Category Archives: Política

Aprovado “extra” de R$ 248 mi para prefeituras e R$ 392 mi para governo de AL
   15 de outubro de 2019   │     23:52  │  0

Às vésperas das eleições de 2020, os atuais prefeitos alagoanos e o governo de Alagoas terão um reforço de caixa de mais de R$ 640 milhões. Essa é estimativa do valor que será repassado na partilha do mega-leilão do Pré-Sal, previsto para este ano – a chamada “cessão onerosa”.

As regras de partilha foram aprovadas pelo Senado na noite desta terça-feira, 15. Os senadores deram fim hoje “à novela do megaleilão do pré-sal” e aprovar por unanimidade o projeto de lei que determina as regras de rateio entre União (67%), estados (15%) e municípios (15%). O Rio de Janeiro, onde estão situadas as jazidas de petróleo, tem direito a uma parcela especial (3%).

O placar da votação em plenário foi de 68 votos favoráveis, e nenhum contrário.

Com a nova regra o governo de Alagoas deve receber cerca de R$ 392 milhões. Já para os 102 municípios alagoanos devem ser repassados cerca de R$ 248 milhões.

A confederação nacional dos municípios fez um estudo com a projeção dos recursos para cada município. Maceió deve ficar com cerca de R$ 46 milhões e Arapiraca com pouco mais de R$ 10 milhões.

Veja a tabela e acesse os links:

Veja aqui a tabela na íntegra:

https://www.cnm.org.br/cms/biblioteca/Simulador%20da%20Cess%c3%a3o%20Onerosa%20-%20BR%2010.10.19.pdf

Senado aprova por unanimidade rateio de recursos do megaleilão do pré-sal

Venda de cessão onerosa de petróleo deve render R$ 390 mi para Alagoas

 

“Lessa tem chances reais de ir para o segundo turno em Maceió”
     │     14:13  │  0

Ex-prefeito de Maceió, ex-governador de Alagoas por duas vezes, vereador da capital, deputado estadual e deputado federal, Ronaldo Lessa coleciona tantas vitórias quanto derrotas eleitorais numa das carreiras mais longas da política alagoana.

Para muitos, ele seria “carta fora do baralho”. Em seu desfavor, o nome já conhecido, a rejeição e a “nova política”.

Mas há quem enxerque no atual presidente estadual do PDT a possibilidade de surpreender.

“Observe o Ronaldo Lessa. Se ele for candidato a prefeito, terá chances reais de ir para o segundo turno das eleições”, me recomendou durante um bate papo de cafezinho um dos mais experientes analistas políticos de Alagoas, que também atua como estrategista eleitoral – com histórico de vitórias aqui e em outros Estados.

De fato, o nome de Lessa tem aparecido bem nas pesquisas. Das que vi, ele está sempre na segunda ou terceira posição, “encostado” em João Henrique Caldas (PSB) e Davi Davino Filho (PP).

Ronaldo Lessa é um dos nomes postos pelo PDT. O partido tem entre seus filiados outros dois ex-prefeitos da capital que também podem ir para a disputa: Corintho Campelo e Kátia Born. E ainda tem o ex-deputado Judson Cabral, que pode liderar ou compor uma chapa majoritária.

O afastamento do governo de Renan Filho deu a Lessa e a o PDT a possibilidade de conversar e compor com qualquer grupo.

Se convergir com a esquerda e centro-esquerda, Lessa conseguirá (na avaliação do nosso analista) entrar forte no jogo eleitoral de 2020: “ele tem um bom recall (nome lembrado pelo eleitorado) e ainda é muito querido por vários setores, a exemplo do funcionalismo”, aponta.

Lessa terá que decidir se vai encarar essa nova disputa (como quer o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi) ou se vai para uma composição, indicando o vice.

As próximas pesquisas certamente vão ajudar nessa decisão. Mas essa é outra história.

Ronaldo Lessa surge como um dos nomes mais fortes na disputa pela prefeitura de Maceió

Deputado ‘monta’ chapa para eleger até 4 vereadores em Maceió
   14 de outubro de 2019   │     16:45  │  1

Com o fim das coligações a estratégia mudou. Para eleger vereadores agora a ordem é concentrar ao máximo dos “puxadores” de votos no mesmo partido.

Na capital, os partidos que tem as maiores bancadas na Câmara de Vereadores de Maceió partem com vantagem.

