Um partido à “deriva”: em seis meses, Podemos tem quatro presidentes e diretório inativo em AL
   24 de junho de 2022   │     16:14  │  0

Na ‘guerra’ política entre grupos de Alagoas, alguns partidos perderam importância, outros deixaram até de ter diretório no Estado.

No cenário atual, com quatro grandes grupos políticos formados por aqui em torno de candidaturas ao governo (Paulo Dantas, Rui Palmeira, Rodrigo Cunha e Fernando Collor), algumas legendas passam a ter papel de coadjuvantes. Outras, correm o risco de nem participar das eleições proporcionais ou majoritárias.

É o caso do Podemos, partido que já teve peso em Alagoas ao abrigar o grupo do ex-prefeito de Maceió, Rui Palmeira.

Nos últimos seis meses – entre o começo de dezembro e o começo de junho, o Podemos teve quatro presidentes em Alagoas. Pela ordem: Tácio Melo da Silveira, Fabiana Cavalcante Pessoa, Jeannyne Beltrão Lima Siqueira e Alexandre Murta de Araújo Rocha.

Os nomes dos presidentes apontam para a mudança de grupos e de rumos do Podemos em Alagoas. No momento o partido está à “deriva”, sem diretório (na verdade está inativo em Alagoas). E nessa condição, o partido não pode sequer realizar convenção. Mas não deve ficar assim.

O Podemos ainda tem algo a oferecer: alguns preciosos segundos de tempo de rádio e TV no guia eleitoral. E por isso mesmo alguém deve assumir o comando do partido antes das convenções. A pergunta é quem ou qual grupo?

E aí, algum palpite?