Category Archives: Política

Marcelo Palmeira anuncia apoio a candidatura de Rui ao governo
   17 de fevereiro de 2018   │     19:26  │  0

A declaração foi dada neste sábado, 17, pelo vice-prefeito e prefeito interino de Maceió, durante vistoria a obras que estão sendo realizadas pela prefeitura na capital.

Marcelo Palmeira falou sobre a eventual candidatura de Rui Palmeira ao governo, sem meias palavras: “Durante toda a campanha de 2016 nós ouvíamos as pessoas pedirem para ele se candidatar. Muitos já chamavam ele de governador. Mas, como já disse, esta é uma decisão do próprio Rui. O que ele decidir, darei meu apoio”.

Nada mais óbvio para um vice que pode se beneficiar com o afastamento do titular, dirão muitos sobre a declaração de Marcelo Palmeira.

Não é bem assim. A história está cheia de exemplos de vices que não foram nada leais aos titulares. O ‘golpe’ de Michel Temer contra Dilma Roussef é apenas um dos mais recente. Em Alagoas temos vários casos de vices que atrapalharam os planos de governadores e prefeitos.

Não parece ser esse o caso de Marcelo Palmeira em relação ao prefeito Rui Palmeira. Os dois entraram para uma dobradinha, em 2012, por força das circunstâncias. Ao longo da gestão, se aproximaram, estabeleceram laços e ganharam confiança um no outro, o que foi decisivo para repetir a aliança em 2016.

Agora, na segunda gestão, os dois parecem ainda mais próximos. Em 2017, Marcelo assumiu a prefeitura por mais de 40 dias.

Na última quarta-feira, 14, ele voltou a assumir a prefeitura. Rui Palmeira ficará afastado até o próximo dia 23, quando retorna de viagem para “renovar as baterias”.

O afastamento, trata-se, segundo especulações de bastidores de um movimento do prefeito para viabilizar sua candidatura ao governo ou ao Senado. Rui teria ido para conversas “decisivas” em Brasília e São Paulo.

Note bem o que Marcelo disse – “O que ele decidir, darei meu apoio”. Em outras palavras, continuam na mesma se Rui não for candidato. E se for, o ‘futuro’ prefeito sugere que vai arregaçar as mangas.

Agora só falta o atual prefeito dizer se e ao que é candidato. As especulações de uma disputa ao Senado voltaram a crescer nos últimos dias. Com a palavra, Rui Palmeira.

Afinal, quem está esperando por Rui: JHC ou Renan Filho?
   16 de fevereiro de 2018   │     22:22  │  0

Num gesto inesperado, o ex-governador Teotônio Vilela Filho desistiu de disputar a eleição para o Senado. Foi, ao que parece, uma decisão pessoal amadurecida. E, cá para nós, não deve ter sido fácil para Téo mudar de ideia. Ele desejava voltar ao Senado e tinha tudo para isso.

Afora isso, nada aconteceu de novo na política alagoana depois do carnaval, como se esperava. Nem mesmo a desistência de Téo foi capaz de mudar o cenário atual.

Todos seguem, como dantes, ao que parece esperando por Rui Palmeira.

O prefeito tem até 7 de abril para deixa a prefeitura de Maceió para disputar as eleições deste ano. “Rui sai ou não sai?”. “Rui vai para o governo ou para o Senado?”.

As perguntas são as mesmas e continuam sem respostas. Por mais improvável, a indefinição de Rui Palmeira não paralisa apenas seus aliados. Os eventuais adversários também estão parados, à espera de que ele faça o próximo movimento.

Mesmo quem está à frente nas pesquisas, com apoio e estrutura, como é o caso do governador Renan Filho, parece esperar por uma decisão do prefeito. Essa pelo menos é a observação de um importante analista político confidenciada ao blog: “não sei se o governador está esperando pelo Rui, mas se estiver, é um erro. Ele está na vantagem e pode partir para a definição agora, deixando os grupos na saia justa. Quem está com as cartas na mão é o Renan Filho. O Rui Palmeira vai ganhar tempo e blefar até onde der e ele deixar”, aponta.

