Category Archives: Política

Aliança entre Ronaldo Lessa e Rui Palmeira é improvável
   17 de junho de 2018   │     23:56  │  1

Ronaldo Lessa estaria magoado porque Renan Filho não reconhece o “legado” que deixou como governador. As críticas do chefe do Executivo ao “passado” estariam incomodando o deputado federal e o seu grupo.

Será?

O deputado federal Ronaldo Lessa tem aparecido cada vez mais frequentemente ao lado de Renan Filho, em diferentes solenidades – um sinal claro de que não está disposto a disputar nem o governo, nem o Senado.

Ainda assim, nos últimos surgiu uma nova “bomba” nos bastidores da política alagoana. O deputado federal Ronaldo Lessa estaria se reaproximando politicamente do prefeito Rui Palmeira e já teria até marcado uma conversa nos próximos para definir uma aliança.

“Não passa de folclore”, assegura um dos mais próximos interlocutores de Lessa.

Tanto é que as conversas que Lessa tem tido com a oposição – sim, ele conversa com todas as frentes política do estado – passam hoje no máximo por uma composição para deputado federal. De acordo com o interlocutor, o PP que antes ofereceu a Lessa condições para ele disputar a vaga de governador, agora acena com uma chapa de federal.

“Isso não vai acontecer. O Ronaldo tem deixado claro que vai seguir no grupo de Renan Filho. Aliás, é bom lembrar, ele será o coordenador da campanha da reeleição”, diz o interlocutor.

Quanto ao legado, o interlocutor esclarece que “o governador Renan Filho sempre reconheceu a contribuição de Lessa como governador. O resto é só fofoca”, assegura.

Uma conversa entre Rui e Ronaldo, no entanto, não é improvável. Lessa saiu da base de Palmeira, mas os dois continuaram conversando bem no campo institucional. Quanto a uma aliança entre os dois, hoje, a fonte ligada ao deputado do PDT jura que é improvável.

É ver para crer.

Pela primeira vez, uma índia assume Secretaria em Alagoas
     │     22:53  │  0

Mulher, de etnia Fulni-ô, defensora direitos das mulheres negras, quilombolas, indígenas, ciganos, LGBTI e populações periféricas nos processos de inclusão social. A nova secretária da Mulher e dos Direitos Humanos de Alagoas, indicada para o cargo pelo Partido dos Trabalhadores de Alagoas tem um perfil bem diferente do convencional.

É a primeira vez, pelo que se sabe, que uma mulher de etnia indígena assume um cargo de primeiro escalão em Alagoas. Maria José, que já atuou em outros cargos no governo do Estado, vai comandar uma pasta que já foi dirigida por outras mulheres de perfil bem diferente – entre as quais, Kátia Born,  Wedna Miranda, Marluce Caldas, Rosinha da Adefal e Cláudia Simões.

Maria José tem pouco tempo para mostrar a que veio. Indicada pelo PT, que volta oficialmente a base do governo, ela tem pouco mais de seis meses pela frente  (a atual gestão termina em 31 de dezembro) para marcar sua passagem pela Pasta.

O tempo é curto, mas dá sim para imprimir alguma marca, ainda mais em se tratando de questões sociais, da implantação de projetos e programas em defesa de minorias, algumas esquecidas até pela mídia, especialmente os povos indígenas.

A posse

A posse da nova secretária de Estado da Mulher e dos Direitos Humanos, Maria José da Silva, foi realizada na sexta-feira, 15, no Palácio dos Palmares.

A solenidade foi realizada no Salão de Despachos do Palácio República dos Palmares e reuniu secretários, diretores de órgãos estaduais e representantes de comunidades quilombolas, indígenas e dos movimentos LGBTI, sem-terra e de mulheres.

Renan Filho recordou que Maria José já exerceu cargos na atual gestão; ela foi assessora de governança, na Secretaria de Assistência Social; chefe de gabinete e superintendente de Qualificação e do Trabalho, na Secretaria de Estado do Trabalho e Emprego.

“Com a posse da nova secretária, o Governo do Estado dá sequência aos trabalhos desenvolvidos pela Pasta, buscando, cada vez mais, a aproximação social e a interlocução com os movimentos sociais. Somos um Governo que defende a diversidade e o direito da pessoa humana”, disse Renan Filho.

