“Quero agradecer do fundo do meu coração”: votação de médico surpreende AL
   4 de outubro de 2022   │     16:52  │  0

Se o voto da educação elegeu Rafael Brito para a Câmara dos Deputados, o voto da saúde levou ao menos dois novos deputados estaduais para a Assembleia Legislativa de Alagoas.

O ex-secretário Alexandre Ayres foi o campeão de votos do Estado, mas sua votação já era de alguma forma esperada (avalio melhor o desempenho dele em outro post) e ele sempre figurou, mas projeções dos analistas, entre os eleitos.

Na chapa do MDB, que fez 14 das 27 vagas da Assembleia Legislativa, dez deputados foram reeleitos e dois ocupam espaços políticos deixado por parentes – caso de Carla Dantas e Remi Calheiros. Entre os novos mesmo, na conta de vários analistas, só Alexandre Ayres e o Dr. Wanderley

O médico de mais de 20 mil cirurgias, reconhecido nacionalmente pelo seu excelente trabalho ao longo de 50 anos de trajetória profissional, chega a Assembleia Legislativa de Alagoas aos 73 anos com disposição de um garoto, para defender a saúde, seu maior legado que é o Hospital do Coração – o primeiro público nessa especialidade em Alagoas – e para fazer o trabalho social.

Zé Wanderley já bateu na trave disputando a prefeitura de Maceió, foi vice-governador de Alagoas por duas vezes, mas essa é sua primeira vitória no voto direto em seu nome. E foi conquistada não só pelo trabalho polítivo bem articulado de seu filho, o prefeito de Cacimbinhas, Hugo Wanderley, mas também pelo trabalho de voluntários.

Com 43.512 votos (2,61% dos válidos), José Wanderley Neto, o Dr. Wanderley, foi o nono mais votado nas eleições deste ano. Teve voto em todas as cidades de Alagoas, num reconhecimento ao trabalho de sua longa trajetória profissional, mas também fruto de muita militância voluntária nas redes e principalmente nas ruas. Escolado em campanhas, Dr. Wanderley foi para as ruas, nos sinais, abordar pessoalmente as pessoas, pedindo um voto de confiança.

Em vídeo para as redes sociais, Wanderley agradeceu a votação. “Queria do fundo do meu coração agradecer cada voto que vocês puderam depositar em mim e ajudaram nessa caminhada. Agradecer ao grupo da saúde que foi muito importante, as lideranças políticas, mas principalmente as pessoas comuns que aderiram a campanha de forma espontânea, entendendo a importância que pode ter um mandato na Assembleia Legislativa”, aponta.

O deputado eleito promete muito trabalho: “Eu vou agora cuidar de planejar esse mandato para que vocês tenham orgulho do voto que deram e valorizem a importância da política. Continuarei minha atividade médica e vou me dedicar as causas sociais, principalmente cuidar de organizar o atendimento as doenças cardiovasculares no Estado de Alagoas”.

Zé Wanderley garante que não vai decepcionar seus eleitores: “Reforço que a gratidão é um sentimento mais nobre do ser humano e eu sou muito grato a todos vocês e não vou trair a confiança de todos vocês”.

Dr. Wanderley foi eleito deputado estadual pelo MDB (Foto: reprodução Instagram)

 

Trajetória*

Um dos profissionais de saúde mais admirados e respeitados do Brasil, uma carreira de sucesso na cardiologia 50 anos e mais, muito mais, de 20 mil cirurgias realizadas – incluindo o pioneirismo nos transplantes de coração no Nordeste.

Com uma longa trajetória na medicina e um pé na política, Zé Wanderley, como é chamado pela legião de amigos, quase foi prefeito de Maceió e foi vice-governador de Alagoas no governo de Téo Vilela e é atualmente vice-governador de Paulo Dantas.

Aos 73 anos, natural de Cacimbinhas, no sertão de Alagoas, o médico continua trabalhando todos os dias, com disposição praticamente igual ao do começo da carreira. E tudo para manter o legado de uma vida inteira dedicada a cardiologia.

Zé Wanderley, mesmo com todo o sucesso sofreu um revés ao ver o Instituto de Doenças do Coração ser “despejado” pela Santa Casa de Maceió em 2018.

O “desmonte” do Instituto, que atendia principalmente pelo SUS, levou Zé a buscar novas alternativas para manter a cardiologia de Alagoas entre as melhores do país.

Na no instituto da Santa Casa, Zé ajudou a formar mais de 150 cardiologistas. E é com alguns deles que trabalhou para ver construído e funcionando o Hospital do Coração do Estado, um equipamento público que deve se tornar referência, atendendo pelo SUS prioritariamente, como sempre fez o médico.

Zé Wanderley poderia ter apostado, como outros colegas, na medicina privada. Mas segue cuidando do que lhe toca mais o coração: fazer cardiologia para quem precisa, pobre ou rico.

E é a defesa desse legado, confessa, que o levou para a disputa por uma vaga de deputado. Seu projeto é defender e garantir a continuidade do trabalho da sua vida.

“Penso em ser candidato para assegurar o funcionamento do Hospital do Coração e principalmente da cardiologia e da medicina pública, acessível para todos”, me disse Dr. Wanderley recentemente.

O Dr. queria ser deputado para garantir que o trabalho realizado ao longo de 5 décadas seja preservado e tenha continuidade. E conseguiu. Agora eleito, anote, Zé Wanderley segue trabalhando todos os dias como cardiologista, afinal o coração não pode parar.

Santa Casa

A história da cardiologia na Santa Casa de Maceió e em Alagoas se confunde com a própria história de José Wanderley Neto e seu grupo de colegas cardiologistas, que desembarcaram em Maceió em 1978. Ao ingressar na Santa Casa de Maceió, o grupo iniciou uma verdadeira revolução ao realizar, nas últimas quatro décadas, procedimentos como pontes de safena, implantes de “stents” e transplantes cardíacos. Tanto que, no período, nada menos que 20 mil pacientes entregaram suas vidas nas mãos do renomado cardiologista.

Numa época em que o eixo Rio-São Paulo detinha os melhores hospitais e profissionais, recebia vultosos recursos financeiros e centralizava uma série de pesquisas de ponta na área cardiovascular, Alagoas ousou criar um pólo de excelência em transplantes num Nordeste que estava à margem dessa realidade.

Com essa iniciativa, a Santa Casa de Maceió passou a receber recursos do Ministério da Saúde, que oxigenaram a instituição como um todo e que deram início a diversos investimentos em outras áreas do complexo hospitalar. A partir de então, Alagoas passou a irradiar conhecimento e avançadas técnicas em cirurgia cardiovascular para os demais estados do Nordeste.

Wanderley Neto lembra ainda o importante papel social da Santa Casa de Maceió nesse contexto, uma vez que 85% dos atendimentos da cardiologia no período foram de pacientes do Sistema Único de Saúde.

Zé Wanderley segue trabalhando todos os dias como cardiologista (Foto: Edivaldo Junior)

*Trecho de texto da página da Santa Casa de Maceió. Leia aqui na íntegra: Médicos elegem Santa Casa e José Wanderley entre hospitais e médicos “mais admirados do Brasil”

Saiba mais

Médico reafirma despejo de instituto cardiológico pela Santa Casa de Maceió

Começa a construção do Hospital do Coração e do novo Hemocentro de Alagoas