Uso de máscara será obrigatório até 2022 em Alagoas
   27 de novembro de 2021   │     19:39  │  1

O governador Renan Filho chegou a anunciar, em sua conta no Twitter, a suspensão da obrigatoriedade do uso de máscaras em locais públicos de Alagoas.

O anúncio foi feito no dia 15. A partir da chegada de 108 mil doses de vacinas, a expectativa era de suspensão das últimas restrições ainda vigentes naquela semana. A medida deveria ter entrado em vigor há 7  sete dias. E tudo indica, a liberação não deve ocorrer mais este ano.

Aconselhado por especialistas, Renan Filho decidiu esperar um pouco mais. A pandemia segue no Estado, apesar da redução dos casos. Existe ainda o temor de novas variantes, a exemplo da ômicron.

Apesar da queda do número de casos, os hospitais de Alagoas ainda seguem atendendo pacientes com Covid-19. Nesse momento, segundo boletim da Secretaria de Saúde do Estado (veja aqui), 62 pacientes estão hospitalizados para tratamento da doença, sendo 34 em UTIs.

Após o anúncio no Twitter (veja abaixo), o governo recebeu pedidos de especialistas para manter obrigatório o uso de máscara pelo menos até o começo de 2022.

Renan Filho sabe que o uso de máscaras já foi abolido nas ruas da maioria das cidades do interior de Alagoas, mas prefere manter a obrigatoriedade para não estimular ainda mais o descuido de parte da população.

A um interlocutor, o governador revelou que vai manter o uso de máscaras de “forma didática” por mais algumas semanas. Ou seja, o governo não vai liberar, mas também não vai fiscalizar, multar ou prender ninguém que não esteja usando máscaras, seja em locais abertos ou fechados.

 

Comentários 1

“Segredos são estranhos à democracia”, dispara Renan
     │     19:11  │  0

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) apresentou um projeto de resolução para dar luz ao “orçamento secreto”. Mergulhadas na “escuridão”, as emendas do relator (RP9) carecem de transparência. E não só. É preciso que deputados e senadores também encontrem um mecanismo mais justo para sua distribuição. Dinheiro demais em poucas mãos, abre espaço para desvios e usos inadequados – para dizer o mínimo.

O projeto de Renan, se aprovado, é um passo importante. Acabar com o “segredismo das emendas de relator-geral no orçamento” é um bom começo.

Segredos, como tuitou Calheiros, são estranhos à democracia. A iniciativa do senador, no entanto, não deixa de ser um contraponto ao centrão do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL). Mas essa é outra história.

Comentários 0

Falcão sai em defesa da Casal: prejuízos de R$ 1 bi viram lucros de R$ 263 mi
     │     17:11  │  0

O diretor-presidente da CASAL, Clécio Falcão, pediu espaço para defender a empresa. Ele sentiu-se incomodado com opiniões de alguns deputados citadas em texto aqui no blog sobre a falta d’água na parte alta de Maceió (veja aqui).

Em defesa da atual gestão da Casal, seu presidente relata que até 2014, a empresa acumulava prejuízos próximos de R$ 1bi. “A partir de 2015, iniciou o ciclo de recuperação, obtendo, de 2016 a 2020, 5 (cinco) anos seguidos de superávit, sendo, no último ano, o melhor resultado da sua história, com o lucro contábil de R$ 263 milhões”.

Para Falcão, as críticas “não procedem e denotam falta de conhecimento dos fatos por aqueles que o fizeram”.

O presidente admite, no entanto, responsabilidade da empresa na falta d’água: “A situação da perda de vazão no abastecimento na parte mais alta de Maceió – Eustáquio Gomes e demais localidades circunvizinhas, de fato é de responsabilidade da CASAL, estando a BRK Ambiental com o papel de distribuir a água que recebe da Companhia”.

O espaço aqui está sempre aberto, para Clécio e qualquer que um sinta necessidade de prestar esclarecimentos ou, se for o caso, direito de resposta.

Veja a nota de Clécio Falcão 

Prezado Edvaldo Júnior,

Recentemente você reproduziu em seu conceituado blog, na Gazetaweb, comentários de deputados estaduais sobre uma possível ineficiência na atual gestão da CASAL. Gostaria, em contraponto a essas manifestações, comentar: a CASAL, até 2014, acumulava prejuízos anuais chegando próximo de R$ 1bi (hum bilhão de reais) de passivos. A partir de 2015, iniciou o ciclo de recuperação, obtendo, de 2016 a 2020, 5 (cinco) anos seguidos de superávit, sendo, no último ano, o melhor resultado da sua história, com o lucro contábil de R$ 263 (duzentos e sessenta e três milhões de reais).

Anterior ao atual período de gestão, a CASAL havia perdido totalmente a sua capacidade de investimento, fato este já superado, uma vez que a Companhia passou a fazer investimentos com recursos próprios. A título de exemplo, temos a recuperação do Sistema Coletivo do Alto Sertão, do novo sistema de abastecimento de água do Município de Inhapi, da revitalização da ETA do Município de Palmeira dos Índios e tantos outros, totalizando em mais de R$ 150 (cento e cinquenta milhões de reais) em aporte por meio de recursos próprios, alcançados na atual gestão.

Portanto, caro Edvaldo, os comentários ouvidos por você não procedem e denotam falta de conhecimento dos fatos por aqueles que o fizeram.