Já o deputado federal João Henrique Caldas, presidente do PSB em Alagoas, mantém apenas no campo das promessas e probabilidades a construção da chamada terceira força. Sem candidato ao governo, sem chapa proporcional e com apenas um pré-candidato ao Senado, a “nova força” tem dificuldades em prosperar: “na verdade o JHC poderá ser decisivo para Rui Palmeira ou Renan Filho. Para onde pender, pelo que representa hoje, poderá ser decisivo, desde que decida logo. Se demorar muito, sua decisão não terá quase nenhum peso”, aponta o analista.

Seja como for, ao retardar movimentos importantes na formação de chapas proporcionais ou majoritárias, Renan Filho e JHC dão a sensação (mesmo que isso não seja real) de que estão esperando por Rui Palmeira.

Essa espera, no entanto, acaba forçosamente nas próximas duas semanas, quando será aberta a janela para a mudança de partidos: “a partir dos primeiros dias de março, Renan Filho, JHC e Rui Palmeira terão que apontar o caminho para seus aliados, do contrário correm o risco de atropelar a construção de seus próprios palanques”, avalia o analista.

Após contradição de delatores, Renan deve se livrar de mais um inquérito
   15 de fevereiro de 2018   │     20:46  │  0

A informação é da coluna Expresso, da versão eletrônica da Revista Época. A contradição nos depoimentos de delatores num inquérito da Lava Jato pode derrubar mais uma denúncia contra o senador Renan Calheiros (MDB). Até agora, seis inquéritos contra o parlamentar já foram arquivados por falta de provas.

Em texto publicado nessa quarta-feira, 14, o jornalista Marcelo Rocha informa que a Polícia Federal encontrou contradições nos depoimentos dos delatores Alberto Youssef e Carlos Alexandre de Souza Rocha, conhecido como Ceará.

Os dois foram ouvidos no inquérito da Lava Jato que apura a suspeita do pagamento de R$ 2 milhões em propina ao senador Renan Calheiros (MDB-AL) pela empreiteira OAS para barrar investigações no Congresso sobre irregularidades na Petrobras.

De acordo com os autos, os valores foram entregues em 2013 e 2014 em Curitiba e Maceió, respectivamente.

Ceará afirmou que entregou o dinheiro a um “homem elegante”, sem apontar o nome, e que ouviu Youssef dizer que o montante era destinado a Renan. Youssef foi ouvido e negou que tenha feito qualquer referência ao senador, apenas confirmando que Ceará esteve nas duas cidades para transportar valores a pedido da OAS.

Com as contradições, a PF pode pedir o arquivamento do inquérito.

Versão oficial

Veja o texto publicado pela Coluna Expresso:

PF aponta contradição entre delatores sobre suspeitas envolvendo Renan Calheiros

É investigado repasse de R$ 2 milhões ao parlamentar pela OAS

MARCELO ROCHA

14/02/2018 – 13h29 – Atualizado 14/02/2018 15h05

A delegada federal Cynthia Fonseca Silveira apontou uma contradição entre os delatores Alberto Youssef e Carlos Alexandre de Souza Rocha, conhecido como Ceará, no inquérito da Lava Jato que apura a suspeita do pagamento de R$ 2 milhões em propina ao senador Renan Calheiros (MDB-AL) pela empreiteira OAS para barrar investigações no Congresso sobre irregularidades na Petrobras. De acordo com os autos, os valores foram entregues em 2013 e 2014 em Curitiba e Maceió, respectivamente.

Ceará afirmou que entregou o dinheiro a um “homem elegante”, sem apontar o nome, e que ouviu Youssef dizer que o montante era destinado a Renan. Youssef foi ouvido pela delegada e negou que tenha feito qualquer referência ao senador, apenas confirmando que Ceará esteve nas duas cidades para transportar valores a pedido da OAS.

Para tentar avançar na apuração, a PF em Brasília pediu aos investigadores da Lava Jato em Curitiba relatórios sobre as ERBs (estações de rádio-base) – equipamentos que fazem a conexão entre os celulares e as companhias telefônicas – dos aparelhos de Youssef e de Ceará. Outra providência da delegada é ouvir Léo Pinheiro e José Breghirolli, ex-presidente e ex-superintendente da OAS.

