Category Archives: Agronegócios

Programa do leite continua suspenso em AL, apesar da aprovação de recursos
   30 de julho de 2020   │     21:26  │  0

Pela primeira vez, desde que foi criado em 2002, o maior programa de inclusão social e produtiva do Estado sofreu interrupção em Alagoas. Cerca de 80 mil famílias estão sem receber o leite, que era entregue pelo governo do Estado desde meados de junho passado. A suspensão também prejudica mais de 3 mil agricultores familiares alagoanos.

A promessa inicial era que a entrega seria retomada ainda este mês. Não foi o que aconteceu. A Secretaria de Agricultura do Estado, esperava para que isso ocorresse, a aprovação dos recursos para pagamento dos atrasados aos agricultores familiares. A reunião do Fecoep, fundo que garante os recursos para o programa, foi realizada nesta quinta-feira (30).

E apesar da aprovação dos recursos, não há previsão para a retomada da entrega do leite aos beneficiários.

O secretário de Agricultura de Alagoas, João Lessa Neto, comemorou a aprovação dos recursos que garantem o pagamento aos produtores, referentes ao período entre janeiro e junho deste ano.

No entanto, ele informa que a retomada da entrega do leite ainda depende do governo federal.

“Programa todo pronto, estamos com todo o processo organizado para pagar os retroativos aos produtores e retomar a distribuição. Infelizmente a gente depende agora de um termo aditivo do Ministério da Cidadania. Esperamos resolver o quanto antes esta questão”, aponta Lessa Neto..

Reclamando

Diretores da Federação das Associações de Moradores e Entidades Comunitárias de Alagoas (Famecal) tem pressionado o governo pela retomada do programa do leite, que foi suspenso pelo Governo do Estado para reformulação, serão efetuados ainda no começo deste mês de agosto.

Nessa semana os diretores da Famecal estiveram na Seagri para cobrar um posicionamento. Sem previsão para a volta do programa eles prometem fazer um ato no Palácio dos Palmares para cobrar um posicionamento do governador Renan Filho.

“Pedimos apenas o compromisso do Governo do Estado para a manutenção do Programa do Leite. Fomos informados que o dinheiro será liberado pelo Fecoep para que, em seguida, seja dado início o pagamento dos atrasados. Os produtores de leite estão há seis meses sem receber. A gente já sofre com altos índices de analfabetismo e agora com o da fome. Afinal, esse leite, que é fornecido pelo programa, é muito importante para as famílias carentes do nosso Estado”, afirmou o diretor de Formação e Educação Comunitária da Famecal, Antonio Sabino.

Em oficio encaminhado à Secretaria de Agricultura de Alagoas, a Famecal destacou que, diante do quadro da pandemia da covid 19 que assola Alagoas e o mundo, as famílias beneficiadas pelo Programa do Leite foram profundamente afetadas pelos efeitos econômicos negativos.

O programa atende mais de 80 mil famílias carentes do Estado com a distribuição semanal de leite fornecido por mais de três mil agricultores familiares alagoanos.

Vale a pena ler de novo

Pela primeira vez em 18 anos, programa do leite é suspenso em AL

Pela primeira vez em 18 anos, programa do leite é suspenso em AL

NOTA DE ESCLARECIMENTO: “Programa do leite será retomado em AL”
   17 de julho de 2020   │     18:29  │  0

Sobre a suspensão do Programa do Leite, informada aqui, recebi nota de esclarecimento.

Representando mais de três mil pequenos produtores rurais de Alagoas cooperativas e associações de agricultores familiares apostam na retomada do programa – o quanto antes.  E que assim seja.

Eis a nota:

Agricultores familiares acreditam que o Programa do leite será retomado em AL

O Programa do Leite (PAA-Leite) deu uma pausa, uma parada para ajustes necessários, processo que inclui a implantação de um novo sistema de gestão, que promete reduzir a burocracia e dar mais agilidade a distribuição do leite.