Quem é

Da etnia Funiô, aldeia situada em Pernambuco, Maria José da Silva nasceu na cidade de Porecatu, Paraná. Mulher ativista, sempre atuante em prol das causas sociais, ela reside em Alagoas desde 1989. Em sua militância, luta pelos direitos das mulheres negras, quilombolas, indígenas, ciganos, LGBTI e populações periféricas nos processos de inclusão social.

“O desafio é grande, mas a gente sabe que esta gestão estadual tem feito um trabalho excepcional junto às mulheres negras, aos povos quilombolas, indígenas, então vamos dar seguimento às políticas públicas que vêm dando certo”, afirmou Maria José, que substitui Cláudia Simões na Pasta.

Maria José foi, ainda, secretária da Central Única das Favelas (Cufa), superintendente regional (Nordeste) da Fundação Palmares (2013 a 2015), quando participou do processo de certificação de 32 quilombos.

Prestigiaram a solenidade o deputado estadual Ronaldo Medeiros; os federais Paulo Fernando dos Santos, o Paulão; e Rosinha da Adefal; o vereador por Maceió, Silvio Camelo; a coordenadora do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos do Ministério Público de Alagoas, promotora Marluce Falcão; os secretários de Estado da Segurança Pública; Lima Júnior; da Comunicação, Enio Lins; da Cultura, Mellina Freitas; da Educação, Laura Souza; do Transporte e Desenvolvimento Urbano, Mosart Amaral; da Ciência, Tecnologia e Inovação, Rogério Pinheiro; dentre outras autoridades e convidados.

Maria José e Renan Filho, durante solenidade de posse (Foto: Thiago Sampaio/Secom)

Versão oficial

A Agência Alagoas fez texto sobre a posse da nova secretária.

Leia aqui: Empossada nova secretária da Mulher e dos Direitos Humanos

 

Entre Maurício Quintella e Marx Beltrão, Renan Filho prega “união”
   16 de junho de 2018   │     23:47  │  3

O governador Renan Filho aproveitou o sábado para inaugurar o 13o Cisp do Estado. O novo Centro Integrado de Segurança Pública (CISP), contou com investimentos de R$ 1,8 milhão e foi instalado em São Miguel dos Milagres, Litoral Norte de Alagoas.

Durante a solenidade, Renan Filho anunciou que até o final do ano serão inaugurados outros 12 Cisp. “Vamos chegar a 25 até o final, atendendo uma população de 1 milhão de pessoas. Isso quer dizer que metade da população de Alagoas, fora Maceió e Arapiraca, que são atendidas por outras estratégias de segurança, serão atendidas pelos Cisps, um sistema que mostrou grande eficiência no interior de Alagoas”, disse.

Renan Filho aproveitou também a inauguração para defender a união das forças políticas de Alagoas em torno da mudança para melhor. O recado foi dado ao lado dos deputados federais e ex-ministros Maurício Quintella (PR) e Marx Beltrão (PSD).

Mais do que um “recado”, Renan Filho parece ter comunicado que o seu grupo está unificado, descartando assim um afastamento de Marx Beltrão, como vinha sendo especulado nos bastidores da política.

“Por isso Maurício Quintella e Marx Beltrão este é o momento para Alagoas se unir, para a gente formar um grande time em defesa do Estado, um time que empunhe a bandeira da mudança, um time que olhe para o cidadão de Alagoas e peça mais uma vez que acredite no futuro, que a gente pode chegar lá”. Não é mais aquele futuro do passado, que o cara dizia que a Alagoas futuro será assim. Não! O futuro tem que ser já”, defendeu Renan Filho..

Ainda no seu discurso, o governador reforçou: “O investimento na segurança tem que ser agora. A reconstrução da rodovia tem que ser agora. O hospital tá sendo feito agora. Quantas vezes as pessoas falaram aqui que tinha que ter um centro de atendimento nessa região para o cidadão não ter que ir a Maceió. No norte inteiro, todo o norte de Alagoas, 200 mil habitantes, quando assumi não tinha nenhuma unidade de referência. Nenhuma. Construímos a UPA de Maragogi e entregamos. Tá lá funcionando. Estamos construindo hospital de Porto Calvo, que vai gerar 800 empregos na região…isso vai ajudar que a região se desenvolva”.

Ainda na sua fala Renan Filho deixou claro nas entrelinhas que Maurício Quintella e Marx Beltrão vão marchar juntos com seu grupo nas eleições deste ano.

