Rodrigo Cunha lamenta “não realização” de sessões na Assembleia Legislativa
   6 de maio de 2022   │     14:38  │  0

A Assembleia Legislativa de Alagoas tinha sessão programada para realizar a eleição indireta de governador e vice na última segunda-feira, dia 2. Com a suspensão da votação pelo Supremo Tribunal Federal, os deputados estaduais entraram em compasso de espera.

Enquanto o STF não decide, os parlamentares não deliberam nada. Mesmo com a presença de deputados na Assembleia Legislativa, as sessões não tem sido realizadas por falta de quorum. Com isso, decisões importantes são adiadas e podem ter implicações no funcionamento do Estado.

Envolvido diretamente no processo que resultou na suspensão da eleição indireta, o senador e pré-candidato ao governo Rodrigo Cunha (União Brasil) cobrou, nesta sexta-feira (06/05) a realização de sessões no Legislativo.

“Já é a quarta sessão em que a Casa não consegue reunir quórum e realizar os debates tão necessários para Alagoas, o que no mínimo é lamentável. Ou seja, mais uma semana que a Assembleia Legislativa não trabalha. Qual será o motivo?”, questionou Rodrigo Cunha nas redes sociais.
A estratégia ao que parece é aumentar o tom de críticas contra o Legislativo e, por tabela, contra o deputado estadual Paulo Dantas (MDB), também pré-candidato a governador. Mas essa é outra história.

Versão oficial

Veja texto da assessoria

Rodrigo Cunha cobra realização de sessões na ALE enquanto eleição para governador “tampão” aguarda STF
Em vídeo veiculado em suas redes sociais nesta sexta-feira (6) o senador Rodrigo Cunha (União) criticou a não realização de sessões plenárias na Assembleia Legislativa nos últimos dias, período em que o parlamento alagoano aguarda a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) acerca da realização das eleições indiretas para os cargos de governador e vice-governador “tampão” de Alagoas. O senador cobrou a realização das sessões, com normalidade, por parte do parlamento alagoano.

Concretamente, não há nenhum impedimento para a realização de sessões na Casa de Tavares Bastos e a não ocorrência dos trabalhos parlamentares na Casa vem causando prejuízos ao estado. As eleições para os cargos de governador e vice-governador “tampão” estavam marcadas para o dia 2 de maio, mas ilegalidades verificadas no pleito embasaram ações judiciais e a consequente suspensão do processo eleitoral como um todo.

“Já é a quarta sessão em que a Casa não consegue reunir quórum e realizar os debates tão necessários para Alagoas, o que no mínimo é lamentável. Ou seja, mais uma semana que a Assembleia Legislativa não trabalha. Qual será o motivo? O fato é que o governador em exercício precisa da Assembleia funcionando para que a população não sofra os danos dessa paralização inconsequente. A Assembleia Legislativa não pode ficar paralisada”, disse Rodrigo Cunha.

“Os deputados estão de braços cruzados e não sei qual é a motivação para isso. Espero e até imagino que isto não seja uma forma de prejudicar a gestão do governador Klever Loureiro, que está administrando o estado e fazendo a gestão funcionar com normalidade. O governo precisa da Assembleia funcionando e não há motivos que isto não aconteça. Faço um apelo para que os deputados voltem a trabalhar, uma vez que nosso estado precisa deste trabalho parlamentar”, afirmou o senador alagoano.

As eleições indiretas de governador e vice-governador pela Assembleia Legislativa ficarão suspensas até o relator do caso no STF, ministro Gilmar Mendes, se manifestar. Mendes é o relator da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 969, que questiona a eleição indireta.