As cooperativas e associações, que representam os agricultores familiares que participam do programa, acreditam que o convênio PAA-Leite, renovado entre a Secretaria de Estado da Agricultura de Alagoas e o Ministério da Cidadania, até março de 2021, será retomado o mais rapidamente possível.

As cooperativas e associações confiam, mais uma vez, no compromisso do Governo de Alagoas, em especial do governador Renan Filho, que ao longo de mais de cinco anos de gestão sempre assegurou os recursos necessários para a continuidade do Programa do Leite, mesmo quando houve atrasos ou interrupção das verbas federais.

A retomada do Programa do Leite é fundamental para assegurar a manutenção de mais de três mil agricultores familiares no campo, com qualidade de vida e dignidade. E é também essencial para assegurar uma nutrição adequada a 80 mil beneficiários nos 102 municípios alagoanos. São crianças, gestantes, nutrizes e idosos, que encontram no leite uma alimentação saudável e nutritiva.

Em Alagoas, o Programa do Leite é executado pela Secretaria de Estado de Agricultura, com a participação de seis cooperativas (CPLA, Pindorama, Coopaz, Cafisa, Aagra e Coopevale), 72 associações de produtores de leites e mais mil instituições públicas ou filantrópicas responsáveis pela entrega de leite aos beneficiários.

Com um forte controle social, o Programa do Leite é a ação do Governo do Estado, em parceria o Governo Federal, de maior capilaridade, com presença em todas as regiões e em todos os bairros e comunidades de grandes cidades, a exemplo de Maceió, onde a entrega do leite é feita em cerca de 670 pontos.

Com forte presença no campo e na cidade, o Programa do Leite é também a maior ação de inclusão social e produtiva do Estado de Alagoas, promovendo a distribuição de renda, movimentando a economia e funcionando ainda como um importante regulador de toda a cadeia produtiva do leite.

O governador Renan Filho conhece o Programa do Leite e sabe que é essencial que ele continue, gerando emprego, distribuindo renda e levando um alimento saudável para as pessoas que mais precisam.

As cooperativas e associações, que participam do Programa do Leite, acreditam, mais uma vez, em Renan Filho. O governador já assegurou que não faltarão recursos para a manutenção do programa em Alagoas. Estamos prontos para, juntos com o Governo de Alagoas e o Governo Federal, retomar a distribuição do leite, que é essencial para a vida de milhares e milhares de alagoanos.

Associação de Agricultores Alternativos (AAGRA)
Cooperativa dos Agricultores Familiares do Sertão de Alagoas (Cafisa)
Cooperativa de Produção Leiteira de Alagoas (CPLA)
Cooperativa Regional dos Pequenos Produtores Rurais do Vale do Paraíba (Coopevale)
Cooperativa de Colonização Agropecuária e Industrial Pindorama Ltda (Pindorama)
Cooperativa Agropecuária de Produtores de Leite Familiar da Bacia Leiteira de Alagoas(Coopaz)

AL perde Fernando Coutinho, referência nacional na pecuária e campeão de generosidade
   1 de julho de 2020   │     19:26  │  2

Aos 82 anos, Fernando Villar Coutinho faleceu na madrugada desta quarta-feira, 1º de julho, em sua Fazenda Curral de Cima, no município de Igreja Nova, Alagoas. Ele foi sepultado na propriedade, como queria, em cerimônia restrita aos familiares.

Agricultor, pecuarista, Fernando Coutinho deixa um legado para a pecuária alagoana e nacional. Mas sua grande marca será sempre a bondade e o sorriso. Quem teve o privilégio de ir até a fazenda Curral de Cima certamente lembrará do anfitrião, que sabia receber como poucos.

Eu estive lá, algumas vezes. E tive o prazer de ser recebido por um senhor que nunca deixou de sonhar, de inovar, de construir, de fazer o bem. Fernando Coutinho me apresentou a sua sala de troféus, recheadas de premiações conquistadas em competições regionais e nacionais. Mas agora, quando lembro dele, do seu jeito de ser, acredito que seu maior título, seu maior campeonato, foi o da generosidade.

Homenagens

Na Expoagro Alagoas de 2019, Fernando Coutinho foi homenageado e reverenciado por vários criadores. Ele foi ao evento acompanhado de um dos seus filhos, Renato, talvez antecipando uma “despedida” do setor que ajudou a construir.

Na fazenda Curral de Cima, como lembra o presidente da Associação dos Criadores de Alagoas, Domício Silva, Fernando foi pioneiro na realização de leilões agropecuários e se tornou referência nacional na raça nelore, além de ser um dos primeiros criadores e disseminadores de raças como quarto de milha e mangalarga marchador.

“Ele se destacou pelo pioneirismo na criação de várias raças e trouxe para Alagoas os primeiros leilões na Fazenda curral de Cima. Tem uma grande contribuição na pecuária de Alagoas, foi destaque na criação do nelore a nível nacional e influenciou muito Alagoas. Deixa um grande legado na pecuária”, afirma Domício.

O presidente da ACA, lembra que Fernando Coutinho também foi presidente Associação dos Criadores de Alagoas e de várias associações do setor e ajudou a a trazer a ABCZ para Alagoas, incentivando a realizado de eventos e exposições que fomentam a atividade agropecuária no Estado. Domício também destaca pessoa outra característica do criador: “Fernando era conhecido pela sua bondade ímpar e imensa generosidade. Um grande amigo, grande anfitrião, que gostava e sabia receber as pessoas”, aponta.

Fernando Coutinho foi presidente da Associação dos Criadores de São Miguel dos Campos, conseguiu trazer o Escritório da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ) para Alagoas, foi conselheiro da ABCZ por duas gestões, foi também o fundador e presidente da Associação Alagoana de Equídeos e conquistou vários títulos de campeonatos nacionais. Além disso, foi fundador da “Hípica” de Maceió e representante de Alagoas nas lideranças rurais brasileiras.

Trajetória

Fernando Coutinho foi diretor e durante vários anos trabalhou na Usina Sinimbu, mas sua grande paixão foi a agricultura e pecuária. O produtor foi uma referência na pecuária brasileira. E segundo o Portal DBO, acumulou grande experiência e se destacou na seleção e melhoramento genético de bovinos das raças Nelore, Nelore Mocho, Girolando e Gir, além de equinos Mangalarga Marchador e Quarto de Milha e ovinos Santa Inês.

Animais selecionados do rebanho da Fazenda Curral de Cima foram premiados em eventos nacionais e formaram plantéis de diversos criatórios. Além disso, o tradicional “Leilão de Curral de Cima” era reconhecido como o mais antigo em Alagoas, sempre com casa cheia e exemplares de alta qualidade genética.

“Fernando produziu em sua fazenda o touro Nelore Mocho Siso de FC, filho de Ludy de Garça e grande campeão nacional da ExpoZebu 1992. Siso de FC foi negociado à Varrela Agropecuária, que pertencia ao saudoso senador Carlos Lyra.”, registra o Portal DBO.

Perda

Fernando Coutinho deixa quatro filhos. Em comunicado nas redes sociais, eles registraram a perda. “Nosso pai faleceu em paz, por motivos naturais, em seu paraíso, na Fazenda Curral de Cima, onde será sepultado, como ele queria. Fernando Coutinho deixa um legado de amor ao próximo e à família. Fez acima de tudo bons amigos e se dedicou com amor e determinação à pecuária, levando Alagoas às grandes exposições do Brasil”, diz a nota de pesar enviada pela família.

