Paulo consegue tirar tempo de TV de Rodrigo Cunha: veja como ficou o guia após mudança
   22 de setembro de 2022   │     17:51  │  1

Uma das mais importantes ferramentas da campanha, o horário eleitoral gratuito é disputado segundo a segundo por todos os candidatos – especialmente os majoritários.

Uma dos principais diferenciais do candidato do União Brasil ao governo, senador Rodrigo Cunha, desde o início da campanha, era o guia eleitoral. Na distribuição inicial, sua coligação ficou com quase um minuto a mais do que o candidato do MDB ao governo, Paulo Dantas, que tinha (tem) o segundo maior tempo

A coligação Alagoas Merece Mais, de Rodrigo tinha 3 min 55 seg por cada bloco de programa e 383 inserções.

Uma decisão na Justiça Eleitoral, mudou o cálculo desde o último dia 12 de setembro, equilibrando da distribuição e reduzindo o tempo do candidato do UB.

Na nova distribuição o tempo de Cunha caiu para 3min36 segundos e de Paulo Dantas aumentou para 3min15. Outra mudança foi na quantidade de inserções. Rodrigo Cunha tinha 11,2 por dia e caiu para 10,2. O que ele perdeu, passou para a coligação do MDB.

As demais coligações não tiveram alterações nos seus tempos.  O que mudou no cálculo foi a inclusão do Podemos na coligação de Paulo Dantas.

O tempo do partido, que foi alvo de disputa judicial, estava calculado na coligação de Rodrigo Cunha, embora a convenção da legenda – reconhecida pela Justiça – tenha decido pelo apoio ao candidato do MDB.

A estratégia vitoriosa da “guerra” travada nos tribunais foi de Adeilson Bezerra, o “mago das coligações”, que defendeu tese semelhante para o SDD, dando um “drible” em decisões dos diretórios nacionais destes partidos. Mas essa é outra história.

COMENTÁRIOS
1

A área de comentários visa promover um debate sobre o assunto tratado na matéria. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que que firam a ética e a moral não serão liberados.

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do blogueiro.

  1. QUEM É ADEILSON TEIXEIRA BEZERRA?

    Adeilson Bezerra foi usado em 1998 por Renan Calheiros (PMDB), de alcunha Senador Papel Higiênico (Aquele que quando não está sujo, está enrolado!), como laranja, sendo candidato a Governador pelo minúsculo PSL com o único objetivo de atacar o candidato Ronaldo Lessa (PSB), que seria eleito Governador pela primeira vez (Lembra Ronaldo ou já esqueceu?), derrotando o então Governador Manoel Gomes de Barros (PTB), vulgo Mano, apoiado pelo Imperador de Murici.
    Bezerra foi Secretário da Infraestrutura de Alagoas, no primeiro governo de Teotônio Vilela Filho (PSDB), tendo sido indicado pelo Senador Renan Calheiros (PMDB), e chegou a ser preso na Operação Navalha, suspeito de receber propina da empresa para liberar pagamentos referentes a obra de macrodrenagem do Tabuleiro dos Martins, em Maceió.
    Bezerra foi acusado de receber propina para liberar R$ 3,16 milhões para a Gautama em março de 2007.
    Entre outras coisas, Adeilson Bezerra aparece numa conversa telefônica, grampeada com autorização judicial, orientando um subordinado a “chutar” o preço de uma obra para facilitar a obtenção dos recursos em Brasília. “Isso em todo o Brasil é assim”, diz Adeilson em sua defesa. Isso foi uma peça de ou uma confissão?

Comments are closed.