1,1%), Davi Davino Filho (0,9%), Heloísa Helena (0,5%), JHC (0,4%), Rui Palmeira (0,3%), Alfredo Gaspar (0,1%), branco/nulo/nenhum (20,5%), não sabe/não respondeu (56,8%).

A Global 3 Soluções e Pesquisas entrevistou 1325 eleitores maceioenses, durante os dias 28, 29 e 30 de dezembro. O grau de confiança é de 95% e a margem de erro de 2,69%.

O “dilema” de JHC

O prefeito de Maceió segue liderando a preferência para o governo em Maceió. JHC ainda não decidiu, nem vai decidir agora, sobre uma eventual candidatura. O plano A é ajudar na eleição de Rodrigo. Para isso, o grupo do prefeito deve avaliar, até o começo de março a viabilidade eleitoral do senador. O plano B é JHC candidato.

Mas não é só. Outro desafio a ser enfrentado por JHC é a federação partidária que está sendo formada pelo PT e PSB. Nessa federação, por enquanto, cabe JHC. Embora não exista veto a Rodrigo Cunha, não existe sinalização (de ambos os lados) de nenhuma conversa com o pré-candidato ao governo. Mas essa é outra história.

Veja pesquisa

A pesquisa completa você pode ver no Instagram: acesse aqui:

 

 

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. Sampaio

    A indecisão do eleitorado se deve a péssima atuação politica administrativa dos nosso atuais e dos mais recentes representantes do povo nos poderes legislativo e executivo. Na verdade os que aí estão (com raras exceções) só pensam em si próprio, trabalhando para aumentar suas contas bancárias às custas da miséria do povo.

    Infelizmente os órgãos fiscalizadores do dinheiro público são omissos, senão teríamos que construir muitos outros presídios para guardar os políticos e servidores públicos corruptos, principalmente àqueles que atestam notas sem que o serviço tenha sido realmente executado, aumentam os preços dos produtos e serviços adquiridos, empregam pessoas somente para receber salários, entre tantos outros atos de improbidades que existem no serviço público.

Comments are closed.