No PP, os quatro vereadores (Davi Davino, Fátima Santiago, Cléber Costa, Francisco Filho) devem ir para a reeleição com o reforço de vários outros nomes. A mesma situação do MDB que tem três vereadores (Galba Neto, Antônio Holanda e Ronaldo Luz) e do PSDB (Kelmann Vieira, José Márcio Filho e Eduardo Canuto).

Nos demais partidos, o trabalho é para tentar aumentar a bancada a partir da “janela da infidelidade”, que será aberta em abril do próximo ano.

Presidente do DEM em Maceió, o deputado estadual de oposição Davi Maia, está articulando a formação de uma chapa competitiva. Ele estima que é possível, no novo cenário de três a quatro vereadores.

Com o aumento do número de vereadores de 21 para 25 vagas, o quociente deve ficar entre 18 mil e 19 mil votos – dependendo da abstenção.

Atualmente o DEM tem dois vereadores em Maceió – Aparecida Augusta e Simone Andrade. Davi já como certa filiação de Siderlane Mendonça (PEN) e avalia que seria possível filiar mais um outro vereador. Um dos nomes possíveis é o de Ib Breda (PR).

“Aumentando a bancada, é possível aumentar o espaço que o partido tem na prefeitura. E juntando com a base (tive para estadual 23 mil votos e partido teve mais 10 mil votos de legenda), com participação de várias lideranças de bairro, podemos eleger de 3 a 4 vereadores”, avalia.

Mudanças no DEM

A possibilidade de filiação do presidente da Assembleia Legislativa de Alagoas, Marcelo Victor (SD) ao DEM, se confirmada “agora” não deve provocar mudanças nos planos de Davi Maia em Maceió para as próximas eleições.

Ele diz que soube de uma “conversa” entre Marcelo Victor e o presidente nacional do DEM, ACM Neto. “Não acredito que haja interferência no diretório municipal de Maceió, que é definitivo”, pondera.

Segundo Maia, se houver mudanças será principalmente nos diretórios provisórios: “hoje o partido só tem executiva em 20 cidades. Em cerca de 80 são comissões provisórias, que podem sofrer mudanças. Como Marcelo Victor se dá bem co Nonô (José Thomaz Nonô, presidente do DEM em Alagoas) não teria problema. Marcelo e Nonô se dão bem. Só não sei se eu fico. Me dou bem com Marcelo Victor. Mas tem que ver os passos que serão dados”, aponta.

Davi Maia avalia que será preciso definir a participação de Nonô nas próximas eleições: “ele tem tamanho para ser candidato a prefeito ou vice em qualquer chapa”, afirma. Mas essa é outra história.

De olho em prefeituras, secretários de RF ‘preparam malas’ para deixar governo
   13 de outubro de 2019   │     18:52  │  1

A contagem agora é regressiva. Falta menos de um ano para as eleições municipais de 2020. Restam, portanto, menos de seis meses para a desincompatibilização. Candidatos que ocupam cargos de confiança já começam a arrumar as malas – literalmente.

No governo de Renan Filho (MDB), algumas ‘baixas’ já estão confirmadas. O secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), Fernando Pereira (MDB), transferiu o título para São Miguel dos Campos e já está em pré-campanha, de olho na prefeitura do município.

Fernando, apesar da força política dos Pereira em cidades vizinhas (Teotonio Vilela e Campo Alegre), não terá eleição fácil em São Miguel dos Campos. Entre seus prováveis adversários estão o atual prefeito, Pedoca Jatobá (DEM) e o ex-prefeito George Clemente (MDB).

A mulher de Renato Filho, prefeito de Pilar, também está na mesma passada. Cecília Rocha (deve se filiar ao PSC), secretária de Ciência e Tecnologia (Secti) já está em pré-campanha para disputar a prefeitura de Atalaia.

No caso dela, especificamente, a passagem pelo governo faz parte da estratégia eleitoral. Na Pasta, Cecília ganharia visibilidade e musculatura para disputar a prefeitura.

Cecília tem um problema político a resolver. Deve enfrentar o atual prefeito de Atalaia, que é candidato a Reeleição. Chico Vigário é do MDB e também é próximo ao governador Renan Filho, que terá dificuldades para escolher um palanque.

Outro secretário que também deve disputar mandato no próximo ano é Arthur Albuquerque (PTB), do Trabalho e Emprego (Sete).