A situação da perda de vazão no abastecimento na parte mais alta de Maceió – Eustáquio Gomes e demais localidades circunvizinhas, de fato é de responsabilidade da CASAL, estando a BRK Ambiental com o papel de distribuir a água que recebe da Companhia. A perda mencionada ocorre na produção do Sistema Aviação, operado pela CASAL. Este sistema, que funciona há cerca de 30 (trinta) anos, sofreu um pré-colapso nas fundações de um trecho da adutora que passa em área de mata fechada, na APA Catolé. Tal situação se agrava pelo fato do Sistema Aviação não ser interligado aos demais sistemas existentes – Pratagy e Catolé-Cardoso, no que poderia ser adotada uma manobra de compensação.

Consequentemente, com a redução da vazão para diminuir a pressão e não entrar em colapso total, só restou, a curto prazo, implementar o abastecimento daquelas localidades através de carros-pipa, o que vem sendo feito regularmente pela BRK Ambiental, concessionária responsável pela distribuição da água fornecida pela CASAL para a Região Metropolitana de Maceió – RMM.

Nessa situação, todas as providências necessárias estão sendo adotadas para a recuperação da vazão plena da adutora, tendo a CASAL solicitado apoio da BRK Ambiental, visando agilizar os trabalhos, e esta assumiu a condução da recuperação da fundação da adutora e tem se empenhado para restabelecer a vazão total do sistema afetado. Feito esses esclarecimentos, solicitamos a sua divulgação em sua prestigiada coluna, a fim de alcançar os seus inúmeros leitores.

Desde já agradecemos a sua atenção.

Clécio Falcão, Diretor-Presidente da CASAL.

 

Comentários 0

A hora de Lessa: de olho no Senado, Ronaldo apoia Rodrigo Cunha , mas…
   26 de novembro de 2021   │     21:51  │  3

A política de Alagoas tem seus “sobreviventes”. O vice-prefeito de Maceió certamente é um deles. E está mais do que nunca disposto a encarar novos desafios nas urnas, mesmo que tenha pela frente concorrentes de peso a exemplo do governador Renan Filho ou do senador Fernando Collor.

“Para mim, quanto mais complicada a eleição, melhor”, reage Ronaldo Lessa (PDT) sobre uma possível disputa com dois dos mais importantes políticos do Estado na atualidade.

O vice-prefeito de Maceió quer disputar as eleições de 2022. Se dependesse só dele, seria candidato a governador. E se depender dele, não deverá concorrer a nenhum cargo proporcional.

A Lessa não resta outra opção no momento senão “esperar”. E vai esperar, até a última hora, uma decisão de JHC – ou seja, até 2 de abril.

Se o prefeito não for concorrer ao governo, o vice vai pode disputar o Senado. Essa decisão já está tomada. Mas Lessa também trabalha para montar o palanque de Ciro Gomes em Alagoas e a formação de chapas proporcionais do PDT. “Tenho conversado com várias pessoas. Vamos montar chapas de federal e estadual”, avisa.

Fechado com Cunha

E porque Ronaldo Lessa não vai para o governo? Ele avisa que tem compromisso com o senador Rodrigo Cunha. “No cenário de hoje ele deverá ser nosso candidato a governador e vou trabalhar para elegê-lo”, aponta.

Ronaldo avalia que o senador tem boas chances de chegar lá. Mas sabe que também pode ser convocado para “outra missão”.

A possibilidade JHC disputar o governo é real, embora poucos acreditem que o prefeito seria capaz de deixar o cargo para disputar um novo mandato. Mas se sair, João Henrique terá ao seu lado o vice-prefeito pro que der e vir.

Assumindo o cargo, Ronaldo Lessa dará todo o apoio possível a JHC numa eventual disputa majoritária. Ou alguém aí duvida disso?

Ronaldo Lessa, vice-prefeito de Maceió

Comentários 3

Governo ou Senado? Marx Beltrão pode disputar majoritária em 2022
   25 de novembro de 2021   │     21:53  │  0

Nas eleições de 2018 Marx Beltrão chegou a ensaiar uma candidatura ao Senado. Em função das composições, disputou a Câmara dos Deputados e foi reeleito com votação expressiva, quase 140 mil votos.

Na pré-campanha para 2022, Marx Beltrão adota estratégia diferente. Diferente do pleito anterior, quando lançou o nome ao Senado, é candidatíssimo a reeleição. Mas não descarta a possibilidade a majoritária.

Esta semana, o presidente do PSD de Maceió, vereador Zé Márcio, esquentou a discussão ao defender que o nome de Marx deveria ser lembrado para o governo.

O próprio deputado nunca escondeu o desejo de disputar a vaga de governador. Mas tem colocado os pés no chão e sabe que uma disputa como essa não depende só dele.

“Tenho um compromisso com o governador Renan Filho. Sei que se ele for disputar o Senado no próximo ano, deverá fazer isso em composição com a Assembleia Legislativa. Nesse hipótese, serei candidato a deputado federal”, aponta.

Marx Beltrão conversou nesta quinta-feira (25/11) com Renan Filho. E aproveitou para falar sobre o destino deles em 2022. “O governador ainda não decidiu. Tem hora que a gente pensa que ele vai, tem horas que a gente pensa que ele não vai. Por isso disse a ele que vou esperar a posição dele. Mas também disse que estou pronto para disputar o Senado ou o governo. Vai depender dos cenários”, aponta.

Marx Beltrão disse ao governador que está pronto “para a missão”. Mas faz o que lhe cabe no momento. Percorre trecho para garantir a reeleição de deputado federal.

Comentários 0