Fernando Coutinho, em foto na sua fazenda Curral de Cima

Alívio: governo libera pagamento do programa do leite
   23 de março de 2020   │     21:34  │  0

A partir desta terça-feira, 24, agricultores familiares que abastecem o programa do leite em Alagoas deve começar a receber pagamento de parcelas atrasadas

O governador Renan Filho disse, por aplicativo, que determinou a liberação de pagamentos do programa do leite que estavam sendo processados pelas secretarias da Agricultura e da Fazenda.

Os agricultores familiares esperam receber pouco mais de R$ 3 milhões de parcelas referentes a entregas feitas em 2019.

O governo ainda não definiu como o programa continuará em Alagoas.

A partir do próximo dia 31, vencem os contratos de fornecimento com as cooperativas que fornecem o leite (Pindorama, Coopaz e CPLA). Em meio a pandemia do novo coronavírus, a Seagri não terá como fazer um novo edital até o final do mês.

Sem novo contrato ou sem a prorrogação do atual, o fornecimento de leite a 80 mil famílias alagoanas pode ser suspenso. A suspensão, se confirmada, deve atingir cerca de 15 mil idosos – justo o público de maior risco em tempos de Covid-19.

Atualmente o programa do leite atende 80 mil alagoanos, entre idosos, crianças e nutrizes carentes dos 102 municípios alagoanos.

Renan Filho, no entanto, afirma que pretende manter o programa funcionando em Alagoas e recomendou mobilização dos agricultores familiares e da bancada federal do Estado para assegurar os recursos federais para a manutenção da distribuição de leite para famílias carentes do Estado.

“Quero manter o programa do leite, que é muito importante para Alagoas, mas é preciso também que o governo federal assegures os recursos”, diz o governador.

Chuvas ‘atrasam’ e safra de cana será menor que o esperado em Alagoas
   24 de fevereiro de 2020   │     19:03  │  0

A safra de cana-de-açúcar 2019/2020 será menor do que o esperado em Alagoas. A projeção inicial era de 19 milhões de toneladas, foi revista para 18 milhões de toneladas e agora a estimativa é de uma produção na casa de 17 milhões de toneladas.

O que derrubou todas as expectativas foi a falta de chuvas – ou melhor o atraso na precipitação pluviométrica.

As chuvas de fevereiro ajudam a manter o canavial e a melhorar as estimativas para a próxima safra, mas terão pouca influência no ciclo atual, segundo estimativa do departamento técnico do Sindaçúcar-AL.

“Inicialmente a estimativa é que poderíamos passar de 18 milhões de toneladas. No entanto, Alagoas perdeu mais de um milhão de toneladas de cana em função do baixo índice pluviométrico no período entre setembro e janeiro deste ano. O que se espera agora é que a produção fique em torno de 17 milhões de toneladas com crescimento entre 4% e 5% na comparação com a safra anterior”, explica o presidente da Stab Leste e assessor do Sindaçúcar-AL, Cândido Carnaúba.

Segundo levantamento do Sindaçúcar-AL, a falta de chuva durante o verão foi muito forte na região canavieira de Alagoas. O levantamento feito pelo departamento técnico aponta para uma precipitação acumulada de 110 ml entre os meses de setembro de 2019 e janeiro de 2020.

“Em uma média de 38 anos na região canavieira alagoana a precipitação média no período é de 510 milhão. De acordo com nosso levantamento choveu em torno de 400 ml a menos de setembro a janeiro. Nesta safra chove 110 milhão, uma redução de 80% e com o agravante de que em dois meses, novembro e dezembro, choveu quase anda”, aponta Cândido Carnaúba.

Perspectivas

Com as chuvas de fevereiro, a próxima safra, avalia Carnaúba, está assegurada em Alagoas, com expectativa de no mínimo repetir a produção do ciclo atual. “As empresas tem investido em irrigação e se o próximo verão for bom de chuvas, podemos até ter crescimento da produção”, pondera.

Veja aqui o boletim com a:  “PRECIPITAÇÃO PLUVIOMETRICA MÉDIA DA REGIÃO CANAVIEIRA DO ESTADO DE ALAGOAS”