Arthur é filho do deputado estadual Antônio Albuquerque (PTB) e irmão do deputado federal Nivaldo Albuquerque (PTB) e vai enfrentar uma disputa acirrada no município. Entre os adversários terá pela frente o atual prefeito Marcelo Rodrigues (PP) e o ex-prefeito Marlan Ferreira (PP).

Tem mais

Pelo menos mais três secretários do governo de Renan Filho são citados como possíveis candidatos a prefeito em 2020.

Vamos relembrar? Luciano Barbosa (MDB) em Arapiraca, Maurício Quintella (PL) em Maceió e Mellina Freitas (MDB) em Piranhas.

Pela ordem as chances são muito pequenas no caso do secretário de Educação, pequenas no caso do secretário de Infraestrutura e medianas no caso da Secretária de Cultura.

Já no segundo escalão, até o momento, apenas dois nomes foram “escalados” para a disputa. Luiz Pedro, que é presidente do Inmeq, já se filiou ao MDB e é pré-candidato em Mata Grande. Vai disputar a prefeitura pela segunda vez e desta com chances bem maiores.

Ainda no campo da especulação (embora já tenha manifestado publicamente este desejo) está o filho do procurador Geral de Justiça. Carlos Neto é o presidente da Adeal e tem pretensões de disputar a prefeitura de Quebrangulo. Ele já teria até dito a alguns amigos que talvez jogue o projeto para mais adiante – a conferir.

Com base nas informações do momento, o quadro de ‘baixas’ no governo de Renan Filho ficaria assim:

Secretários que ‘devem’ deixar governo para disputar prefeituras

Arthur Albuquerque (Sete) – Limoeiro de Anadia

Ceília Rocha (Secti) – Atalaia

Fernando Pereira (Semarh) – São Miguel dos Campos

Secretários que ‘podem’ deixar governo para disputar prefeituras

Mellina Freitas (Secult) – Piranhas

Maurício Quintella (Seinfra) – Maceió

Luciano Barbosa (Educação) – Arapiraca

Segundo Escalão

Luiz Pedro (Inmeq) – Mata Grande

Carlos Neto (Adeal) – Quebrangulo

‘Surpresa’: mais votado de Maceió, deputado perde enquete para prefeito
   12 de outubro de 2019   │     16:40  │  1

Enquete nas redes sociais não tem o mesmo peso de uma pesquisa registrada. Mas é um bom indicativo. Ainda mais quando é promovida por uma conta isenta.

Desde o começo desta semana uma enquete realizada no Instagram de um Site Local movimentou os bastidores da política em Maceió.

A votação realizada no stories foi na base do confronto direto. Cada perfil tinha direito a um voto.

O resultado da enquete surpreendeu. Considerado o “rei” das redes sociais entre os prováveis candidatos a prefeito de Maceió em 2020, o deputado federal João Henrique Caldas (PSB) teve um desempenho abaixo do esperado.

Mais votado deputado federal de Maceió nas últimas duas eleições (2014 e 2020), JHC ficou no “empate técnico” com Ronaldo Lessa (PDT), ganhou de Alfredo Gaspar (sem partido) e perdeu para Davi Davino Filho.

Vamos relembrar?

No primeiro resultado, João Henrique Caldas (PSB) teve 52% dos votos contra 48% dos votos de Ronaldo Lessa (PDT).

O segundo confronto foi entre Davi Davino Filho (PP) que teve 67% contra 33% dos votos de Alfredo Gaspar de Mendonça (Sem Partido).

O terceiro confronto foi entre os dois segundos colocados. Gaspar teve 51% contra 49% de Lessa.

Os dois vencedores dos primeiros embates foram testados entre quinta e sexta-feira.

A votação seguiu até ontem e terminou com Davi Filho vencendo com 55% contra 45% de JHC.

Uma nova votação foi encerrada neste sábado (com Gaspar perdendo para JHC), mas o resultado foi retirado do stories.

Prova dos 9

Os resultados da enquete não estão muito diferentes das últimas pesquisas de opinião. No último resultado divulgado aqui, JHC aparecria em primeiro, Davi Filho em 2o, Ronaldo Lessa em 3o e Gaspar em 40. Uma nova rodada de pesquisas está sendo feita neste final de semana. Se conseguir o resultado, publico aqui.

Por hora, vale rever o último resultado publicado aqui: Pesquisa inédita aponta favoritos na eleição de Maceió

Reprodução da última parcial da enquete. O resultado final (não tenho o print) foi 55% a 45%