“Vamos continuar percorrendo Alagoas conversando, com as pessoas, dizer que nós precisamos observar quem pode ajudar o estado, que na hora que tem a chance vai lá e colabora, como fizeram o Marx Beltrão e o Maurício Quintella. Quando foram ministros, eles em nenhum momento deixaram de usar todo o espaço que tiveram para fazer Alagoas avançar”.

E é claro que no grupo não faltará espaço para o senador Renan Calheiros, candidatíssimo à reeleição. “Então eu queria agradecer a vocês, agradecer o senador Renan Calheiros como disse o Maurício Quintella e o Marx também, porque lá em Brasília quando a coisa aperta, na hora que o coco fica seco, na hora que os grandes estados querem levar tudo para eles é o senador Renan Calheiros que bate na mesa em defesa do nosso estado. Muito do que a gente tem feito aqui é pelo espaço que o senador Renan ocupa em Brasília”.

Versão oficial

Veja texto da Agência Alagoas sobre a inauguração do novo Cisp

Rota Ecológica ganha Centro Integrado de Segurança e Força Tarefa

Gustavo Pessoa vai tentar vaga na Assembleia Legislativa
   13 de junho de 2018   │     22:31  │  0

Presidente do PSOL em Alagoas, Gustavo Pessoa conseguiu se tornar conhecido ao disputar as eleições para prefeito de Maceió em 2016. Foi o quarto mais votado, ficando atrás apenas de Rui Palmeira, Cícero Almeida e JHC.

Pelo bom desempenho no guia eleitoral e nos debates, Pessoa era um dos nomes cotados para disputar o governo ou o Senado pelo PSOL. Era…

Essa semana, o professor Gustavo Pessoa anunciou que vai disputar uma vaga na Assembleia Legislativa de Alagoas. Será certamente um dos mais votados do seu partido ou coligação. Resta saber se o PSOL conseguirá atingir o quociente eleitoral ou votos suficientes para disputar uma vaga com os “grandes” partidos nas eleições deste não.

Gustavo avalia que pode sim chegar lá. Ele aposta no “voto ideológico” e é provavelmente o mais conhecido candidato de esquerda nas eleições deste ano, pelo menos na disputa para deputado estadual.

Gustavo vai buscar eco para suas propostas nas universidades, escolas e movimentos sociais.

Marcelo Palmeira pode virar a opção para enfrentar Renan Filho
   12 de junho de 2018   │     22:56  │  0

Desde que Rui Palmeira anunciou, em março, que não seria candidato ao governo, o grupo político que dá sustentação ao prefeito de Maceió está em busca de um nome para disputar a eleição contra Renan Filho. O deputado estadual Rodrigo Cunha (PSDB) preferiu disputar o Senado. O presidente da Câmara Municipal de Maceió, Kelmann Vieira, foi sondado, mas pelo jeito não vai entrar na disputa.

Apesar das informações de que a “oposição” deve rachar, o prefeito de Maceió e presidente do PSDB, Rui Palmeira, disse a vários interlocutores essa semana que o grupo mantém as conversas com o objetivo de formar as chapas majoritárias e proporcionais.

O grupo que orbita em torno de Rui Palmeira (PROS, DEM, PP, PSDB e PP) segue sem candidato ao governo, com PP e PSDB cada vez mais distantes. Nesse cenário, já se especula o lançamento da candidatura do vice-prefeito de Maceió, Marcelo Palmeira (PP), para governador.

Os defensores da candidatura de Marcelo, apontam que ele, além de garantir um palanque, poderia se cacifar – ao ir para o embate com Renan Filho – para as eleições de 2020 em Maceió.

O vice-prefeito trabalha para ser candidato à sucessão de Rui Palmeira e tem ao seu favor a boa relação com o atual prefeito, apoio na Câmara de Vereadores, além de uma sólida base partidária. Esta, aliás, seria uma das razões, para o “veto” à candidatura de Kelmann Vieira ao governo. Convidado por Rui Palmeira para a missão, ele ficou de dar resposta, mas seu nome teria sido vetado pelo PP.

O nome de Marcelo, que pode disputar qualquer cargo nestas eleições sem precisar renunciar ao mandato de vice, tem sido lembrado em várias ocasiões. Seria o vice, segundo informações de bastidores, de Rodrigo Cunha. Desde que o deputado estadual foi para a disputa ao Senado, Marcelo tem sido lembrado por vários amigos para a disputa.

Estrategista, com bom trânsito na política, o vice-prefeito ainda não falou publicamente sobre esta possibilidade. Mas, se o cavalo passar selado…