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou, na semana passada, a prorrogação do inquérito por 60 dias.

Leia aqui, na íntegra:

https://epoca.globo.com/politica/expresso/noticia/2018/02/pf-aponta-contradicao-entre-delatores-sobre-suspeitas-envolvendo-renan-calheiros.html

Padre Eraldo é o prefeito com maior desaprovação de Alagoas
   14 de fevereiro de 2018   │     22:30  │  1

Grande promessa da política na região do sertão alagoano, Eraldo Cordeiro, o Padre Eraldo, ainda não conseguiu acertar o passo. Ele assumiu como prefeito de Delmiro Gouveia, em janeiro de 2017, prometendo uma gestão mais próxima do cidadão. Até agora, no entanto, parece que só conseguiu aumentar a distância do eleitor.

Pelo menos é o que se pode deduzir da mais recente pesquisa de opinião realizada no município pelo Ibrape.

O levantamento foi realizado no pelo Ibrape, realizada no último dia 28 de janeiro, com 800 entrevistados. A aprovação foi de apenas 7%, enquanto 2% não souberam responder. Já a desaprovação chegou a 91%, a maior entre todos os prefeitos de Alagoas, ao que se tem conhecimentos até agora – nos levantamentos realizados pelo Ibrape.

O Ibrape também pediu que entrevistados avaliassem a gestão do prefeito. Ao responder a questão estimulada – “Na sua opinião a administração do prefeito Padre Eraldo, até o momento está?”: 0% responderam ótimo, bom 4%, regular 9%, ruim 29%, péssimo 56%, não sabe 2%.

Segundo o Ibrape, apenas 14% dos entrevistados acreditam que a gestão de Eraldo pode melhorar, enquanto 54% disseram que vai piorar. Na comparação com o prefeito anterior (Lula Cabeleira), 3% consideram que ele está melhor, 12% igual e 82% pior.

Veja as tabelas:

30

 

Renan sobre a aposentadoria de Temer: “Michel não faz as coisas que fala”
     │     21:24  │  1

O senador Renan Calheiros usou as redes sociais para criticar campanha do governo federal a favor da reforma da Previdência. A publicidade apresenta dois personagens, um do setor público e outro do setor privado, para mostrar as diferenças da aposentadoria de um para ou outro.

Renan Calheiros sugere que os marqueteiros do governo federal troquem os dois “Joãos” por “Michel” na campanha sobre a Reforma da Previdência.

“O grande problema é que o Michel, o presidente, quer impor aos brasileiros a perda de direitos que o Michel, cidadão, usufrui sem constrangimentos há anos!”

Segundo Renan, Temer se aposentou aos 55 anos ganhando R$ 48 mil de aposentadoria: “hoje ganha R$ 68 mil e acha que fez por merecer, inclusive deixou de atualizar suas informações para fazê-lo depois que votar a reforma no Congresso. Esse é o problema dessa reforma das aposentadorias, o Michel presidente fala coisas mas não faz as coisas que fala”.

A postagem, feita há uma semana, tem mais de 4,5 mil compartilhamentos de mais de 93 mil visualizações.

Veja o que diz o senador:

“Essa propaganda do Governo Federal sobre a reforma da Previdência é maravilhosa. São dois Joãos. O João 1, do setor público e João 2, do privado. A campanha compara um com o outro. O João público trabalha pouco, se aposenta cedo e ganha muito. E o João 2, do setor privado, quer a reforma da previdência, porque ela tira privilégios do João 1. Eu queria sugerir aos marqueteiros do governo que mantivessem a campanha que é boa, mas trocassem os personagens, ao invés de dois Joãos, colocar dois Michel. O Michel privado, cidadão e o Michel presidente. O Michel cidadão, que se aposentou aos 55 anos de idade ganhando inicialmente 48 mil de aposentadoria e hoje ganha 68 e acha que fez por merecer, inclusive deixou de atualizar suas informações para fazê-lo depois que votar a reforma no Congresso. E o Michel 2, que é sabido, que quer a reforma e que os outros contribuam até 75 anos. Esse é o problema dessa reforma das aposentadorias, o Michel presidente fala coisas mas não faz as coisas que fala”.

Veja aqui, na íntegra: